Se você for a única pessoa que pode ajudar a alguém de sua família que está muito necessitado de sua ajuda, o que você faz? Ajuda ou nega ajuda?

Refiro-me à pessoa que nada mais pode fazer por ela mesma.

Ah! Ela não quer seu dinheiro.

Não precisa dele.

Não quer nada de suas coisas materiais.

Na realidade, essa pessoa não está sozinha nessa condição. Com ela existem outras bilhões de pessoas. Quem são elas? São as Almas do Purgatório.

As Almas do Purgatório fazem parte da família dos filhos de Deus na Igreja Padecente.
As almas do Céu fazem parte dos filhos de Deus na Igreja Gloriosa.
E as almas da Igreja Militante fazem parte dos filhos de Deus que lutam na Terra pela glória de Deus, pela salvação das almas, pela própria salvação e pela libertação das Almas do Purgatório. Juntos somos uma só família.

Infelizmente, quando um familiar ou amigo morre, rapidamente essa pessoa é esquecida. Os familiares lembram por pouco tempo de continuar rezando por aqueles que lhes eram íntimos enquanto viviam na Terra. Por exemplo: quantos avôs e avós, pais e mães, não recebem orações diárias de seus netos e filhos por já fazer certo tempo que morreram? Quantos filhos não lembram mais de orar por seus pais? Quantos amigos não lembram mais de seus amigos que já não estão neste mundo?

As pessoas que já morreram só podiam fazer alguma coisa para seu bem pessoal e espiritual enquanto estavam vivas. Depois que morreram, se estão sofrendo no Purgatório, nada podem fazer para se ajudar. Em vida, elas podiam se ajudar ganhando méritos diante de Deus, obedecendo aos Sagrados Mandamentos, fazendo leitura da Palavra de Deus, fazendo orações inspiradas, rezando por si e pelos outros, rezando o Rosário, fazendo jejuns, penitências, sacrifícios, peregrinações, cantando louvores a Deus, amando muito a Deus, amando aos que lhe amam e aos que lhe odeiam e perseguem, confessando seus pecados, indo à Missa e comungando.

No Purgatório, elas estão a orar dia e noite, mas suas orações não lhes ajudam em nada, porque o tempo de adquirir méritos é enquanto se vive na Terra. Depois que morre, a alma não pode conquistar méritos de quando vivia na Terra, pois não vive mais na Terra, está em outro nível de vida, que é o Purgatório. Na Terra, Deus nos dá a oportunidade para nos purificarmos. Na Terra, podemos nos purgar por meio das reparações do nossos pecados.

Santa Catarina de Gênova, a “Teóloga do Purgatório”

Quando arrependidos, confessamos os nossos pecados, somos perdoados por Deus totalmente, a ferida do pecado some; mas fica a cicatriz, a mancha. Essa mancha tem de sair: ou aqui, enquanto vivemos na Terra, por meio de muitas reparações; ou sairá pela purificação dos atrozes sofrimento do Purgatório.

“Aqui, pagamos com um, a dívida de mil, e na outra vida precisamos de mil para pagar um… Está em nossas mãos ganhar muito e preparar a entrada do Céu logo depois da morte.”

(Santa Catarina de Gênova)

Muitas são as oportunidades que Deus dá para nos purificarmos todos os dias, como reparação de nossos pecados já perdoados. Infelizmente, muitos de nós as perde por não viver orando e vigiando, em obediência a essa ordem de Jesus.


PODEMOS EVITAR O PURGATÓRIO?

É verdade que é difícil ir direto ao Céu, por dois motivos: a santidade de Deus e a nossa negligência no amor a Ele. 

Escutei uma pessoa dizer: “Se eu conseguir me salvar no Purgatório, estarei bem”. Eu fiquei com aquilo na cabeça e, um dia, conversando com alguém, disse que se me salvasse no Purgatório, estaria feliz.

Hoje me arrependo de ter dito isso. Examinando minha consciência, vi que essa pessoa, que falou tal coisa, falou com muita humildade; ela tinha entendimento da santidade de Deus. Não era o meu caso. Minha consciência me mostrava que, em mim, não era humildade; que não era apenas ‘eu não saber o que dizia’; era mais do que isso, era pouco amor a Deus, pouco entendimento de sua santidade, pouca disposição para buscar fazer a vontade de Deus, era covardia. Na verdade, esse pensamento me acomodava em mim mesmo.

Compreendi, depois, que devemos viver fazendo de tudo para irmos direto para o Céu. Se fizemos, e ainda tivermos de purificar algumas dívidas no Purgatório, bendito seja Deus! Então, iremos nos purificar. É justo, pois verdadeiramente Deus vê falhas até nos puros Anjos. 

“Até mesmo em seus Anjos encontra defeitos.”

(Jó 4, 18)

Se Deus vê defeitos em seus Anjos, imaginemos o que vê em nós. Eu, por mim, imagino a mim mesmo. Deus tenha misericórdia de mim!

Apesar da fragilidade humana, penso que é nosso dever nos esforçarmos para vivermos de modo que, quando morrermos, irmos direto para o Céu. Essa conduta é mais adequada do que vivermos na acomodação espiritual, pensando em nos purificar no Purgatório. Nesta vida, contamos com toda a ajuda de Deus para vivermos como Ele quer, e ao morrer já irmos direto para Ele. Esse é o desejo Dele. Se for o nosso também, então assim será na hora de nossa morte: morreremos em seus braços na Terra e instantaneamente nasceremos em seus braços no Céu!

Peçamos a Deus a graça de sermos perseverantes, vigiando-nos quanto a todos os pecados mortais e quanto aos veniais; e assim viveremos sob a graça de Deus. Amemos a Deus em primeiro lugar, amemos nosso próximo, perdoemos tudo e todos, sejamos misericordiosos. 

“Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia!”

(Mt 5, 7)

“Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados.”

(Lc 6, 37)

Busquemos sempre o perdão dos pecados pela confissão, e a vida eterna pela Eucaristia na Igreja que Jesus fundou em Pedro. Desejemos e nos esforcemos para ir direto ao Céu, sabendo que houveram santos de cuja santidade nós nem chegamos perto; santos que tiveram de passar pelo Purgatório! Imaginemos nós. Eu imagino a mim. Porém, que essa verdade não nos esmoreça no desejo e no esforço de vivermos como Deus quer para, depois da morte, irmos direto para o Céu.

Madre Angélica (*1923 +2016) – Fundadora do Grupo EWTN

Segundo Madre Angélica, fundadora do Grupo EWTN, a melhor forma para “pular” o Purgatório está em fazer a vontade de Deus no momento presente.

Não está, portanto, em querer fazer a vontade de Deus no futuro. O Diabo sabe como fazer desse pensamento uma grande tentação. 

Também não é correto se condenar por não ter feito a vontade de Deus no passado. Deve-se arrepender-se agora, confessar-se; e começar no “hoje de Deus” – que é o nosso agora – a renunciar a si mesmo, para carregar a cruz atrás de Jesus, com o desejo de agradar a Deus, e não a si mesmo.

Devemos usar os dons que Deus nos deu para render frutos para Deus, não para nós. De posse dessa intenção, “nós damos o nosso melhor para usar os talentos que possuímos, e deixamos os resultados para Deus.” Podemos ter certeza “que Deus se compraz com os nossos esforços e que Sua Providência cuidará dos frutos desses esforços”, diz Madre Angélica.

Nossa atitude de perder as oportunidades que Deus nos dá, com as quais podemos evitar o Purgatório e ir direto para o Céu, é que nos faz desperdiçar a misericórdia; e, assim, vamos para o Purgatório.

SE AS ALMAS ESTÃO SALVAS NO PURGATÓRIO, POR QUE SOFREM?

Se formos para o Purgatório, estaremos salvos. Não haverá mais culpa de pecados em nós, mas teremos débitos a pagar; teremos as dívidas das penitências, reparações, que deveríamos ter feito em vida e não fizemos direito, ou não fizemos de modo algum.

Iremos pagar pelas murmurações, impaciências, tristezas, preocupações, não aceitação das situações, falta de amor e fé diante das dificuldades da vida que deveríamos ter ofertado como penitência, como reparação de nossos pecados; mas ao invés de usar em nosso proveito, para receber bênçãos na Terra e evitar o Purgatório depois da morte, ficamos chateados, impacientes e reclamamos.

A Santa Missa é a melhor oração que se pode fazer pelas almas

PODEREMOS NOS AJUDAR NO PURGATÓRIO?

No Purgatório, estaremos salvos por misericórdia de Deus; mas estaremos sofrendo muito, sabendo que nada podemos fazer por nós mesmos para sairmos do grande sofrimento. Só os que vivem na Terra poderão nos ajudar.

Estaremos orando, pedindo que eles se lembrem de nós. Estaremos pedindo Missas, jejuns, Rosários, ou pelo menos uma migalha de oração. Mas eles se lembrarão de nós? Nos ajudarão? Nos libertarão dos sofrimentos do Purgatório, que são inimagináveis na Terra, com suas orações por nós? Ou estarão vivendo suas vidas, ocupados de muitas coisas e deles nada receberemos de ajuda, enquanto estivermos a sofrer?

Tiremos por nós!

Quantos de nós lembram-se de orar todos os dias pelas Almas do Purgatório?

O que temos feito por elas?

Quais são nossos esforços para libertar as Almas do Purgatório?

Quantas almas ficarão no Purgatório até o fim dos tempos, porque, quando viviam na Terra, não tiveram amor nem interesse em orar pela libertação das Almas do Purgatório? Nosso esquecimento das Almas do Purgatório não nos fará, um dia, ter o mesmo castigo que elas?

DEUS MANDOU O ANJO DA GUARDA
DE SANTA FAUSTINA LEVÁ-LA AO PURGATÓRIO

Leiamos o relato dela, retirado do livro “DIÁRIO DE SANTA FAUSTINA”:

VISÃO DO PURGATÓRIO

“Vi o meu Anjo da Guarda, que me mandou acompanhá-lo. Imediatamente me encontrei num lugar coberto de névoas, cheio de fogo, e, dentro deste fogo, uma multidão de almas sofredoras.

Essas almas rezavam com muito fervor, mas sem qualquer resultado para elas mesmas. Isto porque, só nós podemos ajudá-las. Elas já viveram e escreveram a sua trajetória existencial, agora estão no Purgatório, se purificando de seus pecados para alcançar o Céu.

As chamas que as queimavam não me tocavam. O meu Anjo da Guarda não se afastava de mim, nem por um momento. Perguntei as almas qual era o seu maior sofrimento. Responderam-me, unânimes, que o maior sofrimento era a saudade de Deus.

Vi Nossa Senhora que visitava e confortava as almas no Purgatório. As almas chamam nossa Mãe Santíssima de “Estrela do Mar”. Ela lhes traz alívio. Queria conversar mais com as almas, mas o meu Anjo da Guarda me fez um sinal para sair.

Saímos pela porta dessa prisão de sofrimento, enquanto interiormente ouvi uma voz que me disse: “A Minha Misericórdia não deseja isto, mas a Minha Justiça o exige. A partir daquele momento, me encontro mais unida às almas sofredoras.”
(Diário de Santa Faustina, 20)


AS PALAVRAS DE SANTA FRANCISCA ROMANA SOBRE O PURGATÓRIO

No livro “Tratado do Inferno”, de Santa Francisca Romana, a santa diz que o Purgatório é divido em três imensos planos: o inferior, o médio e o plano superior.

A entrada do Purgatório. Um anjo guarda a Porta de São Pedro.
Ilustração de Gustave Doré (século XIX).

PLANO INFERIOR

“Na entrada, viu as letras que diziam: ‘Aqui é o Purgatório, lugar de esperança; neste lugar, as almas se elevam; é momento de trégua e purificação, diante do único desejo de salvação’.”

Observou que é um local com muita disciplina e ordem, completamente diferente daquilo que viu no Inferno; e, como disse o Arcanjo Rafael e a serva do Senhor escreveu:

“O Purgatório é onde as almas se purificam de todos os seus defeitos, e por isso é denominado lugar de súplica e de esperança para outro lugar”.

O PLANO INFERIOR é um local cheio de um fogo claro, diferente do fogo do Inferno, que é negro e tenebroso.

Este fogo do Purgatório tem a chama alta, de cor vermelha; contudo, não infunde brilho nas almas. Por esse motivo, a alma neste lugar está sempre cercada por trevas exteriores. Mas se torna brilhante interiormente, por causa das imensas graças alcançadas durante a sua purificação, que a fazem reconhecer a verdade justa, que fixou os limites do tempo de sua permanência.

A alma, cheia de pecado, lamenta o estado de sua vida e deixa tudo a critério do Anjo, encarregado por fazer a infusão para a sua purificação naquele fogo. E deste modo, conforme a qualidade e a quantidade de seus pecados, o pecador permanecerá no fogo o tempo necessário para expiar os seus crimes, praticados contra a Justiça de Deus.

Todas as almas que estão no Plano Inferior do Purgatório se mostram com disposição para a tortura e todos os sofrimentos, e são envolvidas completamente pelas chamas, suportando aquele fogo ardente que as atormenta vigorosamente, de modo proporcional à quantidade e à qualidade dos pecados que cada uma cometeu.

Assim, a alma que está no fogo, insensivelmente, vai purgando os seus pecados; do mesmo modo que cresce nela a pureza espiritual. E terminado o tempo da dívida, ela deixa aquele lugar e sobe para um local logo acima, que é o PLANO MÉDIO DO PURGATÓRIO.

Todavia, se a alma que está no Plano Inferior foi condenada por ter cometido pecado mortal, deverá permanecer neste local por, no mínimo, SETENTA ANOS, SOB O INTENSO FOGO, para purificar todos os pecados.

Santa Francisca Romana disse, ainda, que aqueles favores que as pessoas no mundo fazem em benefício das almas que estão no Purgatório, sempre dão bons resultados, mesmo no caso das almas que estão no Plano Inferior, CUJAS PENAS NÃO PODEM SER REDUZIDAS. Contudo, elas também lucrarão com a preciosa ajuda, pois haverá redução na intensidade do fogo, o qual não as atormentará tanto.

Assim sendo, os favores, as orações e as esmolas feitas pelas pessoas no mundo contribuem efetivamente para que aquele fogo não seja tão atroz e ardente para as almas que lá estão em purificação.

O PLANO INFERIOR DO PURGATÓRIO é aquele que está MAIS PRÓXIMO DO INFERNO, mas os espíritos malignos não podem entrar. Permanecem de fora, no lado esquerdo, para evitar que as almas que lá estão, além das severas penas, sofram também ao ficarem EXPOSTAS AOS DEMÔNIOS, perto daquelas horríveis visões e ouvindo as repreensões, os xingamentos e terríveis impropérios dos diabos.

Santa Francisca Romana disse, ainda, que por causa das penas severas que sofrem neste lugar, clamam chorosamente, com vozes humildes e incansáveis: “Ó Deus piedade e misericórdia, misericórdia, misericórdia”.

Certamente, conhecendo quão justa e correta é a Justiça Divina, as almas que lá estão compreendem que estas penas são justas e dignas de suportar.

E por isso, também elas mesmas, apesar de suas constantes súplicas, ficam contentes, sentindo certa consolação, sabendo que à medida que vão transcorrendo os dias da purificação, vão se aproximando os dias de sua libertação à abençoada glória.

Disse esta humilde serva de Deus que os anjos gloriosos são dados em custódia às almas que tiveram, em vida, uma BOA CONDUTA NO TRABALHO e na MANEIRA DE FALAR; e, ao contrário, os demônios acusam os seus pecados e querem prejudicar estas almas.

Por outro lado, quando alguém, POR CAUSA DA AFEIÇÃO CARNAL, abandonou a boa conduta; após a sua morte, receberá a pena no tempo determinado. Diante do justíssimo juiz, de nenhum modo tal alma tem mérito, senão depois de cumprir integralmente o tempo determinado por causa de seus pecados. Mas se ela, apesar de seus pecados, TIVER UMA CONDUTA APROVADA e, primordialmente, cultivou-se a caridade fraterna, sua pena será menor.

Esta alma devota de Deus disse que aquele FOGO DO PURGATÓRIO SE ASSEMELHA AO FOGO DO INFERNO do meio, ainda que com alguma diferença, porque o fogo do Inferno é negro e escuro, e aquele do Purgatório é claro.

Ela disse que viu, na entrada do Purgatório Inferior, letras escritas que diziam: “Prostíbulo”. E viu, logo acima, letras relacionando os maiores pecados mortais, que, se praticados por uma alma, ela estará condenada a sofrer naquele fogo por setenta anos completos (no mínimo), e nada poderá diminuir esta quantidade de tempo mencionada.

NO PURGATÓRIO INFERIOR, ELA AINDA OBSERVOU QUE HAVIA TRÊS LOCAIS SEPARADOS:

  • UM LUGAR MAIOR, onde são infligidas as penas, e nele havia também almas de sacerdotes onde, precisamente, a parte do fogo era muito mais ardente.
  • NA SEGUNDA PARTE, havia almas de pessoas e de membros do clero, não havendo, todavia, sacerdotes ordenados. Lá o fogo não era tão ardente.
  • NA TERCEIRA PARTE, havia muitas almas de homens e mulheres seculares, com grandes pecados cometidos. Nesta parte, o fogo não era tão ardente, como na segunda parte.

Notou, no entanto, que os sacerdotes não expiavam pecados tão graves e tão pesados quanto aqueles dos seculares (homens e mulheres civis). Ainda assim, suportavam penas maiores, por um motivo racionalmente exigente: a dignidade sacerdotal; que é tão grande e tão importante, que supera a maldade dos grandes pecados. Tal fato se dá, também, porque tiveram um conhecimento muito maior, mais oportunidade de santificação e estímulo ao discernimento espiritual, em comparação com as pessoas seculares.

Aquela devota serva de Cristo disse, ainda, que a alma do sacerdote também suporta castigos muito maiores, conforme outras circunstâncias referentes à qualidade e à quantidade dos pecados cometidos; em razão da qualidade funcional e da dignidade do cargo que exerceu.

O PURGATÓRIO MÉDIO

Depois, Santa Francisca Romana foi conduzida pelo Arcanjo Rafael para visitar o Local do PURGATÓRIO MÉDIO, o qual também TEM TRÊS DIVISÕES que são suficientemente grandes e onde, da mesma forma, a Justiça Divina realiza de modo perfeito o seu trabalho.

NA PRIMEIRA ÁREA, o local estava cheio de um gelo diferente e especial, extremamente frio. O SEGUNDO LOCAL estava cheio de madeira liquefeita, misturada com óleo ferventíssimo e outras coisas, para tornar o sofrimento da pena ainda mais difícil. O TERCEIRO estava cheio de alguma coisa metálica, liquefeita, provavelmente ouro ou prata, formando uma espécie de liga bem clara e incandescente. Depois que a alma sai do Lugar Inferior, ela sobe para o Purgatório Médio.

Por outro lado, A ADMINISTRAÇÃO DIVINA é constituída por trinta e oito Anjos, que recebem as almas saídas (com os pecados já eliminados) do fogo do Purgatório Inferior; e recebem também as almas que, quando estavam no mundo, não cometeram graves pecados, de modo a não merecerem estar no Plano Inferior. Estes gloriosos Anjos, ao receberem estas almas, submetem-nas ao seu grau de purificação. Eles as recebem de modo gracioso e humano, mudando-as de local em local, à medida que vão cumprindo a pena, e fazem isso com grande caridade.

Precisamente, estes Anjos não são aqueles que enviam as almas para a infusão, para extrair o mal que existe em cada uma, mas são Anjos a serviço das ordens da Divina Misericórdia.

Santa Francisca Romana disse, ainda, que as almas que estão no Purgatório Médio, que vieram do grande Lugar Inferior, onde recentemente foram queimadas por completo, todas e qualquer uma delas, se praticaram algum pecado mortal, permanecerão neste mesmo local do Purgatório Médio por quinze anos contínuos, ainda que já tenham sofrido pelos seus grandes pecados e permanecido no Lugar Inferior por setenta anos.

Porém, estes quinze anos de pena neste Lugar Médio PODERÃO SER ABREVIADOS pelo sufrágio de orações e esmolas da humanidade, dirigidas a todas as almas que estão no Purgatório.

Também disse esta alma devota de Deus que, neste Lugar Médio do Purgatório, as almas não têm aquela visão horrível dos demônios, os quais encontram-se na parte externa do Lugar Inferior do Purgatório, e também não ouvem os impropérios daqueles demônios, lançando censuras às almas por causa de seus muitos pecados.

A alma que está no LUGAR INFERIOR sempre grita e suplica por piedade, clamando: “Misericórdia, misericórdia”, mas as almas que estão no LUGAR MÉDIO sempre louvam a misericórdia infinita do Senhor e repetem muitas vezes os seus agradecimentos.

Por outro lado, o favor e qualquer benefício que as pessoas no mundo, por caridade, fazem às almas que estão no Purgatório, vão ajudar mais efetivamente aquelas que estão sendo purificadas no Lugar Médio.

Elas não só lucrarão a diminuição do castigo temporal, como também a diminuição da pena total, tanto as almas que foram condenadas diretamente ao Purgatório Médio, como aquelas que vieram do fogo inferior.

Disse, ainda, aquela humilde serva de Cristo, que todas as boas obras, orações e sacrifícios feitos por amigos e parentes em benefício das almas que estão em qualquer lugar do Purgatório, O PRÓPRIO AUXÍLIO SERÁ MAIS ÚTIL SE FEITO POR PLENA CARIDADE, porque assim, também beneficiará a todas as outras almas existentes em purificação.

Dai esmola ao pobre em sufrágio das benditas almas

Disse também que as orações e esmolas feitas caridosamente, por amigos e parentes, em benefício daquelas almas que agora já estão na glória, e, portanto, não necessitam das mesmas; tais orações e bons benefícios alcançam sua finalidade, ajudando as outras almas necessitadas, pelas quais ninguém faz sufrágios, ninguém reza, nem dá esmolas. O benefício desses atos e dessas orações é concedido a todas as almas do Purgatório.

Ainda disse, sobre o sufrágio, que, se as almas a quem os mesmos são dirigidos estão no Inferno, elas não poderão receber qualquer benefício, MAS UNICAMENTE ELES, os sufrágios, resultarão em utilidade para as pessoas que os praticarem.

Essa feliz alma viu também algumas letras escritas no mencionado Lugar Médio do Purgatório, dizendo que a alma com pecado mortal naquele lugar deverá permanecer por quinze anos, SE NÃO RECEBER nenhum sufrágio.

O LUGAR SUPERIOR

Do Lugar Médio do Purgatório, cumpridas as suas penas, as almas são conduzidas pelos Anjos ao Lugar Superior.

Ela viu dois setores no Lugar Superior do Purgatório, que precisamente são os melhores locais quanto às penalidades.

Ali é onde existe uma imensa fonte de água, que lava a alma, tornando-a mais bonita, digna e honrada. A alma que permaneceu purgando os seus delitos no local mencionado ou em algum outro, e que agora completa o seu tempo de purificação, é elevada pela bondade Divina a esse lugar onde estão alguns Anjos. É um deles que dá a ordem. Este é quem recebe as almas, agora purificadas de seus pecados.

Ele ordena que as almas fiquem sempre com a parte superior da cabeça naquela corrente de água. De repente, o próprio Anjo as mergulha totalmente na correnteza, a fim de limpar o restante do mal existente.

Algumas almas se retiram mais rapidamente daquele lugar tão grande, de acordo com a quantidade de seus pecados cometidos e purificados.

Neste local é onde, precisamente, a alma receberá grande quantidade de água, para seu alívio, consolação e sua própria alegria; pois, completando a sua purificação, estará agora sem nenhuma pena ou culpa.

Aquela alma devotíssima de Deus viu, também, que quando uma alma vem do mundo e não tem nenhuma pena a cumprir, é colocada por aquele anjo glorioso na mencionada água, o qual muito rapidamente a retira de lá, porque a alma já está limpa. Ela viu as almas de um homem e de uma mulher, que neste mundo trabalhavam em santas obras e SE CONFORMAVAM COM A VONTADE DIVINA.

Viu, ainda, a alma de uma criança recentemente batizada, que nunca cometera um pecado; e a alma de um jovem que recebera o martírio por amor a Deus. Todos eles passaram rapidamente pela água, rumo à eternidade feliz.

Desse modo, por pequena que seja a alma neste mundo, sendo justa e fazendo penitência, poderá ingressar nesse lugar; mas é necessário que antes de alcançar a glória beatífica, seja colocada naquela água, que, seguramente, é de purificação e completa a limpeza espiritual. Contudo, há uma EXCEÇÃO PARA AS ALMAS que são privilegiadas por Nosso Jesus Cristo e por sua Mãe Santíssima, as quais sobem direto para a felicidade eterna.

Neste LUGAR SUPERIOR do Purgatório havia, na entrada, umas poucas letras que diziam: “Lugar de Purificação”. No LUGAR INFERIOR, havia também um letreiro que dizia: “Aqui é o Lugar dos Corruptos”. NA ENTRADA DO LUGAR DO PURGATÓRIO MÉDIO, o letreiro dizia: “Aqui é o Lugar do Purgatório”.

Também disse esta alma devota de Deus que, ao passar na mencionada água, a alma recebe, com grande alegria e júbilo, para fazer a infusão, aquele Anjo que lhe foi dado em custódia; e, com ele, segue até um lugar denominado Seio de Abraão.

Ali ela viu como o Anjo Custódio fazia a infusão nas almas e avaliava o grau de purificação, e conforme seu mérito, se a alma poderia ficar nesse lugar ou permanecer no Coro dos Anjos mais baixo. Isto, porque são nove os Coros dos Anjos, e sobre este assunto Santa Francisca Romana fez uma ampla exposição no Tratado das Visões. Os Anjos que custodiavam a infusão para a purificação sempre conduziam primeiramente as almas para aquele local, o Seio de Abraão.

Na verdade, aqueles Anjos, dados em custódia para as almas e, por conseguinte, que fazem as infusões, são os Anjos do Coro mais baixo e das mais baixas residências dos próprios Coros. Assim, depois que a alma está naquele lugar, que é denominado SEIO DE ABRAÃO, sem demora, os Anjos que pertencem ao Coro para onde elas devem subir, vêm, satisfeitos e com a máxima alegria, e as conduzem para o seu Coro e sua residência; e ali as almas vivem muito felizes e com bastante júbilo e euforia, na companhia dos Anjos.

E do mesmo modo, se por ventura as almas devem ser colocadas no terceiro Coro, os Anjos do Terceiro Coro virão para esse lugar, e assim, também seguirão o mesmo procedimento que os Anjos dos outros Coros.

Disse também essa venturosa alma, dileta de Deus, que, quando uma feliz alma está isenta de pecado, de acordo com o seu mérito, poderá alcançar o Coro Seráfico. Isto acontecendo, nenhum dos outros Coros Angélicos se aproximará para conduzir aquela alma a outro Coro.

Se aquela feliz alma está num Lugar Inferior, que foi dito Seio de Abraão, é envolvida por um som melodioso inconcebível, de uma suavíssima música, que se eleva admiravelmente, atravessando todos os Coros Inferiores; e a Divina Providência coloca aquela feliz alma na morada do Coro dos Serafins.

E quando aquelas felizes almas, purificadas de todos os seus pecados, aproximam-se do Seio de Abraão e seus méritos são avaliados, conforme a Providência Divina, todos os Anjos gloriosos que estão naquele Coro e naquelas residências, fazem uma grande festa, com muita alegria, para todas elas.

E quanto mais ela subir, pelos seus méritos e pela misericórdia de Deus, para os Coros e residências superiores, maiores solenidades e muito mais júbilo acontecerão, e aquela alegria pouco a pouco vai aumentando. E assim, por todos os Coros Angélicos e em toda a pátria celeste, acontece uma alegria indizível com todas as almas que sobem para a glória beatífica.

Uma vez, o seu pai espiritual, interrogando-a sobre o espírito humano e os Anjos, perguntou-lhe se eles eram perfeitos. Ela respondeu dizendo que os espíritos humanos na glória eterna são mais perfeitos e têm maiores aptidões do que vivendo no mundo; porém, os espíritos angélicos são puros, serenos, virtuosos, belos e formosos, e são também simples e precisos na compreensão do abismo Divino.

Assim, em seu cantar, eles são suaves; e, com lindas melodias, sempre louvam e bendizem o misericordiosíssimo Senhor por suas graças. Porém, a serva de Cristo fez questão de realçar que as melodias para a gloriosa Rainha do Céu, feitas por todos os espíritos angélicos e humanos, transcendem e excedem em beleza e ternura; são maravilhosas!

De fato, se o canto angélico tem uma melodia tão grandiosa, que não é possível de se imaginar; muito mais amplidão, perfeição e suavidade possuem as músicas que, dedicadas à Mãe de Deus, ressoam na pátria eterna.

Santa Francisca Romana

Aquela feliz Francisca disse, além disso, que quando ela própria estava naquela visão beatífica, observando o posicionamento dos espíritos humanos na glória celeste, viu que eles se olham com humildade, e lá mantêm sua compreensão e capacidade individual, como quando estavam na carne mortal.

Ao mesmo tempo consideram-se, dentro do espetáculo Divino, não somente admirados por não compreenderem as coisas Divinas profundamente, mas chegam a ficar aturdidos, impressionados todas as vezes que observam a precisão agudíssima, sutil e penetrante dos espíritos seráficos, e a tão imensa compreensão que eles têm daqueles indizíveis abismos Divinos.

Por esta compreensível razão, aquela humilde serva de Cristo estava excessivamente admirada e com uma impressão muito ampla e preciosa sobre a grandeza indizível da profundidade Divina na criação e no governo dos espíritos seráficos.

Além disso, Francisca estava também impressionada com a compreensão e harmonia únicas que existem entre os espíritos seráficos, os quais entendem-se mutuamente com imenso discernimento penetrante, ciência infusa, saber e prudência, em todos os Coros Angélicos. Estes espíritos, excedendo-se em ternura e pontualidade, conforme a sua capacidade, atuavam da mesma maneira, como se fossem um único ser.

Isto é uma advertência, porque os espíritos seráficos apresentam de fato muita inteligência e perspicácia, o que acontece da mesma forma em todos os Coros Angélicos.

Por isso, quem quiser estar mais próximo da morada Divina DEVE PROCURAR SEGUIR A VONTADE DO SENHOR, a fim de alcançar uma maior propensão para compreender e conhecer as coisas de Deus.

Francisca ainda disse que, em todas as moradas de qualquer Coro, há uma mesma quantidade de espíritos Angélicos; e todos os Anjos numa morada são semelhantes em nobreza e sobriedade, e mesmo em moradas diferentes todos os anjos da mesma morada são semelhantes.

Disse também que, QUANTO MAIS O ESPÍRITO É CAPAZ OU INTELIGENTE, tanto mais se satisfaz com a visão beatífica.

E embora todos os espíritos na eternidade sintam uma imensa e plena satisfação nas visões beatíficas; alguns têm, mais que outros, uma melhor compreensão, conforme a capacidade e sobriedade de cada um em entender a Divina Vontade.

De fato, por exemplo, os próprios Apóstolos, quando estavam na carne, uns mais do que outros, receberam graças vindas do Espírito Santo; isto, por que ninguém tinha capacidade e perspicácia, em discernimento e em viril disposição, para realizar a missão que o Senhor lhes confiou. Só alcançaram estes dons pela graça de Deus; uns mais, outros menos.

FRANCISCA, AO CONCLUIR, AFIRMOU: O PURGATÓRIO É UM LUGAR DE ESPERANÇA.

Apesar das muitas transgressões e dos pecados da humanidade, o Purgatório é um estímulo às pessoas para SE CORRIGIREM DOS SEUS VÍCIOS E HÁBITOS PERVERSOS, buscando o caminho do direito e do amor fraterno, porque enseja uma oportunidade segura de alcançar a eternidade feliz.

A ESTRADA DA CONVERSÃO DO CORAÇÃO É ESTREITA E ÁRDUA, requer perseverança, fidelidade e amor, passando pelo exercício das penitências, das permanentes orações, das Santas Missas, da correta recepção dos Sacramentos, das pequenas e grandes abstinências e de uma profunda consciência da renúncia.

Só assim será possível alcançar êxito na reconquista da amizade do SENHOR, de quem se afastou pelos seus muitos pecados cometidos.”

Você, que leu o que Santa Francisca Romana falou sobre o Purgatório, fale dele para sua família, para seus amigos e para quem puder.

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos e nos abençoe mais.
J.V.



APROFUNDE-SE MAIS SOBRE A DEVOÇÃO ÀS ALMAS DO PURGATÓRIO

5 comentários

  1. Como é bom e faz muito bem para as nossas almas meditar sobre o Purgatório, Deus coloque sempre em nossas consciências a Sua misericórdia e a Sua justiça Divina, que nos livre do inferno e se possível em vida possamos reparar nossas culpas e na hora da nossa morte estejamos em estado de graça.

    “Almas santas e benditas, rogai a Deus por nós que rogaremos a Deus por vós”

  2. Infelismente muitos não acreditam em purgatório muito menos em inferno, acham que morreu irão todos para o CÉU independente da vida que tiveram

    .

  3. Como é rica a doutrina de nossa santa Igreja Católica! Bendito seja Deus pela Vocação de Jesus que nos proporciona essas formações tão necessárias à nossa salvação. Muito obrigada! Nossa Senhora nos conduza ao Céu.

  4. O conhecimento aqui adquirido me fez refletir o quanto devo ser caridoso com as almas sofredoras e que são minhas irmãs… O tempo que tenho que aproveitar mais aqui na terra em reparação dos meus muitos erros.
    Gratidão a Deus por nos revelar através da Santa, aquilo que podemos evitar… e o que devemos fazer para diminuir o tempo no Purgatório ou ir direto para o Céu.
    Louvado seja Deus,!” seja feita sua vontade, assim na terra como no céu!

Escreva seu comentário