OS PAÍSES CATÓLICOS ESTÃO PERDENDO A FÉ CATÓLICA?

VOCAÇÃO DE JESUS!
Deus seja amado com todas as forças de nosso coração e de nossa alma.

29/08/2022

“Quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a terra?”
(Lc 18,8)

Atualmente, em qualquer igreja católica (templo) que vamos, seja no Brasil, nos EUA, (continente americano – sul e norte); seja em Portugal, Espanha, Itália (continente europeu); seja na Nigéria (continente africano); seja na Rússia (continente asiático); vemos poucos jovens participando das Missas.

OS ADULTOS, OS IDOSOS, AS CRIANÇAS, OS JOVENS E A IGREJA CATÓLICA

Se você nunca observou, por favor, observe! Vá à Missa em paróquias diferentes, por uma semana, em sua cidade. 

Se você viaja por seu país ou outros países, observe a participação de católicos nos dias de semana e, principalmente, nas Missas de sábado e domingo.

O que você verá?

Verá que nas igrejas com 300 pessoas ou mais participando da Missa aos sábados e domingos, 80% ou 90% de católicos têm a partir de 40, 50 até 80 anos de idade.

Que apenas 10% ou 20% são jovens.

Que quase não se vê crianças.

O QUE ACONTECERÁ COM A POUCA PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS E JOVENS NA IGREJA?

Dentro de alguns anos, a geração dos católicos a partir de 80 anos que frequentam a igreja irão começar a morrer.

Os de 70, 60 e 50 anos de idade, a cada dia vão caminhando para os 80, 90 anos. Eles também irão morrer.

Se não for feito algo agora para evangelizar as crianças, os adolescentes e os jovens, dentro de algumas décadas as igrejas católicas estarão quase vazias.

POR QUE O NÚMERO DE IDOSOS É MAIOR DO QUE O DE JOVENS PARTICIPANDO DA IGREJA?

Por vários motivos.

Vejamos um deles.

Do ano 1960 até hoje (2022), foi se fortalecendo dentro e fora da Igreja católica o pensamento de que os pais não tinham o direito de “obrigar” (é a palavra que usam) seus filhos a seguirem sua religião.

São usados argumentos como os seguintes:

  • Que é intransigência e desrespeito aos filhos querer “obrigá-los” a serem católicos.
  • Que é abusar de quem não pode se defender, levar as crianças para serem batizadas, catequizadas, crismadas, comungar nas Missas.
  • Que os filhos não são escravos dos pais para serem obrigados a irem todos os domingos para a Missa.
  • Que as crianças devem ter tempo para brincar, a juventude para estudar, conhecer culturas diferentes do mundo. Quando forem adultas, elas mesmas escolherão, sem imposição de ninguém, a religião que querem seguir.

Essa doutrinação de mentalidade anticatólica conseguiu fazer com que milhões de pais agissem como se pensassem que falar aos seus filhos:

·       de Jesus Cristo como Caminho, Verdade e vida,

·       da história da Igreja,

·       da vida dos santos,

·       dos mártires que morreram por amor a Deus,

·       da salvação da alma,

·       da necessidade de amar a Deus sobre todas as coisas,

·       da fé,

·       da oração,

·       da confissão dos pecados,

·       da Eucaristia e dos outros Sacramentos, 

seria tirar o direito da liberdade religiosa deles; tirar o direito de eles fazerem a própria escolha quando crescessem.

A FALTA DE ENTENDIMENTO DOS PAIS SOBRE A IMPORTÂNCIA DE SEUS DEVERES RELIGIOSOS

Os pais não pararam para pensar que era dever deles orar por seus filhos todos os dias, desde o momento da concepção deles; que era seu dever evangelizá-los desde a mais tenra idade.

Não disseram a si mesmos:

  • Se Deus agregou a oração à salvação de quem ora e daqueles por quem se ora, então se nós, pais, não orarmos por nossos filhos, não se salvam eles nem nós.
  • Se não evangelizarmos nossos filhos, estamos desobedecendo a uma ordem direta de Jesus Cristo, que manda, aos que Nele creem, que sejam transmissores da mesma fé.

OS VALORES CRISTÃOS DOS PAIS

Muitos pais não refletiram que se eles, como pais, tinham fé em Deus, tinham os valores cristãos que moldaram e construíram o caráter dos melhores homens e mulheres santos da Igreja Católica e também dos melhores homens seculares, então, não estavam roubando ou infligindo a liberdade religiosa de seus filhos por lhes transmitirem os ensinamentos de Deus.

Não se perguntaram:

“Que ensinamento de vida para nossos filhos pode ser mais importante do que os ensinamentos que vêm da Palavra de Deus?”

NÃO VIRAM O PERIGO À SALVAÇÃO DA ALMA DE SEUS FILHOS EXISTENTE NOS PENSAMENTOS ANTICATÓLICOS

Por não avaliarem se os pensamentos de deixar os filhos crescerem sem religião para eles escolherem a religião que quiserem quando forem adultos, milhões de pais nem conseguiam perceber que esse pensamento era um pensamento anticatólico, que objetivava levar as crianças e os jovens para longe da Igreja e, consequentemente, de Deus.

QUAL FOI A OMISSÃO DOS PAIS?

  • Não procuraram saber se não levar os filhos à igreja era uma boa ou má atitude, se era uma atitude de fé ou de incredulidade.
  • Não pensaram se seria obediência ou desobediência a Jesus Cristo, que mandou que todos fossem evangelizados.
  • Não avaliaram se, para respeitar a liberdade dos filhos, estavam agindo certo ou errado em não falar sobre os Mandamentos de Deus em família.
  • Não se perguntaram se deveriam pesquisar a origem dos pensamentos que acusavam de intransigentes os pais que levavam seus filhos à igreja.
  • Não procuraram saber por quem e por qual motivo esses pensamentos foram inoculados na cabeça, não de todos, mas de muitos católicos de dentro da Igreja e em quase toda a sociedade mundial.

PERGUNTA!

A maioria dos pais católicos dos anos de 1960, até os pais dos dias de hoje, ano 2022, continuam sem levar seus filhos à igreja?

POR QUE OS CATÓLICOS ADULTOS E IDOSOS VÃO À IGREJA?

Porque os seus pais, homens e mulheres dos anos 1950, 1960 (e anos anteriores) os levavam à igreja quando eles eram crianças.

Além disso:

  • Tudo faziam para educar seus filhos na fé católica em Jesus Cristo.
  • Matriculavam seus filhos em bons colégios católicos.
  • Levavam-nos para se prepararem para a Primeira Eucaristia e Crisma.
  • Aconselhavam-nos segundo a Palavra de Deus.
  • Aconselhavam o filho a escolher uma boa moça católica para casar.
  • Aconselhavam a moça a não casar com um homem se ele não fosse um fiel católico.
  • Escolhiam bons católicos para padrinhos de seus filhos.

Os pais dos anos 1960, 1970 para trás conheciam a Palavra de Deus que diz: “Ensina à criança o caminho que ela deve seguir; mesmo quando envelhecer, dele não se há de afastar”. (Pr 22,6)

A GERAÇÃO QUE NÃO SEGUIU O EXEMPLO DE SEUS PAIS

Uma geração levou seus filhos à igreja desde bebês. Por isso, eles cresceram frequentando a igreja, e ainda hoje, sendo adultos, outros idosos, continuam frequentando a igreja.

Porém! A geração que foi levada à igreja por seus pais, foi contaminada pelo pensamento de respeitar a “liberdade” dos seus filhos, não os levando à igreja, para eles escolherem que religião seguir quando forem adultos.

A FÉ SEM FÉ

Os adultos e os idosos que frequentam a igreja sem levar seus filhos e netos, vivem o paradoxo da fé, pois a fé deles é sem fé, o amor deles a Deus é sem amor.

POR QUE A FÉ DELES É SEM FÉ E O AMOR A DEUS É SEM AMOR?

A fé é sem fé e o amor é sem amor porque consideram necessário frequentar a igreja, os Sacramentos, para poderem salvar suas almas, mas não empregam em suas vidas esse raciocínio de fé, de que para seus filhos e netos serem salvos, eles precisam frequentar a Igreja e os Sacramentos.

NÃO ALIMENTAR OS FILHOS

  • Se dissermos a estes pais que eles não devem dar alimento a seus filhos, porque os alimentos são diversos com muitos sabores diferentes, porque isso é tirar a liberdade das crianças e jovens escolherem o que querem comer;
  • Se dissermos que alimentar os filhos com o que eles (pais) gostam de comer é desrespeitar a liberdade dos filhos, então, para respeitar a liberdade dos filhos, que não deem a eles os alimentos que gostam, mas deixem que quando eles crescerem, eles escolherão o que comer. 

O que esses pais nos diriam?

“Vocês são loucos? Se deixarmos de alimentar nossos filhos, eles morrem de fome.”

É o que eles diriam.

E é verdade. Se o corpo não for alimentado, ele morre; da mesma forma a alma, se ela não for alimentada, ela morrerá.

É na Igreja que a alma é alimentada pelos Sacramentos, para daí poder alimentar sua alma todos os dias com a vida de oração pessoal e comunitária.

E O PARADOXO DO AMOR SEM AMOR, DA FÉ SEM FÉ, CONTINUA

Os adultos e idosos que frequentam a igreja procuram ser comprometidos com sua conversão pessoal, para poder se salvar, mas não consideram importante levar seus filhos à igreja para eles também aprenderem a importância da conversão pessoal.

Eles dão muita atenção à salvação de suas próprias almas, MAS! Mas, não veem a importância de seus filhos também se dedicarem à salvação da própria alma.

Eles amam a Deus, mas não existe nestes pais o desejo profundo de ver seus filhos amando a Deus. Estão deixando eles crescerem para escolherem que igreja querem seguir. Estes pais estão mais interessados em que os filhos sejam vitoriosos nas coisas do mundo; que tenham uma profissão que lhes dê prestígio e muito dinheiro.

SE OS PAIS NÃO LEVAM SEUS FILHOS À IGREJA, O DIABO E O MUNDO OS LEVAM PARA BEM LONGE DE DEUS

Os pais que sofreram o processo de lavagem cerebral, a ponto de aceitar a ideologia de que os filhos não devem ser levados à Igreja, estão incapacitados para entender que se eles não educam seus filhos na verdadeira religião, o mundo dará a eles as falsas religiões para eles escolherem uma delas. Inclusive, o mundo oferece até a vida sem religião. Por quê? Porque o não crer em Deus é uma religião de muitas pessoas ou de pessoas isoladas sob a condução dos demônios.

OS PAIS NO JULGAMENTO DE DEUS

Jesus ordenou a todos, não somente aos Padres: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura”. (Mc 16,15) Essa ordem vale para que os pais não sejam mornos ou indiferentes na evangelização de seus filhos.

Os pais mornos na fé são aqueles pais “bonzinhos” que dizem amar a Deus com a boca, mas o coração está bem longe do Senhor.

  • São aqueles que levam vez ou outra os filhos à igreja, ou nunca levam.
  • São aqueles que, vez ou outra, falam alguma coisa sobre Deus em família.

O que dirão a Deus, em seus julgamentos, por terem negligenciado a salvação das almas de seus filhos?

Os pais indiferentes à fé, quando morrerem (porque todos nós iremos morrer), o que vão dizer a Deus na hora de seu julgamento, por terem seguido a orientação dos homens inspirados pelos demônios para implantarem na terra e dentro da Igreja a cultura anticatólica, que fixou na sociedade o pensamento de que as crianças devem crescer sem religião para usarem da liberdade de escolherem se terão ou não religião quando forem adultos?

O INFERNO DOS PAIS E DOS FILHOS CONDENADOS

Faz muitos anos que escutei um piedoso padre, conhecedor da vida dos santos, falando em sua homilia sobre um santo (não lembro o nome) que teve uma visão dos pais e filhos que estavam no inferno.  Nunca esqueci essa homilia.

Vou contar aqui o que ouvi. É claro que não será exatamente como o padre falou, por causa do tempo. Também não farei as explanações dos motivos pelos quais se deve viver evitando cair no inferno, que ele fazia ao contar a história, sem se perder no que dizia. Não tenho o mesmo dom que Deus deu a ele.

O padre falou que o santo viu crianças e jovens nas chamas do inferno, gritando muitos palavrões contra seus pais, que também queimavam no fogo infernal. As crianças e jovens acusavam seus pais por serem os culpados de estarem sofrendo no inferno.

Ao mesmo tempo que falavam os piores palavrões contra seus pais, eles se atiravam com as mãos e unhas para a garganta dos mesmos, com muito ódio, e os agrediam com chutes, socos e dentadas, dizendo:

“Pai desgraçado! Mãe desgraçada! Por que vocês não me falaram que o inferno existia? Não me falaram de Deus, de seu amor e perdão? Eu vou odiar vocês por toda a eternidade.”

Além dos palavrões e as agressões, os filhos condenados chamavam Satanás e os demônios, pedindo a eles para torturarem os seus pais com mais crueldade. Os demônios, então, aproximavam-se e realizavam os desejos deles, enquanto eles gritavam:

“Mais forte! Batam mais forte! Arranquem os olhos deles. Perfurem seus ouvidos. Ponham chumbo derretido na boca deles. Arranquem suas línguas. Espetem-nos, assem-nos e os devorem.”

Os demônios os espetavam com lanças pontiagudas de ferro em brasa, que introduziam nas carnes, começando pelas coxas até saírem pela boca dos pais. Os filhos gritavam:

“Ainda é pouco sofrimento. Espetem mais lanças de ferro em brasa. Arranquem os dedos um a um, arranquem os braços, arranquem seus corações, assem esses desgraçados no fogo!”

Os demônios, com risadas diabólicas, seguindo o desejo dos filhos, depois de muita tortura, assavam seus pais e os devoravam. Quando chegavam na barriga dos demônios, milhares de vermes asquerosos de todos os tipos mordiam-nos, arrancando pedaços.

Quando estavam todos despedaçados, menos pescoço e cabeça, eram misturados às fezes, no que parecia ser o intestino grosso dos demônios. Lá dentro, na podridão insuportável, as cabeças gritavam pela dor que sentiam em todo o corpo, apesar de estarem separadas do corpo.

Aumentado o mau cheiro, o intestino grosso começa a movimentar-se, expelindo de sua parede muscular um líquido pegajoso, muito fedorento. O movimento com o líquido faz os pedaços dos corpos serem triturados, (menos pescoço e cabeça, que continua viva e lúcida) e dissolverem-se, virando uma lama grossa pastosa, de um fedor que ninguém pode imaginar como seja, a não ser as almas condenadas e os demônios que estão no inferno.

Quando tudo se transforma em fezes, os movimentos da parede muscular do intestino demoníaco empurram tudo para sair pelo reto dos demônios. As almas condenadas, devoradas e transformadas em fezes são então defecadas pelos diabos.

Os demônios obrigam as outras almas condenadas a comer as fezes. Quando comem, suas barrigas crescem assustadoramente e explodem saindo inteiros delas as almas que tinham sido despedaçadas.

Os demônios as pegam para recomeçar as crueldades, e assim tudo é repetido, século após século, interminavelmente, até virarem fezes e recomeçar o processo de tortura. Depois de atender os pedidos dos filhos, os demônios faziam com eles o que eles pediam que se fizesse com seus pais.

SENHORES PAIS! AINDA DÁ TEMPO DE EVITAR O INFERNO

Espero que essa leitura faça todos os pais compreenderem que, após a morte, entram imediatamente em julgamento, onde serão julgados pelas suas palavras, seus atos e suas omissões, diante dos Mandamentos de Deus, como também das demais responsabilidades, diante da vontade de Deus, como evangelizadores de seus filhos.

Para ler mais sobre o inferno, clique no link:

Visões sobre o inferno

Neste link você encontra

1 – Visão de Santa Faustina

2 – Visão do Inferno segundo Santa Teresa de Jesus

3 – Os espíritos malignos e suas relações com os vícios

4 – Visão de Santa Francisca Romana

Oremos!

Senhor Deus! Livrai-nos do maligno.

Não nos deixeis cair em tentação; não nos deixeis cair no inferno.

Senhor! Vós sois poderoso.

Nada Vos é difícil. Vós tudo podeis.

Vós podeis, mais uma vez, restaurar a Igreja que fundaste em Pedro; como também podeis restaurar as famílias, os países, como já fizestes em gerações passadas.

Crendo em Vosso amor e poder, pedimo-Vos que envieis Vosso Espírito Santo para realizar essa grande e necessária obra.

Enviai São Miguel, para desbaratar as legiões de demônios que querem destruir a função que destes às famílias, levando assim os pais e seus filhos à perdição eterna.

Enviai o Anjo Exterminador para exterminar o pensamento de não levar os filhos à igreja, com a desculpa de não tirar a liberdade deles.

Enviai Vosso Anjo Exterminador para exterminar o pensamento de não batizar, catequizar e crismar os filhos, deixando que eles escolham se querem o batismo, a Eucaristia e a Crisma quando forem adultos.

Enviai Vosso Anjo Exterminador para exterminar esses pensamentos anticatólicos que se transformaram numa cultura maligna.

Enviai vosso Anjo Exterminador para exterminar a cegueira dos pais, que não entendem e nada enxergam de onde vem e onde está o perigo para a salvação deles e de seus filhos.

Senhor! Fazemos da oração de Davi a nossa oração, dizendo: “Senhor, não fique eu envergonhado, porque vos invoquei: Confundidos sejam os ímpios e, mudos, lançados na região dos mortos”. (Sl 30,18) “Os ímpios perecerão e os inimigos do Senhor fenecerão como o verde dos prados; desaparecerão como a fumaça”. (Sl 36,20)

Enviai, Senhor, Vosso Anjo Exterminador para exterminar todo o mal que deve ser exterminado, onde quer que ele se encontre. Enviai logo, Senhor! 

Amém.

. . .

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos a todos.
J.V.

Escreva seu comentário