VOCAÇÃO DE JESUS!
Deus seja amado com todas as forças de nosso coração e de nossa alma.
15/06/2021

Antes de iniciar a leitura dessa meditação, aconselho você a se preparar interiormente através desse método de RECOLHIMENTO DIANTE DE DEUS.
https://vocacaodejesus.com/meditacao/recolhimento-diante-de-deus/

ESTUDO BÍBLICO EM FORMATO DIFERENTE

———–

Como a primeira e a segunda parte, a terceira parte da história que lerão, apesar das pinceladas da imaginação para poder montar o texto, é inspirada em fatos. Os nomes dos personagens foram mudados. Fato acontecido há mais ou menos 35 anos. A história é velha, mas o Brasil, que foi descoberto em 1500, é o melhor país para se morar. Nossos pais são mais velhos do que nós e nós os amamos.

———–


Chegada o dia seguinte, terça-feira, conforme combinado, Pedro, o pastor Melâncton Felipe, e o casal Flávio Lutero e Susannah retornam a casa de Russel e Natália para continuarem a conversar

Pedro é o primeiro a falar:


COMO A BÍBLIA SURGIU

– Amigos! Sem querer simplificar a história, gostaria de fazer um super resumo de como a Bíblia surgiu, pedindo que depois vocês procurem aprofundar o assunto. Primeiro, é bom sermos realistas, sabendo que a Bíblia não foi escrita por Deus do modo como Ele escreveu as duas tábuas dos Dez Mandamentos, que deu a Moisés.

No Livro do Êxodo, capítulo 24, 12, lemos o seguinte:

“O Senhor disse a Moisés: ‘Sobe para mim no monte. Ficarás ali para que eu te dê as tábuas de pedra, a lei e as ordenações que escrevi para sua instrução’.”

(Ex 24,12) 

No capítulo 31, 18, lemos:

“Tendo o Senhor acabado de falar a Moisés sobre o monte Sinai, entregou-lhe as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus”.

(Ex 31,18)

O único texto escrito diretamente por Deus, em tábuas de pedra, foram os Dez Mandamentos. Depois, Deus falava e Sua palavra era transmitida oralmente nos santuários, de pais para filhos, dos mais velhos aos mais novos. Assim, a Bíblia não surgiu logo de forma escrita como se todos os acontecimentos da História do Povo de Deus tivessem seus escritores sagrados postos com penas e pergaminhos prontos escrevendo os acontecimentos e revelações divinas. 

O povo de Deus viveu um grande período de tempo escutando a Palavra que era repetida oralmente, e não lida. Da mesma forma, após a morte e ressurreição de Jesus, surgiu uma nova Tradição oral, que foi transmitida pelos Apóstolos e seus sucessores e só depois foi escrita. Repetindo: Os textos sagrados eram passados adiante oralmente, de geração em geração, até que começaram a ser escritos. A Tradição foi o alicerce que conservou de forma oral a Palavra de Deus, até que ela fosse registrada através da escrita. A Sagrada Tradição, portanto, e a Sagrada Escritura estão intimamente unidas e compenetradas entre si. Com efeito, derivando ambas da mesma fonte divina, fazem como que uma coisa só e tendem ao mesmo fim.” (Dei Verbum 9)

A Bíblia não existia como livro, assim como existe hoje. Existia como Palavra de Deus, mas sem estarem os Livros reunidos em um só Livro, como estão agora. Muitos foram os autores dos Livros Sagrados, mas houve apenas um autor: Deus. Duzentos anos antes de Jesus nascer, foi feita uma tradução dos textos hebraicos para o grego, que foi aceita como tradução legítima.


A SEPTUAGINTA

O rei egípcio Ptolomeu II conseguiu reunir 72 anciãos judeus, seis de cada umas das 12 tribos de Israel, para fazerem a tradução dos pergaminhos do hebraico para o grego.

Os tradutores foram separados em salas. Cada um deveria traduzir do original. Após o trabalho terminar, foi feita uma comparação, e foi visto que os textos estavam milagrosamente idênticos. Nascia assim a Septuaginta, ou Bíblia dos 70. Quando a Igreja Católica formulou o cânon (lista dos livros) oficial da Sagrada Escritura, a Igreja usou a Septuaginta.

Septuaginta

O Novo Testamento foi escrito pelos anos 40 D.C e 100 D.C. Por quê? Porque Jesus tinha mandado os Apóstolos pregarem o Evangelho, não os tinha ordenado que o escrevessem. 

“Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. (Mt 28,19) 

Os Apóstolos foram pregar com o Evangelho no coração e mente. Nenhum deles tinha uma Bíblia na mão. Nenhum deles imaginava que um dia os escritos dos Apóstolos iriam ser reunidos num livro que se chamaria Bíblia.

As cartas de São Paulo e dos outros Apóstolos, reconhecidas como Palavras de Jesus Cristo, começaram a ser reunidas no século II. No século III e IV, os padres juntaram aos livros sagrados recebidos dos judeus os quatro Evangelhos, os Atos dos Apóstolos, as cartas de São Paulo e o Apocalipse; os quais, em leituras organizadas, eram lidos nas igrejas.

No ano 367, Santo Atanásio, em sua Carta Pascoal, cita a lista dos livros do Novo Testamento como conhecemos hoje. Santo Agostinho seguiu essa lista. O Papa Inocêncio I, 40º Papa depois de São Pedro, no ano 405, escrevendo a Santo Exupério, Bispo de Tolosa, confirmou essa lista. Devido às dúvidas que a revolução protestante estava causando no meio católico, a Igreja realizou O Concílio de Trento, de 1545 a 1563, onde confirmou de vez os Livros que compõem o Novo Testamento. 

Em resumo: a Igreja Católica, depois de muitos anos, séculos de oração, reuniu os livros que comporiam a Bíblia; definindo, assim, que a Bíblia seria composta por 73 livros; o Antigo Testamento é composto por 46 Livros e o Novo Testamento contém 27 Livros.

– Dê licença, irmão Pedro! Você errou. A Bíblia não tem 73 livros, ela tem 66. O Antigo Testamento tem 39 e o Novo Testamento tem 27.


A RELIGIÃO DO LIVRO

– A Bíblia protestante ficou com apenas 66 livros porque Martinho Lutero, por sua própria conta, tirou 7 livros.

– Irmão Pedro! Lutero sabia o motivo de tirar esses 7 livros.

– Pastor Melâncton! O motivo era que os 7 livros atestam contra as ideias e doutrinas que Lutero estava pregando. Ao ser rebatido pelos 7 livros Sagrados, a solução que achou mais fácil foi tirar esses livros da Bíblia protestante. Se você se informar, vai ver que Lutero ainda tentou tirar os Livros: Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse; mas não conseguiu, porque seus seguidores mais próximos não permitiram.

– As 95 teses de Lutero, pregadas na porta da igreja, provam que ele tinha de fazer a reforma na igreja.


AS TESES DE LUTERO FORAM PREGADAS NA PORTA DA IGREJA, OU FORAM ENVIADAS?

– Duas perguntas, pastor! 

Primeira: Você já pensou se Lutero realmente pregou na porta da igreja suas 95 teses?

No livro de Erwin Iserloh, The Theses Were Not Posted: Luther Between Reform and Reformation (As teses não foram publicadas: Lutero entre a reforma e a reforma), o autor diz que as 95 teses não foram pregadas à porta da igreja de Wittenberg.

“Lutero não fixou as Teses, mas somente as enviou para o Arcebispo Alberto de Mainz e o Bispo Jerônimo Schulz de Brandenburgo, os representantes apropriados da igreja, para sua aprovação”.

Erwin Iserloh – The Theses Were Not Posted: Luther Between Reform and Reformation

Segunda pergunta: Um homem tem o direito de se considerar capaz para reformar a Igreja que Jesus fundou devido aos problemas causados por alguns ou muitos de seus membros? 

São Francisco de Assis, mais de 300 anos mais velho que Lutero, viu coisas horríveis na Igreja. O que ele fez? Ele foi buscar Deus e a santidade para viver uma vida de oração, penitência e sacrifícios, oferecendo sua vida para a maior glória de Deus, a salvação das almas, a libertação das almas do Purgatório e o bem da Igreja.

– Irmão Pedro! Essa história de os católicos fazerem sacrifícios, penitências, romarias, jejuns duas vezes por semana, não agrada a Deus. A Bíblia diz que Deus não quer sacrifícios. Vou ler pra vocês o que a Bíblia diz: “Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício”. (Mt 9,13)

– Pastor, a Bíblia também diz:

“Jesus começou a pregar: fazei penitência, pois o Reino dos céus está próximo”.

(Mt 4,17) 

Quanto a São Francisco, ele quis seguir o exemplo de Jesus. A Bíblia diz:

“Sim, ele morreu por todos, a fim de que os que vivem já não vivam para si, mas para aquele que por eles morreu e ressurgiu”.

(2Cor 5,15)

São Paulo dizia:

“Anseio pelo conhecimento de Cristo e do poder da sua Ressurreição, pela participação em seus sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na morte,” (Fl 3,10) Diferentemente de São Francisco e São Paulo, Lutero não acreditou na Bíblia quando a Bíblia diz: “Considerai que é suma alegria, meus irmãos, quando passais por diversas provações.”

(Tg 1, 2)

– João diz que a Bíblia foi escrita para nossa alegria e não para o nosso sofrimento. Vou ler o que ele diz: “Escrevemo-vos estas coisas para que a vossa alegria seja completa”. (1Jo 1,4)

– Pastor, você não segue o que a Bíblia diz. Você lê e fica somente com o que lhe agrada. Você excluiu tudo o que a Bíblia fala sobre a importância da penitência.

– Irmão Pedro! A coisa mais importante é a fé. A Bíblia diz que Jesus se alegrou com a fé da mulher e disse a ela  “Ó mulher, grande é tua fé! Seja-te feito como desejas”. (Mt 15,28). Eu só acredito na Bíblia.

– Estou vendo, pessoalmente, que o sola fide e o sola escriptura entre vocês é muito forte.


Martinho Lutero pregava o que ainda hoje é pregado entre vocês, protestantes: a Sola Fide. 

Ele dizia que somente a fé é necessária. Só a fé salva o crente. Mas é uma verdade incompleta, pois uma pessoa cheia de fé pode chamar a Deus de Senhor e se condenar. Jesus diz:

“Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”.

(Mt 7,21)

Sola Scriptura: Somente a Bíblia é a autoridade máxima para fundação e organização de doutrina na Igreja.

– E não é não? Só a Bíblia é a Palavra de Deus. Só devemos confiar nela.

– Responda-me uma coisa, pastor Melâncton!

– Respondo.

– Quando Jesus disse: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (Mt 16,18) Já existia Bíblia?

– Não.

– Então, a Igreja veio primeiro e a Bíblia depois?

– Foi.

– As histórias religiosa e humana dizem que a Igreja levou três séculos para discernir, sob condução do Espírito Santo, quais livros comporiam a Bíblia. Estou certo?

– Está.

– Só para ficar bem claro! Foi a Igreja que discerniu, à luz do Espírito Santo, quais eram os livros Sagrados, e os reuniu num só livro?

– Foi.

– A autoridade da Igreja para fazer tal obra, veio de Deus ou dos homens?

– De Deus.

– O poder que Deus deu às autoridades da Igreja, foi somente de ler, estudar, conhecer a fundo os Livros Sagrados para reuni-los e fazer um Livro que chamamos de Bíblia? Ou Deus também deu à Igreja a autoridade para interpretar esses livros e o ensinar aos povos de todo o mundo?

– Deus deu poder para a Igreja reunir os Livros Sagrados, e deu autoridade à Igreja para interpretar e ensinar aos povos.

– Diga-me, pastor Melâncton! O que é a Bíblia para vocês, protestantes?

– A Bíblia é a Palavra de Deus.

– O que mais?

– A Palavra de Deus é a Bíblia.

– Para vocês, protestantes, a Palavra de Deus é a Bíblia. Para nós, católicos, não é.

– Se para vocês, católicos, a Palavra de Deus não é a Bíblia, então o que é a Bíblia para vocês?

Para nós, a Bíblia é um Livro Sagrado espiritual, que não se resume a um livro material, pois na Bíblia encontramos a Palavra de Deus em Espírito e Verdade, livre das páginas do livro, livre da gramática. Sentimos, como que vendo, o Espírito da palavra, não a escrita. Na Bíblia, nós nos alimentamos da Palavra, não do livro Bíblia. Na leitura, nós nos encontramos com o Deus encarnado, não com conceitos e preconceitos dos quais muitos estão prisioneiros. Nós encontramos na Bíblia uma pessoa, a pessoa que é Deus, a pessoa que é a Palavra que se fez carne. Para nós, católicos, a Palavra de Deus na Bíblia não é um livro, é uma pessoa, porque a Palavra se fez sangue e carne. 

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade”.

(Jo 1,14)

Para nós, católicos, a Igreja nasceu da Palavra de Jesus. Jesus a fundou para nela Ele ser anunciado ao mundo. Depois que fundou sua Igreja, Jesus mandou os Apóstolos ensinarem a todas as pessoas tudo o que Ele tinha falado, prometendo estar na Igreja para sempre. 

“Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. (Mt 28,20)

Diga-me outra coisa, pastor Melâncton! Jesus prometeu estar na Igreja todos os dias até o fim do mundo, como acabamos de ver nas Escrituras?

– Prometeu.

– Se Jesus prometeu estar na Igreja que Ele fundou, todos os dias até o fim do mundo, essa Igreja, então, tem e terá a presença de Jesus nela todos os dias até o fim dos tempos. Que Igreja é essa?

– É a igreja protestante.

– Então, Jesus disse: “E eu te declaro: TU ÉS LUTERO, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

– Não! Mas Jesus não fundou a Igreja Católica.

– Jesus fundou uma Igreja, concorda comigo?

– Jesus fundou, mas não foi a Igreja católica. A igreja que Jesus fundou se perverteu, aí Ele saiu dela e fundou outra.

– O que você fala tem contradição, porque Jesus prometeu estar na Igreja todos os dias, até o fim dos tempos. Se Jesus saiu da Igreja e fundou outra, Ele está quebrando a promessa de estar na Igreja todos os dias até o fim dos tempos. Jesus é Deus, Deus não quebra promessa feita. Jesus não fundaria outra Igreja. Se você diz que Jesus fundou outra Igreja, qual é ela?

– É a Igreja evangélica, que Martinho Lutero fundou.

– Diga-me, pastor Melâncton, Martinho Lutero era Deus ou homem.

– Era homem.

– E Jesus, era e é Deus ou homem?

– Jesus é Deus.

– Se Jesus é Deus e Lutero é homem, quem está na Igreja fundada por Deus, segue a homem ou segue a Deus?

– Segue a Deus.

– Quem está em igrejas fundadas por homens, segue a Deus ou segue aos homens?

– Segue aos homens.

– Quem fundou sua Igreja?

– Lutero, porque Deus mandou. A doutrina que seguimos é a protestante, que foi dada por Deus através de Lutero. Mas quem fundou minha igreja foi eu.

– Por que você fundou uma igreja?

– Eu congregava na igreja, ‘Ô Glória da Glória, Aleluia!’, mas tinha umas coisas que eu discordava, aí eu e mais 20 irmãos saímos para fundar minha igreja.

– Quem lhe deu autoridade para fundar uma igreja?

 – A Bíblia. Minha igreja já tem 40 anos.

– Como estão as vinte pessoas que saíram com você para fundarem sua igreja?

– Não sei. Depois de dois anos, brigaram comigo, e saíram para fundar a igreja deles.

– Quem deu autoridade a eles para fundarem igrejas?

– Ninguém. Eles vão falir. Nem credencial de pastor eles têm.

– Você tem?

– Tenho.

– Pelo que sei, para conseguir os requisitos para ser pastor, o candidato tem de ter o ensino médio, estudos no seminário etc; você passou por esse procedimento?

– Não. Na igreja que eu congregava não era assim; o curso é on-line. Curso muito bom, estudamos muito a Bíblia. No final, recebi a credencial de pastor; está num quadro na sala lá de casa. Agora, você me responde! Na Igreja Católica tem muito escândalo, quando você vai sair e fundar sua igreja?

– Nós, católicos, não fazemos essas coisas. Estamos na Igreja para sermos fiéis a Jesus Cristo. Se há (e há!) os que, estando nela, querem ser infiéis; isso é entre eles e Deus, não é entre nós e eles. O Juiz é Deus, não nós. Para nós, católicos, a ordem de Deus é que não julguemos, não condenemos e tudo perdoemos (Lc 6, 37).

A vontade de Deus para nós é que oremos uns pelos outros, independentemente de a pessoa ser boa ou má. Deus quer que, diante Dele, nos vejamos como, de fato, somos: inferiores a Ele, aos Anjos e às pessoas na terra.  (Fl 2, 3). Não podemos esquecer que somos criaturas, e Ele, o Criador.

São Pedro, ao saber que iria ser crucificado, sentiu-se honrado por Deus o considerar digno de morrer por causa do Nome de Jesus; mas Pedro, se considerando um nada, não se achou digno de morrer crucificado como Jesus, e assim, pediu para ser crucificado de cabeça para baixo.

“Martírio de São Pedro”, conservado no Museo de Hermitage (San Petersburgo, Rusia)

São Pedro desenvolveu em si o dom da humildade. São Paulo também. Paulo era um Apóstolo humanamente muito inteligente, espiritualmente muito sábio, fundou várias igrejas dentro da Igreja, mas ele não levava os católicos a obedecerem a ele. Paulo os formava para que se submetessem às autoridades da Igreja, que, por sua vez, eram submissas aos ensinamentos de Jesus.

Na Igreja, Pedro era a primeira autoridade, era o primeiro Papa. Certa vez, Paulo teve de exortar Pedro (Gl 2, 11. 14), mas Paulo nunca pensou em sair da Igreja e fundar outra Igreja, ele sabia que tal atitude o levaria para o inferno.

Ele mesmo escreveu aos romanos, dizendo:

“Aquele que resiste à autoridade, opõe-se à ordem estabelecida por Deus; e os que a ela se opõem, atraem sobre si a condenação”.

(Rm 13,2)

SEGUINDO A RELIGIÃO DO LIVRO E NÃO A JESUS

Pastor Melâncton! Você me pediu para provar que vocês seguem a religião do livro, e não a Jesus.

– Foi! Prove-me.

– Provarei. É fácil provar, mas reconhecer a autenticidade das provas é difícil para quem está enganado, pensando que encontrou toda a verdade.

Vamos à prova 1!

Vocês dizem que só acreditam no que a Bíblia diz, mas não é verdade. Se acreditassem no que a Bíblia diz, vocês creriam que os bispos e padres podem perdoar os pecados de quem os procura e os confessa. Jesus deu esse poder aos Apóstolos e seus sucessores, dizendo:

Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos“.

(Jo 20,23)

– Jesus deu esse poder aos Apóstolos, e não aos bispos e padres.

– Os bispos e padres são os sucessores dos Apóstolos.

– Não são.

– Então, quem são os sucessores dos Apóstolos?

– Os sucessores dos Apóstolos só iriam surgir no ano 1517, com a reforma protestante.

– Pastor Melâncton! Jesus disse aos Apóstolos que iria estar com eles todos os dias até o fim do mundo? (cf. Mt 28, 20).

– Disse.

– Jesus não disse: vou estar com vocês uns dias e depois só voltarei no ano 1517. Jesus disse: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. (Mt 28,20) Jesus disse “estou (ou seja, Ele já estava) convosco todos os dias, até o fim do mundo”, quer dizer, estar com os Apóstolos e seus sucessores. O mundo ainda não chegou ao fim, por isso, até hoje, não houve um dia em que Jesus não estivesse com os sucessores dos Apóstolos na Igreja que Ele fundou.

Vocês, protestantes, pensam que não houve história antes da revolução protestante de 1517. Vocês não querem estudar com imparcialidade, com o objetivo de conhecer a verdade, porque sofreram e sofrem doutrinação mentirosa contra a Igreja Católica.

Essa doutrinação na qual a Bíblia é usada para embasar a mentira, destrói o sistema emocional de vocês a tal ponto que, ao ouvirem ou pensarem nas palavras “Igreja Católica”, um mal-estar somado a sentimentos de indiferença, desprezo e impaciência, levam-lhes a ver a Igreja Católica como a Babilônia; o papa como a besta fera; todos os católicos como idólatras adoradores de imagens.

Está na Bíblia que Jesus iria estar na Igreja todos os dias até o fim do mundo. Mas os protestantes, que dizem só crer no que está na Bíblia, não creem nesta verdade que está na Bíblia.

A Bíblia diz que Jesus deu poder aos bispos e padres para eles perdoarem pecados. Porém, vocês não acreditam nessa outra verdade que está na Bíblia; vocês se escandalizam com a verdade que está na Bíblia.

– O quê? Nós nos escandalizamos com a verdade que está na Bíblia!!! Agora você exagerou!

– Não exagerei. Se chegasse aqui um padre e eu me ajoelhasse para confessar os meus pecados e depois receber a absolvição; se tudo isso acontecesse na sua frente, como o seu sistema emocional reagiria?

– Eu não diria nada, é problema seu acreditar que homem pode perdoar pecados. Nós, protestantes, não confessamos nossos pecados aos homens, porque os homens não são Deus; não podem perdoar pecados. Nós confessamos nossos pecados diretamente a Deus.

– Se essa cena acontecesse na sua frente, pastor Melâncton, você iria emocionalmente se constranger; como se constrangeram, enraiveceram-se e se escandalizaram os escribas e fariseus quando, na frente deles, Jesus disse ao paralítico que os pecados dele estavam perdoados. Russel, por favor, leia para nós Marcos 2, 7.

– Lerei, só um instante para eu achar aqui na Bíblia. “Como pode este homem falar assim? Ele blasfema. Quem pode perdoar pecados senão Deus?” (Mc 2,7)

– Natália, por favor, leia Lucas 5, 21.

– Lucas… Lucas… Achei! 

“Então, os escribas e os fariseus começaram a pensar e a dizer consigo mesmos: Quem é este homem que profere blasfêmias? Quem pode perdoar pecados senão unicamente Deus?”

(Lc 5,21)

– Natália! Leia o versículo 24, por favor.

“Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder de perdoar pecados (disse ele ao paralítico), eu te ordeno: levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa”.

(Lc 5,24)

– Russel e Natália! Vocês creem que o homem que recebeu de Jesus o poder para perdoar pecados dos outros homens, pode perdoar?

– Sim, acreditamos.

– Por que vocês acreditam?

– Porque está aqui na Bíblia

– Pastor Melâncton, Flávio Lutero e Susannah, vocês acreditam no que está na Bíblia? A Bíblia diz que Deus deu tal poder ao homem.

– Deu a Jesus, porque Jesus é Deus.

– Vocês esqueceram de que Jesus disse aos Apóstolos: “Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 20,23). Os Apóstolos não são deuses.

– Não esquecemos. Mas foi dito para os Apóstolos, e não para outros homens.

– Está acontecendo o que lhes disse. Disse que lhe daria a prova de que os protestantes vivem a religião do livro que chamam de Bíblia, ao invés de conhecer e obedecer o Espírito e a Vida do que está escrito na Bíblia. Jesus disse: “O espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são espírito e vida” (Jo 6,63).

Vou reler de um jeito que vocês, da religião do livro, precisam ouvir: O espírito é que vivifica, o livro de papel de nada serve, se as palavras de espírito e vida de Jesus, que ele contém não forem entendidas e vividas, vocês continuarão sendo adoradores do livro.

Por que é difícil para vocês crerem, como verdade, no que está na Bíblia se, o que está nela, confirma que a Igreja Católica é a única Igreja verdadeira?

Eu mesmo respondo! É por causa do processo de “estudos” de doutrinação anticatólico que recebem em suas igrejas. Essa doutrinação, para prendê-los no protestantismo, impede-os de pensar livremente. Vocês estão em prisão doutrinária mental e espiritual, a qual os impede de conhecer a verdade. Por isso, vocês dizem que só acreditam no que está na Bíblia. Mas a verdade é que só acreditam no que lhes doutrinaram para acreditar, apesar de a verdade estar clara.


REALIDADE E SIMBOLISMO

Vou dar outra prova de que vocês seguem a religião do livro Bíblia, sem acreditar no que está escrito na Bíblia. Se vocês acreditassem no que está escrito na Bíblia, vocês creriam na Eucaristia. Na igreja de vocês a Ceia é só o maná, um simbolismo do Corpo e Sangue de Jesus. Símbolo é símbolo e não realidade. Russel, por favor, leia João 6, 47-58.

“Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna. Eu sou o pão da vida. Vossos pais, no deserto, comeram o maná e morreram. Este é o pão que desceu do céu, para que não morra todo aquele que dele comer. Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo.
A essas palavras, os judeus começaram a discutir, dizendo: ‘Como pode este homem dar-nos de comer a sua carne?’
Então, Jesus lhes disse: ‘Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai que me enviou vive, e eu vivo pelo Pai, assim também aquele que comer a minha carne viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente’.”

Russel e Natália! Jesus diz que Ele é o quê?

– Diz que é o Pão da vida.

– O que os judeus comeram no deserto e mesmo assim morreram?

– O maná.

– Russel! Jesus diz que Ele é o pão que desceu do Céu. Para que Jesus desceu como pão?

– Para que todo o que Dele comer não morra.

– Natália! Por quanto tempo vive quem come deste pão?

– Vive eternamente.

– Russel! Qual é o pão que Jesus dá para a salvação do mundo?

– A carne Dele.

– Com que os judeus se escandalizaram?

– Escandalizaram-se com as palavras de Jesus, pois Ele disse que daria a sua carne como comida.

– Diante de suas perplexidades, incredulidade, desprezo, por causa das Palavras de Jesus, Ele não disse: “Calma, Judeus! Vou explicar!” Jesus já estava explicando. Suas Palavras eram exatas. Ele estava dizendo o que queria dizer. Suas palavras eram claríssimas diante do que Ele queria que todos entendessem e cressem.

Russel! Leia o que Jesus disse aos judeus, que se escandalizavam com o que Ele dizia.

“Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida.”

(João 6,53-55)

– Russel! Repita o versículo 55 e continue a leitura, por favor.

“Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida.

Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai que me enviou vive, e eu vivo pelo Pai, assim também aquele que comer a minha carne viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente.”

(João 6,55-58)

– Russel e Natália! Vocês creem que o Corpo e o Sangue de Jesus, como alimento, é um simbolismo, ou é verdadeiramente um alimento para quem dele comer adquirir a vida eterna?

– Cremos que o Corpo e o Sangue de Jesus é verdadeiro alimento para dele comermos e podermos ter a vida eterna.

– Por que vocês creem?

– Porque está na Bíblia.

– Flávio Lutero, Susannah e pastor Melâncton! Vocês dizem que só creem se estiver na Bíblia. Na Bíblia está escrito que o Corpo e o Sangue de Jesus é alimento para a vida eterna, e não simbolismo religioso. Vocês creem no que está escrito na Bíblia?

– Pedro! – diz Flávio Lutero. Eu nunca tinha visto dessa forma. O pastor sempre diz que a Santa Ceia é a recordação do sacrifício de Cristo; que nos lembra o amor de Deus para salvar as pessoas; que é um momento especial de comunhão da igreja, mas que ninguém se deixe enganar: a Santa Ceia é lembrança e não repetição do sacrifício de Jesus.

Ele diz que quem faz a repetição é a Igreja Católica, por invenção humana, pois não tem nenhum fundamento bíblico. O pastor diz que os católicos chamam de transubstanciação essa repetição do sacrifício de Jesus, porque o pão se transforma na Carne de Jesus e o vinho se transforma no Sangue. Geralmente, todos nós rimos da ingenuidade dos católicos, os quais, como sabemos, não leem a Bíblia.

– Irmão Flávio Lutero! Você não sabe o que está dizendo. Cuidado para não pecar contra o Espírito Santo.

– Pastor, na igreja o senhor sempre diz que a transubstanciação dos católicos não tem nenhum embasamento bíblico, mas hoje estou vendo que o senhor está enganado. E nos enganando, sem querer enganar. Engana-nos, porque está enganado; como eu estive até hoje e enganei muitas pessoas. Pastor, está muito claro na Bíblia que o corpo de Cristo é comida e o Sangue é bebida.

Estou entendendo que esse milagre só acontece na Igreja Católica e não acontece em nossas igrejas. Pastor, quantas vezes eu vi o pão que sobra da Santa Ceia ser dado aos cachorros. Vi o vinho que caiu no chão ser varrido com uma vassoura. Diga-me uma coisa, Pedro: o que é feito do pão que sobra da Missa?

– O pão consagrado, o qual chamamos Hóstia, caso sobre, é guardado com muito respeito no Sacrário. Se uma Hóstia cair no chão, o Padre faz reverência e, com profundo respeito, recolhe-a. Se cair uma gota do vinho transformado em Sangue, o Padre recolhe reverencialmente com um lenço; depois, leva ao sacrarium (sumidouro, pia especial na sacristia com cano direto no solo), onde o pano é molhado e espremido para que o elemento sagrado regresse à terra de modo respeitoso.

– Eu sempre tive muito respeito quando participei da Santa Ceia, mas sentia um vazio. Faltava algo. Hoje eu sei que o que me falta é comungar de verdade, e não por simbolismo. O que faço para me entregar a Jesus na Igreja Católica?


VOCÊ QUER PERDER A SALVAÇÃO?

– O que é isso, irmão Flávio Lutero. Você quer perder a salvação?

– Pastor Melêncton, comunico ao senhor, diante destas testemunhas, que renuncio ao protestantismo e vou ser católico.

– Eu não aceito. Não quero a perdição do irmão.

Pedro toma a palavra e diz:

– Façamos o seguinte: encerremos nossa reunião agora, e voltemos a nos reunir na próxima segunda-feira. Pode ser aqui em sua casa, Russel?

– Sim. Claro. Segunda-feira todo mundo aqui.

– Flávio Lutero…

– Por favor, Pedro, me chame agora só de Flávio.

– Flávio, compre e leia durante essa semana o livro escrito por Tomás de Celano sobre a vida de São Francisco de Assis. Vou lhe dar o telefone da responsável pela catequese na Vocação de Jesus. Ligue para ela amanhã. Ainda hoje, falarei com ela sobre você.

Então, boa noite a todos! Segunda-feira nos encontraremos mais uma vez, se assim Deus quiser.

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos a todos.

J.V.

14 comentários

  1. Amo a santa missa e a Eucaristia. Se não fosse verdade que a Eucaristia fosse o corpo e sangue eu não sentiria a grande paz, principalmente depoos da confissão.

  2. Bendito seja Deus por nossa santa vocação e por essa riqueza de informações contidas nessa formação! Que assim como Pedro estejamos sempre prontos para defender de todo nosso coração a nossa santa igreja católica!!

  3. Bom dia, a paz! Quão bela é a Formação desta Vocação, através dos ensinamentos bíblicos, e conversões e exemplos de fé, pelos quais, testemunharemos casos verdadeiros de oração e serviço de Deus. Eu li esta Formação, mais cedo. Comecei a digitar está mensagem, e foi interrompida por problemas do meu celular, com o Android, que bom que, por agora, eu vou concluí-la. Mas, me aguarde, que eu tenho um Testemunho, da Peregrinação para Canindé, mas que aconteceu algo importante na outra casa em que morava. Fiquemos por aqui hoje, para eu tentar me lembrar da(s) data(s), até breve! Paz no Senhor, Celso Moreira de Oliveira.🙏🙏🇧🇷🇧🇷, Posso mandar estes emojis? Mesmo em casa, por ser grupo de risco, eu fiquei sendo conhecido como Professor Figurinha! Amém.

  4. Ainda tem gente que não acredita que a nossa igreja é a unica.quanta riqueza essa formação e quanto esclarecimento para os menos esclarecidos.bendito seja Deus.

  5. Senhor como é bom está na igreja católica ser católica e ser vocacao de jesus. que ensinamento Maravilhoso Deus abençoe muito

  6. Nós enche de alegria vermos todas as verdades da nossa fé desmentido a seita protestante!

    Que Deus conserve em nossos corações esse riquíssimo alimento!

  7. Que formação maravilhosa em defesa da Verdadeira Igreja de JESUS! Senhor, perdoai nossos pecados de ingratidão, omissão e negligência, pelas vezes que não valorizamos a tamanha riqueza de Vossa Presença Viva e Real na Santa EUCARISTIA. Mãe Santíssima, intercedei pela nossa verdadeira conversão para que amemos e defendamos a Santa Igreja Católica com a nossa própria vida se preciso for. Amém!

    1. Como nossa Igreja católica é rica em
      conhecimentos do Deus que se doa todos os dias para está conosco, seus filhos amados. Senhor perdoa os meus pecados! Ensina-me a amar-te como me amas!

      1. Gracas a Deus por ser catolico na vocacao que Deus me chamou .matrimonio.e ser fiel na vocacao de Jesus.

Escreva seu comentário