Antes de iniciar a leitura dessa meditação, aconselho você a se preparar interiormente através desse método de RECOLHIMENTO DIANTE DE DEUS.
https://vocacaodejesus.com/meditacao/recolhimento-diante-de-deus/

Todos estamos vendo o que está acontecendo de ruim no mundo.
Tem jeito? Tem.

Todos estamos vendo o que está acontecendo no Brasil. Nosso país está prestes a se tornar um país de escravos com pessoas totalmente miseráveis, moralmente e economicamente.
Tem jeito? Tem. Mas não do jeito humano de pensar, e sim do jeito Divino de pensar.

O povo brasileiro está tendo a oportunidade de libertar o Brasil do domínio crescente de satanás e seus demônios em todas as instituições importantes de nossa sociedade, principalmente a Igreja, a família, a escola, o trabalho, as Forças Armadas, o entretenimento, o Estado.

O Brasil será libertado através da arma que realmente pode realizar essa libertação, essa arma se chama Rosário.

Nós, povo brasileiro, precisamos entender urgentemente que a oportunidade para rezar o Rosário com a intenção de livrar o Brasil e seu povo do domínio das trevas do inferno pode passar, pois podemos perder a boa oportunidade que nos é dada, caso não a abracemos rápido.


TENHAMOS CUIDADO COM GENTE BOA QUE NÃO CONHECE A DEUS

Muitas pessoas boas, porém perdidas em coisas que consideram eficazes, sem que estas coisas tenham a eficácia necessária, querem libertar o Brasil por meio de revoltas, raiva e palavrões contra os que estão se comportando como ditadores de nossa Pátria. Outros fazem faixas, outdoors, banners e vídeos chamando o povo para se manifestar nas ruas.

Isso vem sendo feito há alguns anos sem aparecerem resultados positivos. Pelo contrário, o povo brasileiro está cada vez mais preso à TV e, consequentemente, escravo da ignorância, da mentira da mídia jornalística, do medo, da divisão entre classes sociais. E tudo está piorando, porque falta usar a arma certa:

A arma certa, em primeiro lugar, a que acerta o alvo e o destrói, é a reza diária do Rosário.

Os brasileiros que encabeçam as informações do perigo que o Brasil corre têm percepção e entendimento do andamento da agenda da Nova Ordem Mundial (o que a maioria do povo não tem, inclusive pessoas de liderança).

Por conta disso, querem que haja manifestação contra os homens. Eles se direcionam e direcionam os outros contra um alvo secundário; nosso alvo não é em primeiro lugar os seres humanos; nosso alvo principal é Satanás e seus demônios, que usam os maus homens de forte poder econômico e governamental na terra. 

A maioria das pessoas, no entanto, não têm percepção e entendimento de que “não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares”. (Ef 6,12)

Sem essa percepção e entendimento, bons e bem intencionados brasileiros, sem a objetividade em atacar o líder, a cabeça inteligente, pensante, estratégica, a ameaça principal, perdem tempo com especulações humanas em uma guerra espiritual no mundo dos homens. É a fé em Deus, a percepção, o entendimento e o conhecimento de quem é o inimigo que leva o combatente a ser prático, direto; e assim ele vai para a frontalidade do combate sem hesitações do certo a fazer.

ATENÇÃO!
Não estou dizendo que o trabalho de se informar e informar aos demais através da leitura, publicação e compartilhamento de notícias e informações boas e verdadeiras seja algo ruim ou desnecessário! NÃO! Isso é algo bom, útil e necessário que aconteça, afinal uma guerra se vence combatendo em várias frentes e com várias estratégias diferentes!


TEMOS DE TER FÉ E CERTEZA DE QUE NOSSO INIMIGO É SATANÁS E SEUS DEMÔNIOS

A fé é uma adesão irrestrita da nossa inteligência espiritual a Deus. “A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê” (Hb 11,1).

A certeza é a convicção que a inteligência intelectual tem diante do que pode ver e sentir. Nossa inteligência espiritual crê em Deus e crê em Sua Palavra com facilidade, sem ter necessidade de provas humanas. A inteligência intelectual crê em Deus, mas se não for a graça de Deus e o auxílio da inteligência espiritual, ela não crerá em Deus, ou crerá em Deus, mas não em Sua Palavra, porque precisará de provas humanas para ter certeza. É algo muito grave crer em Deus, mas não crer em Sua Palavra.

É bom que nos perguntemos: eu creio em Deus e creio em Sua Palavra? 

Se eu disse sim, de que modo confio nela? Como é minha obediência à Palavra de Deus?

O objetivo principal de Satanás não é destruir a economia do Brasil, é destruir a Igreja, a fé em Deus; não é destruir nossos corpos físicos em primeiro lugar, seu objetivo principal é destruir nossas almas. Seu grande desespero, revolta e ódio, é quando ele se vê obrigado a matar católicos decididos por Deus, que, assim, se tornam mártires.

“O sangue dos mártires é semente de novos cristãos” (Tertuliano)

Satanás vê que o sangue de mártires é uma chuva que cai sobre os homens; chuva que amolece os corações endurecidos dos homens na terra, convertendo-os para Deus; chuva que é uma luz destruindo as trevas infernais no mundo.

Satanás não quer que esse sangue, que é um sangue remido por Jesus Cristo, seja derramado, pois sabe de suas consequências. Mas ele é de natureza maligna impulsiva má; não pode se conter e evitar fazer o mal, pois fazer o mal faz parte de seu caráter. E assim, quando Deus permite, ele usa os homens que o servem para matar cristãos, sabendo que “O sangue dos mártires é semente de novos cristãos” (Tertuliano, Apologético, 50,13).

“O Santo Rosário é a arma daqueles que querem vencer todas as batalhas” (São Pio de Pietrelcina)

Infelizmente, a maioria das pessoas não acredita que Satanás e os demônios existam. Assim, dão muita vantagem a eles, pois quem está dentro de uma guerra sem saber que está acontecendo uma guerra, sem saber quem é seu inimigo, sem conhecer suas táticas, sem conhecer seu ponto forte e fraco, sem saber qual é a arma que pode derrotar o inimigo, perderá a guerra.

Quem nada sabe sobre quem é seu inimigo, não sabe se armar para atacar e se defender, deixa o inimigo permanecer tranquilamente em seu quartel general, dando ordens e vencendo as batalhas. Qual a arma eficaz para estes tempos de guerra contra o príncipe das trevas? São Pio de Pietrelcina tem a resposta: “O Santo Rosário é a arma daqueles que querem vencer todas as batalhas”.

A Irmã Lúcia, que viu Nossa Senhora em Fátima, Portugal, disse:

“…a Santíssima Virgem, nestes últimos tempos em que vivemos, deu uma nova eficácia à oração do Santo Rosário. De tal maneira que agora não há problema, por mais difícil que seja, seja temporal ou, sobretudo, espiritual – que se refira à vida pessoal de cada um de nós; ou à vida das nossas famílias, sejam as famílias do mundo sejam as Comunidades Religiosas; ou à vida dos povos e das nações –, não há problema, repito, por mais difícil que seja, que não possamos resolver agora com a oração do Santo Rosário. Com o Santo Rosário nos salvaremos, nos santificaremos, consolaremos a Nosso Senhor e obteremos a salvação de muitas almas.”


O PODER DA ARMA DO ROSÁRIO LIBERTOU A ÁUSTRIA

“Não são carnais as armas com que lutamos. São poderosas, em Deus, capazes de arrasar fortificações”

(II Cor 10, 4)

Após a segunda guerra mundial, a Áustria ficou prisioneira do domínio mefistofélico do Dragão Vermelho comunista russo por três anos. Debaixo da tirânica escravidão, o Padre Petrus pregava em suas homilias e de casa em casa.

Vendo que muitos austríacos, mesmo sofrendo de várias formas, sobretudo a falta de liberdade, não se convertiam a Deus; permaneciam livremente em suas ignorâncias e covardias, trocando sua liberdade pela mentirosa segurança prometida pelos socialistas comunistas russos; o Padre Petrus, inspirado por Deus, vendo que não podia contar com todos os austríacos na reza do Rosário, faz uma campanha pedindo que o ajudem a encontrar o maior número possível de católicos para rezar o Rosário todos os dias.

Padre capuchinho Petrus Pavlicek

Os poucos católicos que rezavam com ele o Rosário, atenderam ao seu pedido e se puseram a procurar dia e noite mais católicos para rezar o Rosário, pedindo a Deus que libertasse a Áustria do poder de Satanás exercido através do exército comunista russo. Em alguns dias conseguiram juntar 70.000 católicos que se comprometeram a rezar o Rosário todos os dias, pedindo a Nossa Senhora que viesse livrar a Áustria e seu povo.

No dia 1 de maio de 1955 aconteceu um milagre: o exército socialista comunista russo saiu da Áustria. Foram embora. A Áustria estava livre. De modo invisível, o exército de 70.000 católicos expulsaram os marxistas,  como no século XVI os católicos, em número muito inferior, rezando o Rosário, derrotaram os turcos na batalha de Lepanto, mas dessa vez sem ser preciso dar nenhum tiro.

O que explica os progressistas soviéticos terem abandonado a Áustria, se para eles a Áustria tinha localização estratégica; além de estarem se apropriando de toda a sua riqueza de recursos de minério de ferro, níquel, ouro, chumbo, zinco.

Os estrategistas militares, empresas de mineração e historiadores não conseguem entender porque os comunistas foram embora sem mais nem menos. Somente o povo católico pode entender o poder do Rosário rezado todos os dias para a expulsão dos marxistas da Áustria.

70 mil austríacos tiveram a oportunidade de rezar o rosário todos os dias com um objetivo.
70 mil austríacos aproveitaram bem a oportunidade.
70 mil austríacos, que não perderam a oportunidade dada por Deus de rezar o Rosário para libertar a Áustria, rezando o Rosário, deram a Nossa Senhora o que ela precisava para pisar e esmagar a cabeça da serpente no país deles.


O PODER DA ARMA DO ROSÁRIO PODE LIBERTAR O BRASIL

NÓS, BRASILEIROS, ESTAMOS TENDO A OPORTUNIDADE DE FAZER PROEZAS, REZANDO O ROSÁRIO TODOS OS DIAS

O poder de Satanás e seus demônios no Brasil começará a ruir:

  • Se rezarmos o Rosário todos os dias…
  • Se formos, cada um de nós, pescadores de mais almas para se somar a nós, rezando o rosário todos os dias…
  • Se fizermos de tudo para, a cada dia, aumentar o exército de Nossa Senhora, com soldados dispostos a rezar o Rosário todos os dias…

Quando tivermos o número de católicos que Deus quer e que Nossa Senhora precisa para pisar e esmagar a cabeça da serpente em nossa Pátria; o milagre acontecerá em nosso país, como aconteceu na Áustria. Talvez de modo mais poderoso, “porque Deus é brasileiro”.

Convidamos você a abraçar a oportunidade de rezar o Rosário todos os dias conosco às quatro da madrugada, no canal da Vocação de Jesus no YouTube!

Você pode acessar através do link abaixo, ou digitar “VOCAÇÃO DE JESUS” no Youtube:

https://go.vocacaodejesus.com/rosario

OPORTUNIDADE

Observem que estamos usando a palavra “oportunidade”. Deus criou o homem para ele ter a oportunidade de conhecê-lO, amá-lO, ser feliz. Deus, o Criador de todas as coisas, é o Criador também das oportunidades.

Existem dois tipos de oportunidades: as humanamente visíveis e as espirituais invisíveis.

Estamos diante de uma oportunidade espiritual invisível, que é vencermos a guerra rezando o Rosário todos os dias. 

Na verdade, são duas oportunidades: 
1. Oportunidade de rezar o Rosário
2. Oportunidade de rezar todos os dias

O QUE PODE ACONTECER QUANDO ABRAÇAMOS OU DESPREZAMOS A OPORTUNIDADE INVISÍVEL QUE DEUS NOS DÁ?
Vamos meditar sobre esse assunto de Deus com a história de Abraão e Lot.


ABRAÃO, LOT E AS OPORTUNIDADES

A SEGURANÇA, FORÇA E FELICIDADE DOS QUE CRESCEM EM HUMILDADE

No Livro de Gênesis, capítulo treze, vemos que Deus deu muitas graças espirituais e bens materiais a Abrão e Lot. Apesar de Lot ter recebido muitos bens, não se comparava aos que Deus dava a Abrão.

“Abrão disse a Ló: “Rogo-te que não haja discórdia entre mim e ti, nem entre nossos pastores, pois somos irmãos.” (Gn 13, 8)

Com o crescimento dos rebanhos, houve contenda entre os pastores de Abrão e os de Lot. Abrão aconselhou Lot a conversar com seus pastores para que não houvesse contendas entre eles. A conversa com os pastores não obteve bom resultado, e assim Abrão achou melhor, para evitar um mal maior, falar com Lot, dizendo que era mais sensato se separarem, pois a terra que ocupavam juntos não era suficiente para seus rebanhos.

Abrão disse que Lot escolhesse primeiro a terra que quisesse, que se ele escolhesse um lado, ele (Abrão) iria para outro. Abrão e Lot conheciam bem a planície do Jordão, que era terra muita boa e bem fornecida de água, era “como o jardim do Senhor, como a terra do Egito ao lado de Tsoar.” (Gn 13, 10)

Abrão, como líder, mais rico em sabedoria espiritual e bens terrenos, notoriamente reconhecido como um homem importante, escolhido, abençoado e protegido por Deus, poderia ter se autoafirmado no respeito que lhe davam as pessoas, na notoriedade que era lhe dada, e dizer a Lot que ele iria ficar com a planície do Jordão, e Lot poderia ir para Canaã; mas Abrão era homem, não somente de fé e obediência a Deus, ele também era homem de muita humildade.

Sua humildade não era tolice, era constituída de muito amor, confiança em Deus e respeito profundo pelas pessoas. Sua humildade esperava em Deus, sem jamais se aventurar nas oportunidades que lhe apareciam sem antes conversar com Deus. Sua humildade lhe impedia de agir abusando do respeito que as pessoas tinham por ele. Por isso, sem querer agir por si mesmo, mas se colocando nas mãos da Providência Divina, sem nenhuma preocupação, tranquilamente pede para Lot escolher primeiro. Abrão era homem inteligente, perspicaz, conhecia muito bem o temperamento de Lot, sabia qual seria a escolha de Lot, mas Abrão buscava mais a vontade de Deus do que as oportunidades.

Nesse tempo, Deus ainda não tinha destruído Sodoma, Gomorra, Adama, Seboim (Dt 29, 23) e outras cidades vizinhas. A região era bem provida de água, a terra era fértil. Lot, vendo que lhe foi dada a oportunidade de escolher, olhou e escolheu as terras que considerava as melhores. Lot não parou para orar e perguntar a Deus qual terra Ele queria lhe dar. Ao se ver diante da oportunidade, de uma boa oportunidade, oportunidade que nem sempre aparece, Lot não pensou duas vezes, escolheu o que a oportunidade lhe mostrava, escolheu a planície do Jordão.

PARA ONDE A “BOA OPORTUNIDADE” LEVOU LOT?
QUAL FOI SEU FIM DE VIDA?

A oportunidade lhe fez ver um bom negócio, de modo que não considerou que deveria, antes de escolher, orar e perguntar a Deus se deveria pegar essa oportunidade. Lot se agarrou com a oportunidade, não com Deus.

Ló e sua família fogem de Sodoma

A oportunidade lhe encheu de prazer, alegria, esperanças, a ponto de ele não considerar importante (o que foi uma ação inconsciente) o dever de consultar a Deus; isso lhe fez esquecer de examinar, diante de Deus, a oportunidade que estava à sua frente. Apesar desse comportamento não proposital ser um erro, não foi para Lot um erro que o fizesse se afastar de Deus. Ele foi, a vida toda, um homem de Deus; apenas colheu os frutos de sua escolha.

Não é errado escolher boas oportunidades que aparecem em nossas vidas para honestamente fazermos bom uso delas. Não é errado criar oportunidades, isso é natural em quem é trabalhador criativo, pois o preguiçoso vive esperando as oportunidades e quando aparecem nem as vê ou não as aproveita para o bem. Não é errado saber que há oportunidades que, se não forem aproveitadas logo, se perderão.

Onde mora o perigo, o erro nas oportunidades? 
O erro está no filho de Deus se lançar nas oportunidades, aproveitá-las, criá-las e não saber esperar pelas oportunidades que sejam dadas ou permitidas por Deus. 

Errado é não perguntar a Deus se a oportunidade que vejo hoje para mim como boa, excelente, muito proveitosa, é vontade Dele. Se eu devo abraçá-la, se o que vejo de muito bom agora, não é uma armadilha para mim no futuro.

Gananciosos aproveitam todos os tipos de oportunidades que aparecem na vida deles, porque buscam seus interesses, não os interesses de Deus. E, não todos, mas muitos deles, conseguem tudo o que querem humanamente, abraçando certas oportunidades. Por quê? Porque o inimigo de nossas almas, o Diabo, sabe criar todo tipo de tentação para perder as almas e, nem sempre, mas muitas vezes ele está por trás das oportunidades que aparecem na vida de muita gente como boas oportunidades, porém, trata-se de uma boa armadilha do inferno. É só lembrar de pessoas que se deram mal com a oportunidade que pensaram ser boa. Agarraram-na e se deram muito mal.

Pessoas bem intencionadas, ou por inexperiência, ou por estarem vivendo um momento de tentação na vida, podem abraçar uma oportunidade que não lhes será positiva em curto, médio ou longo prazo; mas estas pessoas, por não serem pessoas gananciosas nem más, apenas falhas como é todo ser humano, receberão perdão, misericórdia e bênçãos de Deus para encontrarem a oportunidade certa para suas vidas.

AS OPORTUNIDADES LEVAM AS PESSOAS PARA MUITAS SITUAÇÕES.
PARA QUE SITUAÇÃO LEVOU LOT?

A administração dos negócios de Lot o levou a morar em Sodoma.

“Abrão fixou-se na terra de Canaã, e Lot nas cidades da planície, onde levantou suas tendas até Sodoma.”

(Gn 13, 12)

A administração dos negócios de Lot o levou a morar em Sodoma. Lot só foi saber que os habitantes de Sodoma eram perversos e grandes pecadores diante do Senhor ao morar em sua cidade.

Os anos se passaram, Lot continuava com as bênçãos de Deus sobre seus bens. Um dia, porém, alguns reis se juntaram e fizeram guerra a “Bara rei de Sodoma, a Bersa, rei de Gomorra, a Senaab, rei de Adama, a Semeber, rei de Seboim e ao rei de Bala, isto é, Segor. Todos estes se juntaram no vale de Sidim, que é o mar Salgado.” (Gn 14, 2-3)

Esses reis derrotaram Sodoma e Gomorra, fazendo-os prisioneiros, e saquearam todos os seus bens. Lot foi aprisionado e levado como escravo com seus familiares. Todos os seus bens foram tomados.

“Alguém que conseguiu fugir veio dar parte do sucedido a Abrão, o hebreu, que vivia nos carvalhos de Mambré, o amorreu, irmão de Escol e irmão de Aner, aliados de Abrão. Abrão, tendo ouvido que Lot, seu parente, ficara prisioneiro, escolheu trezentos e dezoito dos seus melhores e mais corajosos servos, nascidos em sua casa, e foi ao alcance dos reis até Dan.

Ali, dividindo a sua tropa para os atacar de noite com seus servos, desbaratou-os e perseguiu-os até Hoba, que se encontra ao norte de Damasco. Abrão recobrou todos os bens saqueados e reconduziu também Lot, seu parente, com os seus bens, assim como as mulheres e os homens.

Voltando Abrão da derrota de Codorlaomor e seus reis aliados, o rei de Sodoma saiu-lhe ao encontro no vale de Savé, que é o vale do rei.

Melquisedec, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, mandou trazer pão e vinho, e abençoou Abrão, dizendo: “Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que criou o céu e a terra! Bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos em tuas mãos!”

E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. O rei de Sodoma disse a Abrão:

“Devolve-me os homens e guarda os bens.” 

“Levanto a minha mão para o Senhor Deus Altíssimo que criou o céu e a terra, respondeu Abrão, de tudo o que é teu, não tomarei sequer um fio nem um cordão de sandália, para que não digas: Enriqueci Abrão. Nada para mim, exceto somente o que comeram os meus servos e a parte dos homens que vieram comigo, Aner, Escol e Mambré; estes hão de receber a sua parte.”

(Gn 14, 13-24)
Melquisedec, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, mandou trazer pão e vinho, e abençoou Abrão

A DESTRUIÇÃO DAS CIDADES E DE SEUS HABITANTES PERVERSOS

Os anos se passam.

No capítulo dezoito de Gênesis, vemos Deus dizendo a Abrão que vai destruir cidades devido aos grandes pecados de seus habitantes.

No capítulo quinze vemos que antes da destruição de Sodoma e Gomorra, Deus envia seus anjos para tirar Lot e sua família da cidade.

Na cidade, os Anjos de Deus se hospedam na casa de Lot.

Os habitantes querem cometer pecado contra os Anjos, pensando que eles eram homens. Eles avançam para quebrar a porta e invadir a casa.

Os Anjos estendem as mãos, ferindo de cegueira todos os jovens e velhos do lado de fora da casa.

“Os dois homens disseram a Lot: ‘Tens ainda aqui alguns dos teus? Genros, ou filhos, ou filhas, todos os que são teus parentes na cidade, faze-os sair deste lugar, porque vamos destruir este lugar, visto que o clamor que se eleva dos seus habitantes é enorme diante do Senhor, o qual nos enviou para exterminá-los.’

Saiu Lot, pois, para falar a seus genros, que tinham desposado suas filhas: ‘Levantai-vos’, disse-lhes, ‘saí daqui, porque o Senhor vai destruir a cidade.’ Mas seus genros julgaram que ele gracejava. Ao amanhecer, os anjos instavam com Lot, dizendo: ‘Levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que estão em tua casa, para que não pereças também no castigo da cidade.’

E, como ele demorasse, aqueles homens tomaram pela mão a ele, a sua mulher e as suas duas filhas, porque o Senhor queria salvá-los, e o levaram para fora da cidade.

Quando já estavam fora, um dos anjos disse-lhe: ‘Salva-te, se queres conservar tua vida. Não olhes para trás, e não te detenhas em parte alguma da planície; mas foge para a montanha senão perecerás.’

Lot disse-lhes: ‘Oh, não, Senhor! Já que vosso servo encontrou graça diante de vós, e usastes comigo de grande bondade, conservando-me a vida, vede, eu não me posso salvar na montanha, porque o flagelo me atingiria antes, e eu morreria. Eis uma cidade bem perto onde posso abrigar-me. É uma cidade pequena e eu poderei refugiar-me nela. Permiti que o faça – ela é pequena – e terei a vida salva.’

Ele disse-lhe: ‘Concedo-te ainda esta graça: não destruirei a cidade a favor da qual me pedes. Apressa-te e refugia-te lá porque nada posso fazer antes que lá tenhas chegado.’ Por isso, puseram àquela cidade o nome de Segor.

O sol levantava-se sobre a terra quando Lot entrou em Segor. O Senhor fez então cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo, vinda do Senhor, do céu. E destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo.

A mulher de Lot, tendo olhado para trás, transformou-se numa coluna de sal.

Abraão levantou-se muito cedo e foi ao lugar onde tinha estado antes com o Senhor. Voltando os olhos para o lado de Sodoma e Gomorra e sobre toda a extensão da planície, viu subir da terra um fumo espesso como a fumaça de uma grande fornalha.

Quando Deus destruiu as cidades da planície, lembrou-se de Abraão e livrou Lot do flagelo com que destruiu as cidades onde ele habitava. Lot partiu de Segor e veio estabelecer-se na montanha com suas duas filhas, pois temia ficar em Segor. E habitava numa caverna com suas duas filhas.

(Gn 19, 12-30)
A destruição de Sodoma, Benjamin West  (1738 – 1820)

A OPORTUNIDADE QUE LOT VIU COMO BOA OPORTUNIDADE NÃO ERA APENAS MAIS UMA BOA OPORTUNIDADE

Uma oportunidade dada por Deus nunca deixa de ser uma boa oportunidade, ela cria mais e melhores oportunidades.

A planície do Jordão, que Lot abraçou como boa oportunidade – pois Lot olhou e viu a região bem provida de água e com terra fértil -, trouxe-lhe enormes sobressaltos anos depois. Se não fosse Abrão, ele e sua família teriam sido vendidos e vivido o resto da vida como escravos. Perderam sua casa e toda a região provida de água, com a terra fértil após a destruição de Sodoma, Gomorra e as cidades vizinhas com seus campos. O Livro de Deuteronômio (29, 22) diz que a terra fértil de Sodoma ficou cheia de enxofre, sal, abrasado, inculto e estéril.  

Lot perdeu toda a região provida de água e terra fértil, que ele tinha considerado boa oportunidade. Terminou sua vida morando em uma caverna com suas duas filhas.

Ló e suas filhas por Gregorio De Ferrari (1647-1726)

Com Abrão aconteceu diferente.

“O velho Abraão estava avançado em idade, e o Senhor o tinha abençoado em todas as coisas.”

(Gn 24, 1)

O erro de Lot esteve no início de sua escolha e decisão, porque enxergou uma boa oportunidade, sem perguntar a Deus se era Sua vontade que fosse aproveitada a boa oportunidade que estava diante dele.

Lot não pensou que: não tendo o ser humano conhecimento do futuro, em todas as oportunidades que lhe aparecem, ele deve, com fé e tranquilidade, orar e perguntar a Deus o que fazer da oportunidade que se apresenta, se a abraça ou se a rejeita, por mais convidativa que ela seja.

Que adianta abraçar uma boa oportunidade hoje, se o fim dela será ruim, ainda nesta vida e depois na outra?

Como muita gente, que se deu mal com a oportunidade que abraçou e ainda se afastou totalmente de Deus? Ou como outros, que abraçaram oportunidades, dadas pelo Diabo, que os fizeram prosperar nesta vida para levar suas almas para o inferno na hora da morte?

E se a oportunidade for ruim apenas nesta vida, como no caso de Lot?

Fiquemos atentos às oportunidades que surgem em nossas vidas; e quem é solteiro, cuidado com a oportunidade de casamento. Pergunte a Deus se a oportunidade de casar com essa pessoa é oportunidade vinda Dele. Se for, case, você será feliz; se não for, não se case, senão vai comer o que o Diabo amassou. É só ver os milhares de divórcios acontecendo.


HÁ QUEM SE VANGLORIA DE TER VISÃO DE OPORTUNIDADES

É melhor abraçar a Deus, confiar Nele, vivendo sem ver oportunidades, e se alegrar com a vontade divina, mesmo que não a entendamos de início, do que ver e abraçar oportunidades por as considerarmos muito boas, como Lot fez.

Todos precisamos pedir a Deus a graça de saber discernir entre oportunidades vindas de Deus e as não vindas Dele, pois uma coisa são as desgraças e outra a provação, “Aquele que teme o Senhor não será surpreendido por nenhuma desgraça. Mas Deus o protegerá na provação, e o livrará de todo o mal”. (Eclo 33,1)

As oportunidades que são bênçãos para as pessoas e os que estão com elas ou perto delas (Gn 14, 16)*, são as melhores oportunidades, porque são da vontade de Deus. Não foi Lot que recobrou o que lhe foi tomado, foi Abrão.

*”Abrão recobrou todos os bens saqueados e reconduziu também Lot, seu parente, com os seus bens, assim como as mulheres e os homens”. (Gn 14,16)

As oportunidades que são vontade de Deus se diferenciam em duas: 
– as naturais, que são visíveis a olho nu por quem tem percepção humana; 
– e as espirituais, que são invisíveis, sendo reconhecidas somente pelos que têm percepção espiritual, como Abrão. 

Abrão viu a oportunidade de confiar em Deus como oportunidade maior do que a oportunidade de possuir uma região provida de água e terra fértil na situação que estava acontecendo entre seus negócios e os negócios de Lot.

Lot negociou com Abrão com os olhos na oportunidade que via. Lot não foi um oportunista, um aproveitador sem ética, ele tinha princípios religiosos e morais. Mas mesmo sendo homem honesto, não conseguiu resistir ao que a oportunidade lhe mostrava, não conseguiu renunciar o que lhe parecia boa oportunidade. Abrão negociou com Lot, abraçando a oportunidade de confiar totalmente em Deus. Lot confiou na oportunidade. Abrão confiou na oportunidade de confiar em Deus. Lot fez sua escolha e foi viver sua vida.

Com Abrão foi diferente.

“O Senhor disse a Abrão depois que Lot o deixou: “Levanta os olhos, e do lugar onde estás, olha para o norte e para o sul, para o oriente e para o ocidente. Toda a terra que vês, eu a darei a ti e aos teus descendentes para sempre. Tornarei tua posteridade tão numerosa como o pó da terra: se alguém puder contar os grãos do pó da terra, então poderá contar a tua posteridade. Levanta-te, percorre a terra em toda a sua extensão, porque eu te hei de dar.”

(Gn 13, 14-17)

Se Lot tivesse perguntado a Deus o que fazer diante da separação de terras que tinha necessidade de acontecer entre ele e Abrão, Deus teria dado a resposta por meio de Abrão, que iria lhe indicar entre as terras que Deus iria dar a Abrão um lugar distante de Sodoma. Uma vez que Deus daria a Abrão uma grande extensão de terra, a terra daria para os dois e outros ainda.

Mas a oportunidade que Lot via o cegou a tal ponto que ele não sentiu necessidade de orar e perguntar a Deus se a terra que ele via e estava querendo, Deus queria lhe dar. Lot tinha certeza que, como tudo vinha dando certo em sua vida, assim iria continuar; ele iria fazer bons negócios e ter muitos lucros. Assim pensou por causa das bênçãos que estavam sobre ele, porque até então ele era muito abençoado por Deus por causa de Abrão. Lot partilhava das bênçãos que Deus fazia transbordar em Abrão.


COMPORTAMENTO NATURAL DOS QUE ESPERAM EM DEUS

Lot poderia desprezar a oportunidade por dois motivos:
Primeiro: confiança em Deus.
Segundo: por amizade e fidelidade a Abrão por causa de Deus.

Lot poderia ter o natural comportamento dos que esperam em Deus.

Exemplo: Rute, ao ouvir sua sogra Noêmi dizendo a ela e à outra nora que voltassem para seus familiares, porque estavam as três sozinhas, uma vez que seus maridos tinham morrido; as duas noras disseram chorando que iriam permanecer juntas. 

Noême insistiu dizendo: 

“Ide, minhas filhas, replicou Noêmi. Por que haveis de vir comigo? Porventura tenho eu ainda em meu seio filhos que possam tornar-se vossos maridos? Voltai, minhas filhas, porque já estou demasiado velha para casar-me de novo. E ainda que eu tivesse alguma esperança, e que esta noite mesmo me fosse dado ter marido, e viesse a gerar filhos, esperá-los-íeis crescer, sem vos casardes de novo, até que se tornassem grandes? Não, minhas filhas, minha dor é muito maior do que a vossa, porque a mão do Senhor pesou sobre mim.

Então elas desataram de novo a chorar. Orfa beijou a sua sogra, porém Rute não quis separar-se dela.

– Eis que tua cunhada voltou para o seu povo e para os seus deuses, disse-lhe Noêmi; vai com ela.

– Não insistas comigo, respondeu Rute, para que eu te deixe e me vá longe de ti. Aonde fores, eu irei; onde habitares, eu habitarei. O teu povo é meu povo, e o teu Deus, meu Deus. Na terra em que morreres, quero também eu morrer e aí ser sepultada. O Senhor trate-me com todo o rigor, se outra coisa, a não ser a morte, me separar de ti!

Ante tal resolução, Noêmi não insistiu mais.”

(Rt 1, 11-18)

No capítulo quatro do livro de Rute, vemos que Deus deu a Rute um bom homem por marido, um homem abençoado por Deus com muitos bens espirituais e materiais. Vemos que da linhagem de Rute, Deus fez nascer Davi. Rute estava diante de duas oportunidades:
– Oportunidade um: oportunidade de voltar à sua terra, à sua família, casar outra vez.
– Oportunidade dois: abraçar a oportunidade do amor e fidelidade à sua sogra, Noêmi.

Rute escolheu a oportunidade cuja única vantagem que se mostrava era uma questão moral, pois diante das duas estava um futuro incerto de sobrevivência. Aconteceu com Rute o que acontece com quem despreza oportunidades por causa de Deus. Deus os recompensa muitas vezes mais do que eles imaginam.


PERMANECER COM ABRÃO ERA A MELHOR OPORTUNIDADE

A eleição de Abrão por parte de Deus, o fazia muito abençoado e protegido. Vejamos um exemplo: Quando Abrão disse a Abimelec que Sara era sua irmã, 

“Deus apareceu em sonhos a Abimelec e disse-lhe: – Vais morrer, por causa da mulher que roubaste, porque é casada”

(Gn 20, 3)

“Devolve agora a mulher deste homem, que é profeta, e ele rogará por ti para que conserves a vida. Mas, se não a devolveres, sabes que morrerás seguramente, tu e todos os teus.”

(Gn 20, 7)

Abraão intercedeu junto de Deus, que curou Abimelec, sua mulher e suas servas, e deram novamente à luz.”

(Gn 20, 17)

A melhor oportunidade de vida para Lot era permanecer com Abrão, de modo que não houvesse contenda entre seus pastores. Como isso aconteceria? Aconteceria se Lot tivesse tido em seu coração o mesmo propósito de Abrão: só querer a vontade de Deus e nada mais. Assim, ele veria ou sentiria um impulso interior para saber o que fazer. Essa atitude interior de querer o que Deus quer, atrairia a orientação divina, pois só se vê as oportunidades enviadas por Deus, olhando por meio dos olhos Dele.

A forma segura de olhar com os olhos de Deus é desejar a vontade Dele acima de tudo. Esse desejo dosa a vontade humana para abraçar, renunciar, saber agir rápido, devagar, esperar tranquilamente diante das oportunidades que aparecem. A tranquilidade existe porque o cristão só quer o que Deus quer e nada mais ou menos do que isso.

A HUMILDADE DE ABRÃO O FAZIA CRESCER NOS BENS ESPIRITUAIS E MATERIAIS, DE MODO QUE SEU CORAÇÃO, SUA ALMA, SE UNIAM CADA VEZ MAIS A DEUS, SEM SE PERDER NO QUE RECEBIA DE DEUS.

Abrão não perdia uma oportunidade para exercer a humildade diante de Deus. O coração humilde de Abrão era sensível para intuir o que agradava e desagradava a Deus. Com certeza havia pessoas que viam que muita gente considerava Abrão uma pessoa importante, mas essas pessoas que viam Abrão ser bem visto, tinham inveja de Abrão, o adulavam por causa de sua riqueza, mas o consideravam insignificante como ser humano, por causa da humildade dele.

Por amar a Deus, Abrão desprezava o orgulho e amava a humildade, fazendo o contrário de quem ama o mundo mais do que a Deus, de quem ama o orgulho e despreza a humildade. Estes pensam que ser forte é revidar a ofensa; que perdoar é sinal de fraqueza; pensam que se não se enraivecerem e partirem para a briga, com palavras ofensivas ou agressões físicas, serão considerados pessoas fracas e covardes. Abrão tinha superado toda essa podridão desde muito jovem.

A humildade protegeu Abrão de abraçar as oportunidades erradas que apareciam em sua vida. Hoje Abraão está no Céu. Podemos pedir a ele que interceda por nós junto a Deus para Deus nos dar as graças que precisamos para sabermos discernir, abraçar ou renunciar as oportunidades que aparecem em nossas vidas. 

Santo Abraão, rogai por nós!

Lembremos que:

“Aos humildes salvais; os semblantes soberbos humilhais”

(II Sm 22, 28)

“Senhor, ouvistes os desejos dos humildes, confortastes-lhes o coração e os atendestes”

(Sl 9, 38)

“O Senhor eleva os humildes, mas abate os ímpios até a terra”

(Sl 146, 6)

Esperamos que essa meditação nos faça despertar para enxergarmos as más oportunidades, para as renunciarmos. Que nos faça ver as oportunidades espirituais invisíveis necessárias à salvação de nossas almas, e não somente as boas e necessárias oportunidades da vida humana. Rogai por nós, Abraão.

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos a todos.
J.V.

11 comentários

    1. Edina R4

      Sou muito tentada pelo sono nas orações, não estava sendo diferente na oração do Sto Rosário e na leitura das formações de segunda-feira….coloco muitas intenções e uma delas pedi a nossa Sra q me ajudasse a vencer o sono.. e me arrancaram lágrimas quando consegui resar o Sto Rosário e faser a leitura sem dormir e consegui ser profunda na meditação.Fucava muito triste e sentia q perdia muitas graças pr está infidelidade pois muitas são as decisões q preciso tomar e ai esta a resposta de serr como Abraão .sou profundamente grata a DEUS pela oportunidade de parte da VJ….e começo hoje mesmo mais uma Santa devoção…
      Santo Abraão rogai pr nós!!!!

  1. Louvado seja Deus por tão maravilhosa formação. Que o Senhor nos dê a graça de crescermos na humildade e no desejo de fazer a Vossa vontade em nossas vidas.

  2. Obrigado meu Deus por essa formação. Em uma situação eu não sabia que fazer e já estava a ponto de me comportar como Lot. Obrigado meu Deus.

  3. Santo Abraão, rogai por nós! Para que possamos sempre confiar e esperar em Deus, pois Ele sabe o que é melhor para nossa alma e nossa salvação. 🙏🙏🙏

  4. Peço a Deus sempre que me vem à memória. Que Deus permita faltar muitas coisas se precisar, mas não permita faltar gratidão. Peço também a graça da humildade e da obediência que se não pedir não me sinto bem, porque agente é muito contaminado dessas coisas ruins. Agora mais uma graça a devoção à São Abraão. São Abraão rogai a Deus por todos nós seus filhos e seus vocacionados de Jesus amém.

  5. Bendito sejas Senhor. Somente um coração humilde e desejoso da VONTADE DE DEUS é capaz de enxergar e decernir entre as oportunidades.
    Dai-nos sempre estas virtudes Senhor para que estejamos nossas escolhas sejam iluminadas pela vossa graça. Obrigada VJ por tão profunda meditação.

  6. Obrigada, Senhor pela oportunidade de rezarmos juntos o Santo Rosário às 4h da manhã todos os dias no canal da Vocação de Jesus. Mãe Santíssima, recebei nossas intenções, principalmente pela nossa conversão e de todo o povo brasileiro, para a nossa salvação. Amém!

  7. Santo Abraão, rogai por nós! Para que busquemos nossa salvação através da oportunidade de confiar em Deus. Que possamos ser valentes guerreiros orantes na luta contra o mal e o dragão vermelho. Que Nossa Senhora através do Santo Rosário possa livrar muitas almas da cegueira humana.

Escreva seu comentário