VOCAÇÃO DE JESUS!
Deus seja amado com todas as forças de nosso coração e de nossa alma.

Pais, filhos (10 crianças entre: quase 2 anos, 3, 5, 7 e 10 anos), outros parentes e três amigos da família, formando um grupo de 25 pessoas de idades variadas, entre 13 a 55 anos, foram visitar os avós dos filhos do casal, na zona rural. Após o jantar, sob a lua cheia que subiu do nascente, eles estão conversando na varanda da casa, que tem muitas árvores e uma vista bonita para o açude.

Mais da metade das pessoas estão olhando o celular quando o avô diz:

– Vamos rezar nosso Santo Terço?

Os celulares são postos de lado e todos rezam o Terço de Nossa Senhora e o Terço da Misericórdia. Após os Terços, o avô fala outra vez:

– Quero fazer umas perguntas para todos nós. Posso?

Todos respondem que sim.

– Por que nós rezamos? Por que vamos à Missa? Por que participamos do Grupo de Oração? Por que lemos a Palavra de Deus?

Uma pessoa responde:

– Porque, como católicos, temos deveres religiosos para cumprir.

Olhando para todos, com voz calma, o avô faz outra pergunta:

– O que estamos dispostos a fazer por nossa salvação?

Um dos netos responde:

– Tudo.

– Me alegro com sua resposta, meu neto. É bom ver que meu filho está dando continuidade à educação religiosa que eu e sua avó demos a ele. Quantos anos você tem agora, meu neto?

– Tenho 25 anos, meu vô.

– Você disse que está disposto a tudo fazer para se salvar. Tudo é muita coisa. Que tudo é esse?

– Vô, refiro-me a todas as coisas que dizem respeito a mim, como pessoa limitada, pois Deus não exige que eu tenha em mim todas as capacidades dos grandes santos da Igreja. Deus quer apenas que eu cumpra, por verdadeiro amor a Ele, a parte de minhas obrigações; esse é o tudo que tenho de fazer.

– Por sua resposta, você tem pensado nesse assunto. Eu queria ouvir mais a respeito de sua parte das obrigações que você tem diante de Deus.

– Vô! O senhor sabe, melhor do que eu, que todas as pessoas que Deus criou têm obrigações diante Dele; mas já que a intenção do senhor é começar uma conversa religiosa em família, falarei.
Vô, vó, pai, mãe, meus irmãos e amigos… desde cedo eu pensei sobre as minhas responsabilidades para com Deus, pois no dia da minha morte eu serei julgado por meus pensamentos, atos e omissões. 
Já me atormentei no passado, porque, quando lia a vida dos santos, eu queria ser igual, fazer tudo igual a eles.

Quando li a vida de São Francisco de Assis, de Santo Antônio de Pádua, acusei-me de não conseguir viver como eles. Mesmo querendo, eu começava e rapidinho caia de meus propósitos. Quando li a vida de Santo Agostinho, culpei-me de não conseguir ter a sabedoria e a santidade dele, e assim, a cada santo cuja vida eu ia conhecendo, eu tinha medo de ir para o inferno por não ser igualzinho a eles.
Foi então que, um dia, Deus, em sua misericórdia, vendo minha ingenuidade, fez-me compreender que cada pessoa é única e irrepetível; que devemos querer ser o que Ele quer que sejamos, não o que queremos ser a nosso modo. Entendi que minhas boas intenções e ações podem me atormentar se elas não forem as intenções e vontades de Deus.
Não sou eu que dou a mim mesmo a tranquilidade interior e a felicidade, vivendo do meu jeito; é Deus que me faz feliz, se eu viver como Ele quer; pois Ele tudo sabe e eu nada sei.
Quando eu disse tudo, vô, referi-me ao tudo de Deus, não ao que nós, humanamente, entendemos por tudo; pois o essencial para o homem é o tudo que Deus é, não o tudo que o homem quer.

– Verdade, meu neto. O tudo de Deus é o essencial. O homem quer muitas coisas não essenciais. Muitos não obtêm o essencial, à disposição de todos na Pessoa de Deus, por estarem, sem perceber, focando a constituição de coisas não essenciais. Deus abençoe você, meu neto. Deus abençoe a todos nós.

– Amém! Amém! – Dizem todos. Alguns, já pegando o celular de volta, quando o avô diz:

– A conversa está inútil, útil, boa ou ruim?

– Muito boa, vô. Respondem.

– Se está boa, se o assunto faz bem às nossas almas, falamos mais um pouco?

– Pai, essa conversa é muito necessária, eu gostaria que continuássemos.

– Pois então continue você, meu filho! Dos assuntos de Deus, o que tem passado por sua cabeça esses dias?

– Tenho pensado que a humanidade tem dado pouca atenção aos avisos de Deus. Deus é muito bom, só nos faz o bem, mas recebe muita indiferença e ingratidão da humanidade. No seu grande amor, vendo a humanidade caminhando para sua destruição, querendo evitar que ela se autodestrua, nosso Criador avisa de diversas formas que, se as pessoas continuarem vivendo rumo à destruição, elas se destruirão.

Em um dos avisos, Deus disse que vai castigar o mundo, e vai castigá-lo fortemente. Esse aviso foi dado à Irmã Lúcia, porque, segundo ela, Deus lhe disse que ninguém faz caso do que Ele diz; ninguém pensa no que Ele avisou e está avisando.

Irmã Lúcia disse ao Padre Fuentes que “a Santíssima Virgem está muito triste por ninguém fazer caso da Sua Mensagem, nem os bons, nem os maus: os bons, porque continuam no seu caminho de bondade, mas sem fazer caso desta Mensagem; os maus, porque, não vendo que o castigo de Deus já paira sobre eles por causa dos seus pecados, continuam também no seu caminho de maldade, sem fazer caso desta Mensagem.”* Sendo assim, “Deus vai castigar o mundo, e vai castigá-lo de uma maneira tremenda. O castigo do Céu está iminente.”*

Eu estive e estou pensando sobre a Rússia, que vai ser o flagelo de Deus no mundo. A meu ver, é importante tentar entender que Nossa Senhora não diz que a Rússia vai ser o flagelo do mundo. Nossa Senhora diz que a Rússia será o flagelo de Deus, será o instrumento de castigo do Céu para o mundo todo.

Se a Rússia vai ser o flagelo de Deus, por causa dos pecados da humanidade, então a humanidade e cada homem nada podem fazer para deter a Rússia. A única coisa que pode parar a Rússia é a oração, o jejum e a conversão. Fora isso, tudo mais é impotente.

Muitos católicos e não católicos estão empenhados em denunciar a corrupção dos governantes através das redes sociais e fazer passeatas de rua com milhares de pessoas. Isso é bom, mas não é o suficiente, não existe eficácia para a vitória apenas nesses atos. Fazer só isso é nadar no seco, é se ocupar com a perda de tempo.

Informações; esclarecimento para o povo do mal que é o socialismo comunismo, do que esse movimento fez, e do que faz quando assume o poder, é bom e necessário; mas totalmente ineficaz para a luta preternatural contra o Dragão Vermelho citado no Livro do Apocalipse, que é Satanás.

O conhecimento e transmissão do que é o marxismo é informação necessária, não pode faltar, mas é mera informação humana, sem nenhum poder espiritual. O conhecimento humano é uma arma boa e necessária para as coisas humanas; a ciência do médico é útil aos doentes físicos, mas de nada serve contra as forças dos demônios. Por quê? “Porque, ainda que vivamos na carne, não militamos segundo a carne. Não são carnais as armas com que lutamos. São poderosas, em Deus, capazes de arrasar fortificações”. (2Cor 10,4) As fortificações às quais São Paulo se refere, são as fortificações espirituais dos demônios agindo na terra contra a Igreja, contra a humanidade.

SE QUEREMOS VENCER, TEMOS DE TER A ARMA CERTA

A arma contra os demônios é Jesus. Jesus é a Luz que resplandece nas trevas; mas quem está em trevas não vê essa luz, se das trevas não quiser sair. O que fazer? “Vistamo-nos das armas da luz” (Rm 13,12) “pela palavra da verdade, pelo poder de Deus; pelas armas da justiça ofensivas e defensivas”. (2Cor 6,7) As armas da justiça para as lutas ofensivas e defensivas contra Satanás e seus demônios, contra o mundo, contra nossos próprios pecados, são: o amor a Deus e ao próximo, a fé em Jesus Cristo, a oração, o jejum, os sacrifícios, a leitura da Palavra de Deus e os Sacramentos.

Pai, e vocês aqui que me ouvem, eu fico pensando que se não rezarmos muitos Rosários, como Nossa Senhora pede, Satanás continuará avançando dentro da Igreja; no mundo irá cada vez mais dominando países inteiros e ganhando almas para ele. Se ele dominar os governantes da maioria dos povos, pelo que Nossa Senhora disse, haverá muitas revoluções sociais e a terceira guerra mundial; muitas nações desaparecerão da face da terra. Quanto a esse perigo, Nossa Senhora dá a entender que dentro de nossos compromissos oracionais, se a reza do Rosário for pouca, se não for suficiente para conseguirmos converter a Rússia, então esse país fará a desgraça na terra.

– Meu filho, eu concordo com você. Meu pai, seu avô; bisavô de vocês, meus netos, me contava o que Nossa Senhora falou quando apareceu em Fátima, Portugal.

– Pai! Tudo o que o senhor escutou do vô, agora já está bem adiantado, pois antes de morrer, Irmã Lúcia disse que Satanás estava travando a batalha decisiva contra a Santíssima Virgem.

– Interessante, meu filho! Você diz que a Virgem Santíssima está travando a batalha decisiva. Quer dizer, não é mais uma das batalhas, como tem havido durante gerações; agora é a batalha decisiva, a batalha que levará a termo essa guerra de Satanás contra a Santíssima Virgem.

– Pai, Irmã Lúcia falou que Nossa Senhora tinha lhe dito que, por ser a batalha final, Satanás está atacando frontalmente a Igreja que nosso Senhor Jesus Cristo fundou em São Pedro. Disse que para ganhar mais almas no pouco tempo que lhe resta, Satanás está atacando os Bispos e os Padres. Ele sabe que, com maus padres; ou com padres bons, mas ignorantes sobre as profecias dos fins dos tempos; ou com padres tolos; ou com poucos padres no mundo; ele pode levar à perdição um grande número de almas. Por isso, a Santíssima Virgem pede que rezemos muitos Rosários. O Santo Rosário, rezado todos os dias, tem poder para deter Satanás e seus demônios.

Dentro da Igreja, usando os que lhe servem conscientemente, por serem maus ou cegos orgulhosos; e usando inconscientemente os que são tolos; Satanás está fazendo de tudo para burocratizar a ordenação de mais padres. Enquanto isso, enviou seus demônios pelo mundo para tentar impedir que os homens queiram ser sacerdotes.

Satanás sabe que um só padre é o homem mais poderoso da terra. Um tempo atrás me falaram que Donald Trump, que é protestante, quando era o presidente dos Estados Unidos, foi aclamado por americanos que diziam que ele, por ser presidente dos EUA, era o homem mais poderoso do mundo. Neste momento, Trump vê um padre católico e diz: “Um homem com batina! Ele tem mais poder que eu!” (tem mais poder que o presidente dos EUA). Me contaram essa história. Estou repetindo! Estou vendendo o peixe no mesmo valor que comprei.

São João Crisóstomo diz que “O homem mais poderoso é o que reza, porque se faz participante do poder de Deus.”* Então, eu penso: Que grande poder tem o homem que reza e que é o único na face da terra que dá o Corpo e o Sangue de Cristo aos homens como alimento de vida eterna? Minha resposta a mim mesmo é: não há outro homem com tal poder na terra, a não ser um sacerdote da Igreja que Jesus Cristo fundou em Pedro.

O Santo Cura d’Ars dizia:

“Se eu me encontrasse com um Sacerdote e com um Anjo, saudaria primeiro o Sacerdote e depois o Anjo… Se não tivéssemos o Sacerdote, de nada nos valeria a Paixão e a Morte de Jesus… Para que serviria um escrínio cheio de jóias de ouro, se não houvesse alguém para abri-lo? O Sacerdote é quem tem a chave dos tesouros celestes.”*

“(…)Quem é que faz Jesus descer nas cândidas hóstias? Quem é que coloca Jesus em nossos sacrários? Quem é que dá Jesus às nossas almas? Quem é que purifica os nossos corações, para que possamos receber Jesus?… O Sacerdote, só o Sacerdote. Ele é o ‘Ministro do Tabernáculo’ (Heb 13,10), é o ‘Ministro da Reconciliação’ (2Cor 5,18), é o ‘Ministro de Jesus para os irmãos’ (1Tim 4,6), é o ‘Dispensador dos mistérios Divinos’ (1Cor 4,1). E, quantos episódios não poderiam ser narrados de Sacerdotes heróis  sacrificando-se a si mesmos para dar Jesus aos irmãos!”*

Cabe aos sacerdotes, mas não somente a eles; é obrigação de todos nós, leigos, orarmos pelos bispos e padres, pois um padre santo leva muitas almas para o Céu, assim como um mau padre leva muitas almas para o inferno.

São Pio de Pietrelcina disse: “O Sacerdote, ou é um santo, ou é um demônio.”* Ou santifica, ou arruína. E que desastre incalculável provoca o Sacerdote que profana a sua vocação com um comportamento indigno, ou que a calca aos pés de uma vez, ao negar o seu estado de consagrado e eleito do Senhor? (Jo 15,16)

Um Padre, ao Paraíso ou ao inferno nunca vai sozinho: vão sempre com ele almas em grande número, ou salvas pelo seu santo ministério e com o seu bom exemplo, ou perdidas pela sua negligência no cumprimento dos próprios deveres e por seus maus exemplos.”*

(São João Bosco)

– Então, meu filho, nós, leigos, devemos escolher o sacerdote para ouvir, pois se ele for mau sacerdote, pode nos levar à perdição com ele, mas se ele for um sacerdote temente a Deus, santo em seu comportamento e palavras, pode nos levar ao Céu.

– Sim, pai. Devemos escolher um santo sacerdote para ouvir, e orar pela conversão, santificação dos que estão perdidos, sem julgá-los e condená-los. Ao invés de criticar os que vivem mal, agradaremos mais a Deus se oferecermos orações, jejuns e sacrifícios por eles; pois o inimigo deles e nosso é Satanás.

– Meu filho, é o tentador que está atacando os sacerdotes e os leigos, causando o esfriamento na fé, na oração, no amor a Deus e ao próximo, na bondade, no respeito a Jesus durante a celebração da Santa Missa; e tudo o que vemos de ruim que está acontecendo na Igreja e no mundo, é por causa do ataque do Príncipe das Trevas. Realmente nossos inimigos não são os homens de carne, são os demônios.

– Sim, pai, é. Satanás está formando seu exército de homens-demônios na terra para o servirem na Igreja e nos países, até que sejam raros os bispos, padres e governantes políticos tementes a Deus.

– Meu filho! Tem uma coisa que meu pai falava a mim e a meus irmãos, que nunca consegui esquecer.

– Eu sei o que é, pai.

– Você sabe?

– Sei. Cresci ouvindo o senhor falando do que não esquecia. O senhor quer dizer mais uma vez ou eu digo.

Os netos riem e um deles, de 17 anos, diz:

– Vô! Nós já sabemos o que é. O papai vive dizendo para nós que o senhor dizia para ele que não conseguia esquecer do modo como Nossa Senhora falava para os três pastorinhos de Fátima.

– Já que você sabe, meu neto, conte para todos nós.

– Vô! Todo mundo aqui já sabe. O papai vez ou outra repete.

– Não tem problema você dizer mais uma vez, eu quero ouvir, pois já sendo velho, ainda hoje medito sobre o modo como Nossa Senhora se apresentava às três crianças de Fátima.

– Vô! Tal pai, tal filho! O senhor repetia para o papai, o pai repete para nós. Quando eu casar e minha mulher tiver nossos filhos, vou levar essa tradição familiar católica em frente, contando a mesma história:

Quando Nossa Senhora aparecia aos três pastorinhos, que eram crianças de 7, 9 e 10 anos, ela sempre aparecia triste, muito triste, não sorria. Era uma tristeza tão angustiante que penetrou nas almas de Francisco, Lúcia e Jacinta. Quem afirmou que Nossa Senhora aparecia com muita tristeza foi Lúcia. Lúcia disse que essa tristeza era provocada pelas ofensas contra Deus e pelos castigos que tais pecados trazem para a humanidade. Que a tristeza de Nossa Senhora dentro do coração deles os fez rezar mais e fazer sacrifícios.

Lúcia disse que, quando Nossa Senhora deu a eles a visão do inferno, tiveram um medo muito grande. Que o medo se somou à tristeza que estava dentro deles, que vinha do coração de Nossa Senhora. E que esse medo e tristeza os fazia rezar mais e se sacrificar pela salvação dos pecadores, para ver se alegravam o coração de Nossa Senhora e de Jesus.

Foi a expressão triste, séria de Nossa Senhora e, depois, a visão das almas caindo no inferno que fizeram crianças de 7, 9 e 10 anos compreenderem que a missão principal delas não era avisar sobre os castigos materiais, e sim reparar os pecados da humanidade com orações e sacrifícios, e avisar sobre o perigo iminente em que as almas estão, de se condenarem ao inferno por toda a eternidade.

Não foram palavras adocicadas, cheias de respeito humano e adulação, que fizeram as crianças compreenderem o que é condenação ao inferno e o que é salvação em Jesus Cristo.

Vô! Quando o papai nos conta essa história, ele sempre faz uma pergunta: por que a aparência triste e preocupada de Nossa Senhora e a visão do inferno conseguiram fazer três crianças amadurecerem muito rápido espiritualmente, e se encherem de desejo de reparar os pecados pessoais e da humanidade, orar, jejuar e se sacrificar para salvar as almas, e assim agradar a Jesus e Maria?

– Meu filho, seu vô, meu pai, me fazia essa pergunta, e eu a faço a vocês. Pai! Diga para meus filhos, seus netos, e mais uma vez para mim, o que o senhor dizia sobre o que é urgente.

– Me alegro em ver que você não se cansa de escutar seu velho pai. Queridos netos e todos os presentes! Deus ainda está tendo paciência, mas Ele não esperará para sempre, por isso, a conversão do mundo e a conversão pessoal é algo urgente. As pessoas não devem esperar que as autoridades da Igreja ou o padre da nossa paróquia nos peçam oração, jejum e sacrifício. Cada um de nós deve ter a própria iniciativa por amor a Deus.

É urgente que, por amor a Deus, cada pessoa comece a pensar com mais seriedade sobre sua salvação; que comece a reformular sua vida; que queira se salvar e salvar todas as almas que Deus colocar em contato, e salvar todas as almas do mundo.

Todas as pessoas devem procurar entender o que é o inferno, quem são os demônios e o que eles são capazes de fazer. Se não fosse assim, a Palavra de Deus não citaria a palavra inferno 54 vezes; nem Nossa Senhora teria dado a visão do que é o inferno, dos demônios e das almas condenadas que sofrem junto com os demônios dentro dele, para os três Pastorinhos de Fátima.

– Vô! Eu concordo 100% com o senhor. Em uma guerra, só quem não quer saber quem é o inimigo, sua força e o que ele é capaz de fazer é quem é tolo, quem não se incomoda em ser derrotado. Na vida, devemos pensar sobre o que é o bem na pessoa de Deus e o mal na pessoa do Diabo; pois, assim como na terra, pessoas boas pensam, planejam e executam com saudável prazer o bem; assim, pessoas más pensam, planejam e executam com doentia perversidade e frieza o mal, pois já não são mais elas vivendo, e sim o demônio vivendo nelas. Se seres humanos, muito limitados em suas ações, podem fazer muito bem ou muito mal; mais capaz do que o ser humano de fazer o bem é Deus, e mais capaz de fazer o mal é o Príncipe das Trevas.

Precisamos saber não somente que o demônio pode nos distrair e roubar de nós o entendimento espiritual dos assuntos de Deus, mas como ele faz isso e quais suas táticas. O tentador sabe como roubar nosso tempo de oração, entretendo-nos com coisas que gostamos de fazer, que não são coisas erradas. Ele sabe mexer e jogar com a psicologia humana. Ele não pode conhecer nossos pensamentos; Deus não lhe permite acesso à nossa privacidade interior; mas ele pode deduzir, observando o comportamento, e assim, sabe como plantar verde para colher maduro.

Não precisamos viver com medo do Demônio. São Pio diz que ele “é um cachorro que só morde quem se aproxima dele”. Mas quem se aproxima dele? Há pessoas que se aproximam dele procurando fazer pacto para ter prosperidade material na vida; outros, por lerem livros, revistas, ou verem fotos, filmes, vídeos, produzidos por satanistas; outros, por propagarem coisas contrárias aos Mandamentos de Deus como sendo coisas naturais e boas; e há outros que se aproximam dele porque se afastam demais de Deus.

O afastamento de Deus começa com o processo da pequena diminuição da fé. Se permitirmos que nossa fé comece a diminuir, podemos entrar no processo da bola de neve. No topo da montanha, a bolinha de neve que começa a rolar montanha abaixo, vai aumentando de tamanho, porque vai pegando mais neve; vai ficando sempre maior; poderá se tornar uma avalanche, destruindo o que encontra pela frente e matando vidas ao cair sobre a cidade do vale lá embaixo.

Perder a fé é algo culpavelmente grave, tão grave que Deus diz: “Meu justo viverá da fé. Porém, se ele desfalecer, meu coração já não se agradará dele”. (Hb 10, 38)

Vô! Pai e mãe! Quero agradecer a vocês por mim, por meus irmãos, e no nome de todos nós aqui hoje na casa do vô, por terem sido nossos primeiros evangelizadores; por serem instrumentos de fé em Deus e nos fazerem ter essa fé que nos leva a Deus. Obrigado por nos terem levado a Jesus e Maria desde a nossa infância.

Se eu não estiver falando demais, tomando a frente de vocês, eu ainda gostaria de falar sobre nossa fé ser muito preciosa. Posso falar?

PRECIOSIDADE DA FÉ

Todos respondem que sim, e o rapaz diz:

– Pois é, ainda bem que vocês concordaram, pois eu iria falar de qualquer jeito.

Todos riem e ele diz:

– Antes de falar, deixem eu contar o que aconteceu ontem após a brincadeira de disputa de obstáculos das crianças, que nós assistimos na torcida. Uma das crianças, moradoras aqui da fazenda, disse para as outras crianças:

– Agora, vamos brincar de sete pecados.

Minha sobrinha de 6 anos respondeu:

– Não vou! Não gosto de pecado.

A outra criança mais velha disse:

– Não é pecado de verdade, é uma brincadeira.

A resposta foi:

– Não gosto de pecado, nem de brincadeira.

Todos riem e ele diz:

– Vô! É verdade, aconteceu ontem. Eu não presenciei, quem me contou foi a tia dela, sua neta. A criança é sua bisneta. Sua bisneta já tem temor de Deus, consequência da evangelização que o senhor e a vó fizeram com o papai. O pai fez com seus netos que, casando, evangelizaram os seus bisnetos. Por amor a Deus, quando um dia forem adultos e casarem, eles evangelizarão os seus tataranetos. Se o senhor não tivesse evangelizado seus filhos, hoje nós nem estaríamos aqui em sua casa. Seríamos uma família de pessoas sem o conhecimento de Deus.

– Me alegro muito em saber disso. Deus seja louvado. Nossa Senhora, São José e São Miguel intercedam por nós sem cessar. Mas você ia falar sobre a preciosidade de nossa fé. Eu quero ouvir. Estamos atentos, pode falar.

– Obrigado, vô! Quero partilhar uma alegria forte que tive lendo a Palavra de Deus. Todos sabemos que nossa fé é preciosa, porque ela nos une a Deus. Sem ela não nos salvaremos; com ela somos salvos.
Hoje, lendo a Bíblia lá na capela, fiquei emocionado, e ao mesmo tempo muito sério, pois a responsabilidade de termos recebido de Deus a fé é um encargo muito grande.

O Apóstolo São Pedro, o primeiro Papa da Igreja que Jesus fundou, um homem superior a nós por seu chamado e missão, diz que Deus deu a todos os que creem em Jesus Cristo uma fé semelhante à fé dos Apóstolos.

Quando eu ia lendo, pensando nestas palavras do Espírito Santo por meio de São Pedro, senti o quanto Deus nos ama e nos quer comprometidos com Ele. Se Deus nos quer comprometidos com Ele, é porque Ele nos quer perto Dele. Nos quer perto para estarmos relacionados com Ele. Mas não relacionados como artigos de coisas que se conectam. Estar relacionado com Deus é estar comprometido por mútua promessa. Deus, que prometeu nos amar; e nós, que prometemos amá-Lo.

Essa promessa mútua faz os que se comprometeram se sentirem obrigados a serem fiéis ao comprometimento que contraíram. Os dois fizeram um pacto que não pode ser quebrado, pois quem quebra um pacto de amor se desonra a si mesmo. Quem entrou em compromisso com Deus, não fez um acordo com um inimigo para não guerrearem, para terem paz entre si; não assinou uma cláusula social de negócios. Quem entrou em compromisso com Deus, entregou, deu sua vida a Deus, para viver de modo que não viva mais, e assim seja Jesus Cristo vivendo nele.

São Pedro ora para que nos sejam dadas, em abundância, a graça e a paz; dizendo que o caminho para a graça e a paz permanecerem nós é pelo conhecimento; mas não o conhecimento humano, e sim o conhecimento de Deus e de Jesus Cristo. Nosso primeiro Papa deseja que tenhamos não meramente uma noção, uma informação, uma ideia de Deus, mas uma experiência viva, real, concreta; um conhecimento de pessoas íntimas, que se amam, se respeitam, se sentem felizes, livres, muito à vontade em seus diálogos, que tudo o que mais querem e gostam é estar um com o outro.

São Pedro afirma que o poder divino nos deu tudo o que contribui para nos fazer conhecer a Deus. Que, pela glória de Deus, temos o direito de entrar nas mais preciosas promessas; e, entrando, adquirimos o direito de participar da natureza divina; de sermos participantes da natureza divina! Isso é grandioso. Para alcançarmos essa participação na vida de Deus, São Pedro nos mostra o caminho, dizendo que devemos lutar contra os apetites sensuais, os desejos imoderados da sensualidade que existem no mundo.

Vou dizer para vocês como pensei hoje sobre as palavras de São Pedro, depois digo qual o livro e o capítulo.

Para conseguirmos vencer o sensualismo que está no mundo inteiro, dentro e fora de nós, é necessário, diz São Pedro:

  • O esforço para unir a fé à disposição espiritual para fazer o que é certo e evitar fazer o errado.
  • Unir a virtude ao conhecimento de Deus.
  • Unir o conhecimento de Deus ao hábito de moderar as paixões e desejos que se opunham à moderação.
  • Unir a temperança à capacidade de manter-se na fé, em paz diante das contrariedades.
  • Unir a paciência à fé de que temos uma religião trazida por Jesus Cristo para nos a ela submetermos.
  • Unir a piedade à observação do segundo Mandamento.
  • Unir o amor fraterno à manifestação da bondade.

Após dizer quais virtudes devemos unir a outras, São Pedro diz algo muito sério, pois diz que: se estas virtudes se encontram em nós, daremos bons frutos; mas se elas não se encontram em nós, então somos cegos que não veem a importância de reparar os próprios pecados; somos pessoas que não estão interessadas em assegurar a vocação e eleição que Deus nos deu, e por isso vivemos tropeçando. Por esse comportamento, fechamos para nós mesmos as portas do Reino de Deus abertas por Jesus Cristo.

Tirei essa meditação de 2 Pd 1, 1-11. Vou ler para vocês como está escrito na Bíblia.

“1. Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, àqueles que, pela justiça do nosso Deus e do Salvador Jesus Cristo, alcançaram por partilha uma fé tão preciosa como a nossa,
2. graça e paz vos sejam dadas em abundância por um profundo conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor!
3. O poder divino deu-nos tudo o que contribui para a vida e a piedade, fazendo-nos conhecer aquele que nos chamou por sua glória e sua virtude.
4. Por elas, temos entrado na posse das maiores e mais preciosas promessas, a fim de tornar-vos por este meio participantes da natureza divina, subtraindo-vos à corrupção que a concupiscência gerou no mundo.
5. Por estes motivos, esforçai-vos quanto possível por unir à vossa fé a virtude, à virtude a ciência,
6. à ciência a temperança, à temperança a paciência, à paciência a piedade,
7. à piedade o amor fraterno, e ao amor fraterno a caridade.
8. Se estas virtudes se acharem em vós abundantemente, elas não vos deixarão inativos nem infrutuosos no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.
9. Porque quem não tiver estas coisas é míope, cego: esqueceu-se da purificação dos seus antigos pecados.
10. Portanto, irmãos, cuidai cada vez mais em assegurar a vossa vocação e eleição. Procedendo deste modo, não tropeçareis jamais.
11. Assim vos será aberta largamente a entrada no Reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.”

(II Pd 1, 1-11)

Deus seja louvado! Obrigado por terem me ouvido. Já que todos aqui são mais experientes na fé do que eu, vou ficar calado escutando quem for falar.

Outro neto, de 23 anos, se levanta e fala:

– Boa noite, vô, vó, pai, mãe, irmãos, crianças e todos os presentes! Terminando a fala de meu irmão, me veio mais uma vez à memória a importância de, em oração, pensarmos mais sobre a batalha definitiva que está sendo travada no mundo físico e espiritual entre dois exércitos: o de Nossa Senhora contra o exército de Satã.

Se é uma batalha final entre os dois exércitos, então haverá um exército vencedor. O exército vencedor será o de Nossa Senhora, pois será o Triunfo de seu Imaculado Coração. O exército de Satã será derrotado, totalmente destruído. Seu tempo de reinar na terra terá terminado. Se iniciará na terra o Reinado do Coração da Santíssima Virgem Maria.

Não esqueçamos que Nossa Senhora revelou que nestes tempos ela está arregimentando mais soldados humanos para se unirem aos seus Santos Anjos no seu exército, e que seu inimigo está arregimentando mais soldados humanos para se juntarem aos demônios dele.

Se sabemos dessa arregimentação, que pessoas estão entrando no exército de Nossa Senhora e outras entram no exército de Lúcifer, é bom que eu me pergunte, é bom que cada pessoa se pergunte de que lado vai ficar, em que exército vai entrar; de que lado já está, em que exército entrou. Estarei eu no exército vencedor de Nossa Senhora ou no derrotado de Satanás? (Satanás, Lúcifer, Satã, Demo são os mesmos demônios)

AGORA É O TEMPO

Chegamos ao tempo da escolha e decisão: ou se entra agora no exército de Nossa Senhora ou se será levado pelos demônios para o de Satanás. Quem está indeciso, esperando e esperando não sabe o que, será levado para o lado do Diabo. Chegamos ao tempo de não ter mais tempo, ao tempo de não haver outra escolha, não existe essa possibilidade.

O pecado avançou demais, o cálice começou a transbordar. Por isso, para este fim de tempo demoníaco, Deus deu ao mundo apenas três remédios: a reza do Santo Rosário, a devoção ao Imaculado Coração de Maria e os sacrifícios. Como o tempo chegou ao fim, não haverá outra tábua de salvação, pois acabou o tempo, só está faltando o Anjo tocar a trombeta, indicando o fim da guerra com a prisão no inferno do perdedor e de todo o seu exército.

Quanto tempo falta para o Anjo tocar a trombeta determinando o vencedor? Esse tempo não é determinado pelas horas do relógio, e sim pela misericórdia e sabedoria de Deus, o Criador, Senhor e administrador do tempo.

Agora é hora de nós, católicos, nos mantermos vigilantes para não esfriarmos ou perdermos a fé. Pensando assim, nesse momento, me preocupei com a salvação de uma pessoa que conheci. Ela abandonou o catolicismo para casar com um homem de uma religião que rejeita a intercessão de Nossa Senhora, dos Santos e dos Anjos; que diz que a Mãe de Jesus não é a Mãe de Deus, que Maria é mulher igual às outras; que não crê na Eucaristia.

Meu Deus! Se Deus deu como único barco de salvação, no mar de pecado deste mundo, o Rosário (que ela não reza mais) e Maria Santíssima (para com quem ela agora é indiferente), o que será dela? Tremendo de um sentimento de preocupação, eu me pergunto! Da forma que está agindo, como essa mulher se salvará? Ela tinha consigo o remédio dado por Deus, mas rejeitou livremente.

Outro dia, ela me escreveu dizendo que estava muito feliz, que tinha se entregado a Jesus, que Jesus estava abençoando muito a vida deles, inclusive estavam prosperando muito nos negócios. Disse que quanto mais davam, mais recebiam; que todos os que congregavam na igreja dela, prosperavam, conseguiam pagar as dívidas, comprar o que não conseguiam comprar antes, tinham saúde. No final da mensagem, tinha uma passagem bíblica falando contra os idólatras.

Eu respondi falando da profecia de São Pedro sobre o que iria acontecer dentro da Igreja Católica, da qual Pedro era sucessor de Jesus: “Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão, deste modo, a causa de o caminho da verdade ser caluniado. Movidos por cobiça, eles vos hão de explorar por palavras cheias de astúcia. Há muito tempo a condenação os ameaça, e a sua ruína não dorme.” (2Pe 2, 1-3)

Falei sobre o pecado da apostasia, que é o pecado de abandonar a verdadeira fé. Falei para ela perguntar a Deus se tinha feito certo em sair da Igreja que Jesus tinha fundado em Pedro. Aconselhei a ficar rezando o Rosário. Lembrei que Nossa Senhora foi dada por Deus como meio de salvação para estes tempos finais, e que não há outro meio.

Ela me respondeu dizendo que só Jesus salva; que tem de confiar em Deus, não na deusa dos católicos. Me perguntou como é que eu era capaz de deixar de acreditar em Deus para acreditar em Maria. Eu lhe respondi que acreditava em Deus. Acreditava que Deus tinha nos dado Maria como meio de salvação. Ela me respondeu dizendo que mulher não salva, quem salva é Jesus.

Eu lhe disse que madeira salva. Ela respondeu dizendo que não tinha entendido eu ter dito que madeira salva. Eu respondi dizendo que no tempo de Noé, Deus escolheu um homem e um barco de madeira para salvar quem deveria ser salvo. Se Deus escolheu o homem Noé e seu barco, porque Deus não poderia escolher o Rosário e o Coração de sua Mãe para ser meio de salvação dos que querem se salvar nestes fins de tempos?

Disse a ela que no tempo de Noé, Deus tinha esgotado todos os recursos de salvação, por último deu a pregação de Noé, que pregou 120 anos. Não sendo aceito nem acreditado, não tendo mais Deus como perdoar, no tempo certo o dilúvio veio e matou a todos. Nestes tempos é a mesma coisa. Deus esgotou seus recursos. Não tendo mais como perdoar e dar mais tempo, sua última tentativa para salvar a humanidade é a oração do Rosário, o refúgio do Coração de Maria e os sacrifícios. Quem crer, se salvará. Quem não crer, se condenará por recusar livre e conscientemente o aviso de Deus.

Rejeitar abertamente, com pleno conhecimento e consentimento do ato, o meio de salvação que lhe é oferecido, se torna mais do que um pecado mortal, pois é um pecado contra o Espírito Santo. Pedi mais uma vez que ela continuasse rezando o Rosário.

Disse que, por causa dos tempos finais e para a salvação de muitas almas, Nossa Senhora falou a Irmã Lúcia que tinha dado um novo poder, nova eficácia ao Rosário, “de modo que não há problema temporal ou espiritual, por mais difícil que seja, na vida pessoal de cada um de nós, das nossas famílias, das famílias do mundo ou das comunidades religiosas, ou mesmo da vida dos povos e nações, que não possa ser resolvido pelo Rosário. Não há problema, afirmo-lhe, por mais difícil que seja, que não possamos resolver rezando o Rosário. Com o Rosário, salvar-nos-emos. Santificar-nos-emos. Consolaremos a Nosso Senhor e obteremos a salvação de muitas almas.”*

Quando você era católica, você era muito devota de Nossa Senhora. Por isso, penso que ela dará um jeito de salvar você. Ela disse que no catolicismo era idólatra, mas agora estava salva em Jesus. Que Maria estava dormindo no Céu com os que morreram. Eu rezei um pouco por ela e respondi que a devoção ao Imaculado Coração de Maria “consiste em considerá-la como fonte de misericórdia, de bondade e de perdão, e como a porta segura pela qual entraremos no Céu.”* (Irmã Lúcia) Encerrei minha fala. Deus seja louvado.

– Você fez bem em falar a verdade para essa senhora. Se ela ama a verdade, conhecerá a verdade e a verdade a libertará, mas se ela não ama a verdade, não faz por onde conhecer a verdade, ficará prisioneira da mentira. Se a fé dela em Jesus Cristo for pura, verdadeira, o próprio Jesus que a todos quer salvar, agirá para o bem dela. Acredito que todos nós que ouvimos essa história, somos convidados por Deus para orarmos pedindo perdão, misericórdia e salvação para os católicos que pecam por apostasia.

Querida família, a conversa está muito boa, mas queria propor irmos todos dormir, pois já são mais de meia noite. Vejo alguns de vocês já cochilando.

Nesse momento, todos se levantam, mas antes de se dirigirem a seus quartos, todos vão pedir a bênção. Só escutamos pedidos de bênçãos, todos falando ao mesmo tempo, dirigindo-se aos seus progenitores e a quem mais devem pedir a bênção: 

A bênção, vô! A bênção, vó! A bênção, pai! A bênção, mãe! A bênção, tio! A bênção, tia!

A bênção, vô! A bênção, vó! A bênção, pai! A bênção, mãe! A bênção, tio! A bênção, tia! A bênção, vô! A bênção, vó! A bênção, pai! A bênção, mãe! A bênção, tio! A bênção, tia!

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos a todos.
J.V.

Nota:
*Frère Michel de la Sainte Trinité no Volume III, Toute la Vérité sur Fatima (Toda a verdade sobre Fátima).
** Livro: “Jesus nosso amor Eucarístico.”

13 comentários

  1. Bendito seja Deus.É uma imensa alegria fazer parte da igreja de Jesus fundada em Pedro e ter nossa amada mãe como meio certo e seguro de salvação.Jesus nosso senhor e salvador nos ama e por isso nós deu sua mãe amada para nos conduzir a ele e nos assegurar a salvação.

    “Por fim meu imaculado coração triunfará.”

  2. Bendito Seja Deus, por nossa igreja católica, pois temos Maria Santíssima como nossa mãe, Maria q nos defende do maligno. Nossa mãe Maria caminho de Salvação!!! Senhor Jesus muito obrigada e nos faz ser fiel até chegar ao céu.

  3. Lembrei tanto de minha mãezinha Pedrina já falecida quando nos levava ainda criança a noite pra escutar meu avô falar sobre as coisas de Deus nossa fiz uma viagem a minha infância junto a minha família.Que Deus continue me dando forças e sabedoria pra levar minha família para o céu 🙏 Deus seja louvado para todo sempre amém 🙏🙏🙏

  4. Com certeza já escolhi em que exército lutar! O de Nossa Senhora!! Peço a mãezinha do céu que rogue sempre por mim, para que eu seja fiel à escolha que fiz.
    Que nosso coração se encha da alegria e da felicidade do céu. Logo logo estaremos com nossa Mãe, vincendo o triunfo de seu Imaculado Coração!!!

    1. Me chamou muito a atenção pois é bemverdade que satanás quer nós cegar ,colocando dispesoes para nós tirar de uma vida de mais oração e nós confiando mais ainda a nossa mãe Maria santíssima rezando o Santo Rosário

  5. Passei anos sem a devoção de rezar o santo terço tds os dias e hj por graça de Frud7e da minha vocação eu consigo rezar o santo Rosário tds os dias.
    Louvado seja Deud

  6. Só uma mãe que nunca desiste do filho é maria santissima.Ela salvará todos aqueles que pensar pelo menos no seu amor de mãe. Salve Maria!viva Jesus!!

  7. No trecho:
    “Se é uma batalha final entre os dois exércitos, então haverá um exército vencedor. O exército vencedor será o de Nossa Senhora, pois será o Triunfo de seu Imaculado Coração.”

    Senti uma grande esperança. Não desanimemos diante da batalha pois ela já garante a vitória dos que tiverem do lado de Nossa Senhora. Acho que essa é a única batalha que já sabemos o vencedor, então que Deus em sua infinita misericórdia nos faça fazer parte desse exército final que verá o triunfo do Imaculado Coração de Maria!

Escreva seu comentário