COMO FOI SUA SEMANA SANTA?

VOCAÇÃO DE JESUS!
Deus seja amado com todas as forças de nosso coração e de nossa alma.

18/04/2022

  • Foi semana de preencher o coração de gratidão a Jesus por Ele se deixar matar para nos salvar, ou semana de preencher o coração das alegrias do mundo?
  • Foi Semana Santa ou semana de pecado?
  • Foi semana de se lembrar de Deus ou de se esquecer de Deus?
  • Foi semana de adquirir méritos para chegar ao Céu, ou semana de acumular erros e pecados?
  • Foi Semana de recolhimento de Graças de Deus, ou semana de recolhimento de desgraças que o mundo oferece com suas ilusões?
  • Foi semana de se preencher das verdades eternas de Deus, ou das mentiras de Satanás?

VERDADES E IMAGINAÇÃO

Você vai encontrar nesse texto o relato de um sonho que uma pessoa teve. Nele há muitas verdades. No final, um pouco de imaginação, mas que não deixa de ser uma verdade que pode acontecer.

ACONTECEU NA QUINTA-FEIRA SANTA DE 2022

– Bom dia, Tuk, Aeronauta, Agrill e Pregda!

– Bom dia, José!

– Vocês já leram o Diário de Santa Gemma Galgani?

– Eu não.

– Eu também não.

– Vale a pena ler. Nele tem uma informação sobre a Quinta-feira Santa, o dia de hoje. Vou ler para vocês! Jesus, o Filho de Deus, apareceu a Santa Margarida Maria Alacoque e lhe falou:

“Em toda a minha Paixão, foi no horto que mais sofri, vendo-me completamente abandonado do Céu e da terra. Oprimido pelos pecados de todos os homens, apareci perante a Santidade de Deus, que, sem consideração pela minha inocência, esmagou-me com o peso da sua ira, fazendo-me beber o cálice, que continha todo o fel e toda a amargura da sua cólera justíssima.

Ninguém pode compreender a intensidade desse meu tormento… Todas as noites, da quinta para a sexta-feira, far-te-ei participar da mortal tristeza que senti no horto.

Para me acompanhares nesta humilde oração, que então ofereci a meu Pai, levantar-te-ás entre as onze e meia-noite, e te prostrarás durante uma hora com a face sobre a terra, como Eu fiz, não só para aplacar a ira divina, pedindo misericórdia pelos pecadores, mas também para adoçar, de algum modo, a amargura que senti pelo abandono dos meus Apóstolos que não tinham podido velar uma hora comigo”.

O CONVITE

Vocês quatro estão convidados para fazer a Hora Santa hoje, Quinta-feira Santa, às 23 horas, no Canal da Vocação de Jesus.

Dona Aeronauta, esposa de sr. Tuk, diz:

– Obrigado pelo convite, mas não sei se vamos poder. Como família, nós temos costume de viajar para descansar.

Pregda, a empregada do casal, faz sinal afirmativo com a cabeça, concordando com o casal.

A filha do casal, apoiando-se na empregada, diz a José:

– Não aguentamos ficar em Fortaleza na Semana Santa. A gente sempre viaja para a casa de praia no Aquiraz, não é Pregda?

– Sim! Grillzinha quente! – responde a empregada.

José argumenta:

– Será que é mais importante viajar, ir para a casa de praia, do que meditar na Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo para nos salvar?

Não seria mais vantajoso, espiritualmente e humanamente, demonstrar gratidão a Jesus pelo ardentíssimo amor que O fez suportar sofrimentos para nos salvar?

Fazer a Hora Santa é atender um pedido de Jesus para fazer companhia a Ele nesse momento em que Ele se sentiu completamente abandonado por Deus, por seus Apóstolos, por todos os homens a quem ele veio salvar.

Vocês escutaram Jesus dizendo a Santa Margarida Alacoque que ninguém pode compreender a intensidade de seu tormento no Monte das Oliveiras.

Digam-me! O que é mais importante?!

Ir para a casa de praia, ou ficar na cidade para participar da tradição da Igreja que Jesus fundou em São Pedro?

Estar com a família na casa de praia durante a Semana Santa é mais importante do que estar, no Domingo de Ramos, meditando na entrada triunfal de Jesus em Jerusalém?

  • Na Segunda-Feira Santa, o que vocês fazem na casa de praia? Meditam na prisão de Jesus Cristo?
  • Na Quarta-Feira Santa, vocês celebram o encontro de Nosso Senhor dos Passos com Nossa Senhora das Dores? Participam do Ofício de Trevas?
  • Na Quinta-Feira Santa, vocês lembram que Jesus, na Última Ceia, instituiu a Eucaristia?
  • Vocês presenciam o Lava Pés, para meditar na importância do dom da humildade de Jesus, sendo exemplo de humildade para a humanidade?
  • Meditam sobre a traição de Judas?
  • Meditam na prisão e no interrogatório de Jesus?
  • É na Quinta-Feira Santa que Jesus pediu a Hora Santa. Como ele mesmo disse: “para aplacar a ira divina, pedindo misericórdia pelos pecadores, mas também para adoçar, de algum modo, a amargura que senti pelo abandono dos meus Apóstolos que não tinham podido velar uma hora comigo”.
  • Na Sexta-Feira Santa, na casa de praia, vocês participam da Solene Ação Litúrgica, Paixão e Adoração da Cruz e do Rito da Comunhão?
  • No Sábado Santo, vocês participam da Vigília Pascal, da proclamação da Páscoa, das leituras de 14 passagens bíblicas que percorrem a história da salvação de Adão até os primeiros cristãos? Participam, com o povo de Deus, do canto do Glória e Aleluia, os quais não foram cantados durante todo o período quaresmal?
  • No Domingo da Páscoa, vocês participam da meditação sobre a ressurreição, a vitória de Jesus sobre a morte?

Sr Tuk, dona Aeronauta, Agrill e Pregda! Deus, por meio da Igreja, oferece-nos, durante a Semana Santa, uma riqueza de graças necessárias à nossa salvação. Eu insisto em convidá-los para não viajar, não trocar a riqueza de graças que podem receber, e que serão úteis durante a vida e na hora da morte.

Dona Aeronauta e sua filha Agrill respondem:

– Esse ano não vai dar, porque já tínhamos planejado tudo, desde o meio do ano passado, com os parentes e amigos. Mas ano que vem, acho que vai dar certo.

– José, a mãe está certa. Inclusive, vou levar duas amigas. O que diria a elas, se eu desmarcasse?

– Dona Aeronauta e Agrill! Quando se trata de Deus, não devemos ter respeito humano. Digam a seus familiares e amigos que compreendam que o mais importante é adquirir alegria e riqueza espiritual, as quais, com Deus, jamais acabam. É melhor a alegria e riqueza que o ladrão não pode roubar, do que viver momentos de alegria passageira na terra.

– Mas eles não vão entender!

– Mas se vocês entendem, não desprezem o entendimento que Deus lhes deu.

– Eles vão ficar chateados e até com raiva da gente.

– Digam-me! O que é mais importante? Agradar a Deus ou aos homens?

– A Deus.

– Resposta certíssima! Acreditem no que lhes digo. Vale a pena agradar a Deus e alimentar nossas almas, renunciando os prazeres desta vida por prazeres da vida eterna no Céu. Nós ainda não estamos no Céu. Se queremos ir para lá, é na terra que nos preparamos para irmos para o Céu depois de nossa morte.

As alegrias familiares e com os amigos na casa de praia durante a Semana Santa, não darão a nenhum de vocês as infinitas graças necessárias à vida e à salvação da alma. Pelo contrário, esse tipo de reunião na Semana Santa impedirá vocês de receberem graças que não poderiam deixar de ter.

LEMBREMOS QUE UM DIA TODOS MORREREMOS!

Não vivamos como os pagãos, que vivem como se não fossem morrer e prestar contas a Deus de suas vidas. Nós, católicos, não podemos ser insensatos. Não podemos arriscar perder a salvação.

Não podemos perder as bênçãos e graças que recebemos pela participação na Semana Santa, unidos a toda a Igreja, que medita a Paixão, Morte e Ressurreição de nosso Salvador Jesus Cristo.

– Nós iremos somente dessa vez. Nos outros anos ficaremos para participar da Semana Santa e recebermos todas as graças – disse o sr. Tuk.

– Sr. Tuk! Se o senhor está dizendo que nos outros anos participará da Semana Santa para receber todas as graças, então o senhor está reconhecendo que estará perdendo esse ano e levando sua família a perder graças espirituais, que nenhum católico deve perder.

– Deus entende. Deus é amor. Deus sabe por que temos de ir ainda esse ano. Já estava tudo preparado. Depois nós pediremos perdão a Ele.

O DIA DA MORTE

– Meus irmãos! Ninguém sabe o dia da morte! E se vocês morrerem? A falta dessas graças lhes deixará com a consciência muito pesada, apavorada e totalmente insegura na hora da morte, pois precisarão delas, mas não as terão, ficando assim desprotegidos das terríveis tentações e presenças pavorosas dos demônios.

– Vire essa boca para lá!!! Não iremos morrer agora, minha filha ainda vai fazer faculdade. Temos muito o que viver ainda! Sentimos isso no coração.

A SEMANA SANTA NÃO É SEMANA PARA POUCA ORAÇÃO, NEM DE POUCA DIVERSÃO

Sem deixar de olhar e mexer no celular, dona Aeronauta diz:

– Não se preocupe, José! Lá a gente sempre faz orações. Reunir a família na casa de praia, durante a Semana Santa, é um costume que temos de muitos anos, não dá para mudar de uma hora para outra. Lá todos se comportam bem, até quem bebe, bebe muito pouco.

– Povo de Deus! A Semana Santa não é semana para pouca oração, nem de pouca diversão. A Semana Santa é a semana em que todos os filhos de Deus evitam até diversão lícita. Nestes dias, os filhos de Deus oram, jejuam, fazem renúncias, só escutam música religiosa, veem filmes de santos, meditam na Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

Os pais mais conscientes da importância desses dias orientam os filhos desde crianças a falarem baixo, dentro e fora de casa, durante toda a Semana Santa; ensinam-lhes a evitar brincadeiras, discussões, desentendimentos, música e leituras seculares; a serem comedidos na alimentação; a vestirem-se adequadamente, para o corpo não ser uma OFENSA VIVA contra Deus dentro de casa, na rua e principalmente na Igreja.

A ROUPA NÃO DEVE SER MOTIVO DE INSULTO A DEUS, POIS ATRAI OS CASTIGOS DIVINOS NOS ANOS VINDOUROS.

– O que é isso de roupa, castigos divinos nos anos vindouros?

– Agrill! Um dia, o profeta Jeremias fez uma pergunta a Deus: “Sois sumamente justo, Senhor, para que eu entre em disputa convosco. Entretanto, em espírito de justiça, desejaria falar-vos. Por que alcançam bom êxito os maus em tudo quanto empreendem? E por que razão vivem felizes os pérfidos?” (Jr 12,1)

O Espírito Santo respondeu essa pergunta de Jeremias, dizendo que as pessoas fazem o mal diante de Deus e o repetem, porque a sentença de castigo sobre os maus atos dos maus não é executada imediatamente. O Livro do Eclesiastes diz assim: “Porque a sentença contra os maus atos não é executada imediatamente, o coração dos homens se enche de desejo de fazer o mal.” (Ecl 8,11)

Temos de ter muito cuidado para nosso coração não se encher do desejo de fazer o que desagrada a Deus. Tudo o que desagrada a Deus é mau.

Agrill! Deus mandou o profeta Jeremias falar ao povo o que lhe agradava e o que lhe desagradava. Porém, o povo não escutou. Então, Deus disse a seu profeta: “Eles, porém, não escutaram, nem prestaram ouvidos, seguindo os maus conselhos de seus corações empedernidos; voltaram-me as costas em lugar de me apresentarem seus rostos”. (Jr 7,24)

Infelizmente, as pessoas que fazem o que desagrada a Deus não entendem sobre o mistério do bem e do mal. O Livro do eclesiástico diz: “Assim como os bens, desde o princípio, foram criados para os bons, assim os bens e os males o foram para os maus”. (Eclo 39,30)

MODA OFENSIVA VIVA CONTRA DEUS

– José! Explique-me essa história da roupa… do corpo não ser ofensa viva contra Deus.

– Quando Nossa Senhora apareceu em Fátima, Portugal, em 1917, ela disse: “Hão de vir umas modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”. Em outro momento, Nossa Senhora disse: “…os pecados da carne são os que levam mais almas para o inferno”.

A moda se torna viva e ofensiva a Deus quando a roupa, sendo indecente, é usada por alguém, seja dentro de casa ou em qualquer lugar na sociedade. Deus está em todo lugar. Está também dentro de nossa casa. Não se pode vestir roupas das “modas que ofendem a Nosso Senhor” dentro de casa. Podemos ficar à vontade dentro de casa, mas de modo que nossa liberdade não desrespeite a Deus.

Não podemos esquecer Deus dentro de casa, nem na rua, nem no trabalho, nem com os amigos, nem nas diversões. Não se é católico somente durante a Missa, ou somente no Grupo de Oração, ou somente às quatro da madrugada rezando o Rosário. O católico é católico o tempo todo.

O catolicismo, que Jesus fundou em Pedro, é uma roupa que vestimos no dia em que fomos batizados e nunca tiramos, nunca mudamos por outra. É uma roupa que cresce conosco sem se sujar, sem envelhecer. É uma roupa sobrenatural, que fortalece nossa fé e alimenta nossa alma com sua doutrina.

O próprio Deus cuida dessa nossa roupa, até mais do que cuidou da roupa dos judeus durante os quarenta anos no deserto. “Tuas vestes não se gastaram sobre ti, e teu pé não se magoou durante estes quarenta anos. Eu vos conduzi durante quarenta anos pelo deserto, sem que vossas vestes se gastassem sobre vós, nem os sapatos de vossos pés”. (Dt 8,4-5)

– Ainda não entendi bem sobre roupa ofensiva – insiste Agrill.

ANTES DA “MODA OFENSIVA A DEUS” EXISTIR

– Agrill! A roupa ofensiva a Deus não era tão comum na terra. Na época em que a roupa ofensiva a Deus ainda não tinha dominado, homens e mulheres vestiam-se com pudor. Se você pesquisar sobre o vestuário das mulheres cristãs, e até muitas não cristãs, do ano 1917, entenderá que as roupas modestas daquela época iriam mudar aos poucos, porque, segundo Nossa Mãe, “hão de vir umas modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”.

Naquela época, as mulheres eram muito recatadas no vestir, andar, falar, sorrir, porque o amor e o dom do Temor de Deus lhes fazia cuidadosas e prudentes, para não ofender a Deus com seus comportamentos.

Por causa do Temor de Deus, que é uma escola de sabedoria, às mulheres cristãs, na época, não apenas as cristãs, mas muitas mulheres não praticantes do catolicismo vestiam-se com pudor. As mulheres católicas eram mais esmeras, usavam roupas que não mostravam seus ombros, braços, cotovelos, nem o colo, costas, nem coxas e pernas.

Tinham todo o cuidado no vestir-se para agradar a Deus, de modo que suas vestimentas não fossem uma contradição com as vestimentas de Nossa Senhora e das santas mulheres do cristianismo primitivo.

Antes da moda ofensiva chegar ao mundo, vinda direta do ateliê do Diabo no inferno, com secretários em toda a terra, as mulheres cristãs, ao verem tais modas crescendo na sociedade, tiveram a atitude de não usar indecências; não queriam fazer de seus corpos um insulto à santidade de Deus usando roupas imodestas.

Elas viam que tais roupas eram mais do que inconvenientes às mulheres cristãs, pois eram trajes libertinos que, por si, incentivavam e convidavam para a devassidão. Era vergonhoso ver os manequins vestidos com elas nas lojas.

Muitas mulheres mudavam de calçada, ou olhavam para outro lado. Pediam aos maridos para não comprarem nada nessas lojas. Muitas destas lojas até faliram, mas outras, com a ajuda das forças preternaturais diabólicas, cresceram muito.

Na terra, o Diabo procurava quem quisesse fazer pacto com ele. Os proprietários de lojas que fizeram pactos com o demônio enriqueceram muito rápido.

O PACTO COM O DIABO DE ALGUNS LOJISTAS

Conta-se que o Diabo fazia pactos de dez anos com uns, de vinte anos com outros, de 50 anos com outros. Quem fazia pacto, vendendo-lhe a alma, ficava rico. Mas o pacto tinha prazo de validade.

Quando faltavam alguns meses para o pacto terminar, o demônio vinha buscar sua alma, e do jeito que fez a pessoa enriquecer rápido, ele tirava rápido tudo o que tinha dado, fazendo a pessoa morrer na miséria, deixando muitas dívidas para a sua família.

No final do prazo do pacto, o Diabo brincava de gato e rato, provocando medo, sustos, temores, angústias e terror em sua vítima. O Diabo assustava e aterrorizava dia e noite, sem deixar a sua presa descansar um momento.

A infeliz pessoa que tinha vendido a alma ao Diabo, via-se sem saída; sentia e sabia que o Diabo estava ao seu lado o tempo todo. Sabia que o Diabo podia matá-la quando quisesse, mas o Diabo não a matava, só a assombrava.

O Diabo fazia isso perversamente. Ele iria matar; mas antes de matá-la e levá-la ao inferno, iria judiar muito dela. A pessoa agora entendia que não tinha valido a pena ter feito o pacto que fez para ficar rico, vendendo as roupas das “modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”. Depois de brincar, ao fim da validade do pacto, o Diabo matava e levava sua presa para os terrores eternos do inferno.

OS DEMÔNIOS PROCURAM MULHERES “CORAJOSAS”

As mulheres tementes a Deus não usavam as roupas da moda libertina que tinha chegado ao mundo, para não serem maus exemplos para as jovens e também a fim de não permitirem que, por tais modas desregradas, os demônios que procuravam na terra, mulheres “corajosas” (corajosas entre aspas), encontrassem nelas o que queriam.

Na realidade, os demônios queriam mulheres atrevidas, sem pudor, sem medo de perder a reputação, sem compromisso com a boa imagem das mulheres; mulheres sem amor e Temor de Deus, para usarem no mundo, o lançamento da moda do ateliê do inferno.

Os demônios não encontraram, entre as mulheres cristãs das décadas seguintes a 1917, as mulheres-modelo que procuravam para vestir suas modas, porque as mulheres cristãs daquela época estavam atentas e vigilantes para que os demônios não usassem seus corpos para ofender a Deus direta ou indiretamente, usando a moda projetada por Satanás para despertar a libido masculina.

Estas mulheres cristãs estavam decididas a servir a Deus e não à moda do Diabo. Estas santas mulheres sentiam prazer em agradar a Deus, não em exibir detalhes sensuais de seus corpos por meio da moda indecente, que era uma novidade recém chegada do inferno.

O AUMENTO DA OFENSA A DEUS

Quando a moda ofensiva chegou, ela foi aumentando a ofensa a Deus, foi se tornando cada dia mais afoita e ofensiva na falta de respeito ao Criador de todas as coisas, que é Santo e pede santidade de seus filhos. “Sede santos, porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou Santo”. (Lv 19,2)

As roupas foram encurtando, sempre encurtando mais, principalmente entre as mulheres. Com os anos passando, as pessoas foram se acostumando com as mulheres mostrando mais e mais de seus corpos, até que chegamos aonde estamos. As mulheres não cristãs e até muitas que se dizem cristãs, que vão à Missa e comungam, entraram na moda do ateliê do inferno. 

Como isso aconteceu?

Usando de sua grande inteligência, Satanás soube transformar suas modas, “modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”, em normas de comportamento, hábitos sociais naturais. Em outras palavras, Satanás criou na terra a cultura das “modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”, que Nossa Senhora profetizou em Fátima, em 1917.

A cultura se alastrou em todo o mundo, a ponto de que a geração atual de homens e mulheres não consegue ter o discernimento espiritual e humano sobre as modas que ofendem a Deus.

Homens entram na Igreja de calção, bermuda, camiseta, boné, chapéu.

Mulheres vão à Santa Missa com as costas nuas, barriga de fora, minissaias, shorts, legging, dentre outras roupas usadas nas academias, roupas indecentes, libertinas e devassas. Fazem isso sem perceber que estão ofendendo a Deus.

A maioria das mulheres se veste para seduzir homens, sem ter a intenção de seduzir. Não é de propósito que se vestem mal, simplesmente estão sob o efeito da cultura de Satanás. Só Deus pode libertar homens e mulheres que estão sob essa prisão cultural. Por isso, quem se libertou, não julgue nem condene aqueles que ainda estão aprisionados. Reze muitos Rosários, faça jejuns e entregue tudo nas mãos de Nossa Senhora, que ela sabe como usar o que lhe entregamos.

Homens e mulheres se vestem mal porque virou cultura social. Quando um comportamento vira cultura de uma sociedade, as pessoas acham natural, não veem nada de mais em “modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”.

A cultura das “modas que ofendem muito a Nosso Senhor” roubou de milhões de homens e mulheres:

  • O entendimento
  • O discernimento
  • O bom senso
  • A noção do ridículo
  • A noção do bem e do mal
  • A noção da Luz de Deus e das trevas do demônio
  • A noção do certo e errado
  • A noção do permitido e proibido

A cultura de satanás criou a lei do:

  • Se o homem peca por causa da minha roupa, então não me olhe.
  • Usar minissaia, mostrar a barriga, o decote dos seios, não é pecado, é arte.
  • Se Deus me deu um corpo bonito, o que é bonito a gente mostra.
  • Meu corpo, minhas regras.
  • Não sou fanático religioso.
  • Eu sou livre e faço o que quero.
  • Me visto como quero.
  • Ninguém tem nada a ver com minha vida.

A FALSIDADE

José viu que os quatro estavam se impacientando com ele. Todos olhavam e mexiam no celular. Ele, então, disse:

– Estou percebendo que vocês não querem mais falar sobre o assunto da Semana Santa e sobre a moda do Diabo. Tô indo embora! Bom dia, e por favor pensem a respeito da participação hoje da Hora Santa.

– Já vai? Está cedo. Fique mais um pouco. Gostamos de ouvir você explicando os assuntos da nossa fé.

– É, não vá! Nós estamos lhe ouvindo.

– É tão bom lhe ouvir.

– Tenho de ir. O que tinha de falar, já falei. Bom dia! Deus derrame seu Espírito Santo sobre todos nós.

José sai.

– Filha! O José está ficando muito chato.

– Cada vez mais chato, mãe. Pregda! Vi você revirando os olhos.

– Grillzinha! Eu já não aguentava mais. Graças a Deus que ele já foi embora.

– Ainda bem que já se mandou. Ele virou fanático – diz Sr. Tuk.

A VIAGEM PARA A CASA DE PRAIA

Às 22h30min, Sr. Tuk, dona Aeronauta, Agrill e Pregda terminam de colocar a bagagem no carro. Sem rezar, sem nem se benzer pedindo a proteção de Deus, iniciaram a viagem. Pegam um engarrafamento, pois muita gente está viajando para se divertir no que chamam “feriado da Semana Santa”.

São mais de cinquenta minutos de trânsito lento, pois está havendo dois incêndios. Os carros têm de dar prioridade aos carros dos bombeiros. Uma hora e meia depois de terem saído, Agrill e Pregda vão olhando o celular. Dona Aeronauta escuta música do Raul Seixas e não percebe que seu marido está sonolento na direção.

A 50 quilômetros do destino, ele cochila. Acontece uma derrapagem, todos gritam. Sr. Tuk consegue segurar, mas um relâmpago vindo do céu atinge o carro com tanta violência que o joga numa ribanceira.

Os veículos que vinham atrás pararam para socorrer. Está muito escuro, não se vê nada. Quando a ambulância chega, uma hora depois, os socorristas iluminam como podem o local, mas já não há mais nada a fazer, os quatro estão mortos.

As pessoas que estão olhando escutam um uivado de cachorro dentro da ribanceira. Um vento sombrio, assobiando, sobe de lá, passando pelas pessoas. Elas todas ficam arrepiadas. Uma delas vê vultos escuros sobre os corpos. Vê que vultos, como se fossem os de pessoas, começam a sair dos corpos. À proporção que saem, os vultos negros os pegam e os arrastam para as sombras de umas pedras e somem.

UMA PESSOA SONHOU COM O ACIDENTE QUE PRESENCIOU

A pessoa que viu essa cena contou que, ao chegar em casa, não conseguia dormir. Estava muito impressionada com o que viu dos vultos, com o uivar do cachorro no mato, com o vento assobiando, que passou pelas pessoas que estavam no local. Ela falou que sonhou com o acidente que presenciou.

No sonho, ela viu o acidente acontecendo. Viu que o relâmpago saiu da mão de um Anjo. Viu o relâmpago atravessando a janela do carro e matando um homem e três mulheres.

Viu que os vultos, parecidos com pessoas, que saiam dos corpos, eram as almas das quatro pessoas que tinham morrido. Viu que os vultos negros, que arrastaram os quatro que tinham morrido, eram demônios.

A pessoa disse: 

– No sonho, eu fui levado a um lugar desconhecido por mim. Era um lugar muito bonito e de muita paz. Lá, presenciei o julgamento das quatro pessoas que tinham morrido no acidente automobilístico.

O JULGAMENTO DAS PESSOAS FULMINADAS PELO RAIO

Eu vi quatro almas de pé para serem julgadas.

Vi quatro anjos e quatro demônios.

Ao lado direito de cada uma delas estava o Anjo da Guarda.

Ao lado esquerdo de cada uma delas estava o anjo demônio.

Vi aparecer um outro Anjo saindo de perto do Trono de Jesus e se dirigindo às quatro almas. Ele disse:

– Agora vocês vêem, entendem e sabem o quanto desprezaram os conselhos do anjo da Guarda, que lhes foi dado como protetor?

– Sim! Agora vemos com clareza, entendemos e sabemos que desprezamos o que jamais poderíamos ter desprezado.

– Agora vocês vêem, entendem e sabem o quanto ouviram as mentiras do anjo demônio, que lhes enganava para lhes levar ao inferno?

– Sim! Agora vemos com clareza, entendemos e sabemos que amamos mais a mentira dos demônios do que a verdade de Deus.

– Agora vocês vêem, entendem e sabem o quanto lhes era necessário terem ouvido a Deus, que lhes enviava a cada dia Suas Palavras e graças, as quais eram necessárias à salvação de vocês?

– Sim! Agora vemos com clareza, entendemos e sabemos, que ouvimos algumas Palavras de Deus. Abraçamos algumas graças, mas desprezamos muitas outras, às quais não deveríamos ter desprezado.

OS QUATRO DEMÔNIOS SE APROXIMAM, CADA QUAL DE SUA VÍTIMA, E DIZEM:

– Nós estamos famintos! Pela vida que estas almas viveram, pecando por: falsidade, inveja, mentira, calúnia, perversidade, sensualidade, narcisismo, amor próprio, gula, amor ao mundo, ganância, desprezo da Palavra e das graças de Deus; temos o direito de levá-las como nossas eternas prisioneiras para despedaçá-las, assá-las e devorá-las mil vezes por dia no inferno. 

OS DEMÔNIOS COMEÇARAM A TIRAR DE DENTRO DE SUAS COSTELAS E DE BAIXO DE SUAS ASAS ESCURAS DE MORCEGO, UNS LIVROS DIZENDO:

– Nestes livros, temos anotado tudo o que eles fizeram de errado e pecado. Assim como o Anjo da Guarda deles estava com eles desde quando foram gerados no ventre de suas mães, assim nós os seguíamos também desde esse momento da concepção.

Nós, demônios, conseguimos saber o momento exato em que uma mulher engravida. Desse momento em diante, perseguimos a ela e ao filho em seu ventre.

Tudo fazemos para matar a criança. Se não a fizermos abortar, faremos de tudo para levar o seu filho para o inferno. Essa mulher, mãe dessa moça, raramente orava pela salvação de sua filha.

O pai dela agia do mesmo jeito. Por isso foi fácil entrar na vida dela e usá-la como armadilha para os homens e mulheres nas redes sociais; usá-la como instrumento de maldades e pecados da carne.

O PAVOR

As quatro almas estavam apavoradas, não sabiam o que dizer, como se defender, pois os demônios, que mentem, estavam dizendo a verdade diante do Tribunal de Deus.

Acontece um momento de grande silêncio. Depois começa a surgir um barulho vindo de baixo. As quatro almas veem um buraco começando a se formar debaixo de seus pés. O buraco alarga, elas olham para baixo e vêem o inferno, muito fogo, chamas vermelhas e negras, demônios e almas se contorcendo e gritando de dor lá dentro.

Os quatro demônios pegam as quatro almas e as puxam para dentro do buraco. Elas gritam de terror e dor, pois as garras dos demônios penetram em suas almas.

O TERROR DOS DEMÔNIOS

Vi aparecer uma luz.

Os demônios ficam paralisados.

O buraco do inferno se fecha.

A luz é muito intensa, mas vai diminuindo sua intensidade. Assim vejo que é Nossa Senhora. Ela olha a todos e diz:

– Tragam-me a balança da Justiça Divina.

A balança é trazida. Nossa Senhora diz:

– Demônios! Vamos pesar os pecados e as virtudes deles. Coloquem os pecados de um deles na balança, no prato esquerdo. Anjos da Guarda! Ponha as virtudes no prato direito da balança. Assim façam com os 4, um por vez.

Quando os demônios colocaram os pecados de cada um deles no prato da balança, ele baixou rápido. Em todos eles, os Anjos da Guarda colocaram as virtudes, mas pesou muito pouco. Os demônios riram e disseram:

– Vocês, Anjos da Guarda, perderam! Essas almas são nossas. Iremos assá-las e devorá-las mil vezes por dia, como se diz na terra que eles viviam.

As quatro almas, que tudo presenciavam em seu julgamento, tinham ficado aliviadas com o surgimento de Nossa Senhora, mas agora voltavam a se apavorar. Os demônios se aproximam delas para arrastá-las para o inferno. Nossa Senhora fala:

– Fiquem exatamente onde estão. Não se aproximem delas.

Nossa Senhora se aproxima das quatro almas e diz:

– Eu falei com meu Filho Jesus para tirar a vida de vocês quatro na terra, pois se vivessem mais tempo, vocês iriam se condenar eternamente. Pedi a Jesus que fizesse um grande bem de um mal que vocês quatro planejaram fazer e fizeram contra seus semelhantes.

As pessoas que foram vitimas da maldade de vocês, perdoaram e oraram por vocês. Pediram por meio de muitos Rosários rezados e outras orações que Eu os salvasse das maldades que vocês lhes fizeram, e que desse um jeito de salvar vocês, pois a maldade de vocês tinha feito grande bem às almas deles. Disseram que, sendo assim, queriam que vocês fossem recompensados com a salvação.

Como eu prometi atender as orações de quem reza o Rosário todos os dias, eu vou interceder por vocês diante de Meu Filho.

A INTERCESSÃO DA MÃE SANTÍSSIMA

Nossa Senhora se dirige a Jesus e diz:

– Filho querido! Eu prometi que atenderia a oração de quem rezasse meu Rosário todos os dias.

Os quatro demônios, acostumados a sempre perder para a Mãe de Deus,  perturbam-se e pedem para falar à justiça, e dizem:

– Supremo Juiz! Vossa Mãe prometeu salvar quem rezasse o Rosário. Essas quatro almas nunca rezaram um Rosário na vida.

– É verdade, Filho querido, que nunca rezaram, mas é verdade que eu prometi atender à oração de quem rezasse meu Rosário todos os dias, e apresento-vos esses meus filhos que rezam o Rosário todos os dias. Eles me pediram a salvação dessas quatro almas.

Quando Nossa Senhora disse que apresentava os filhos que rezavam seu Rosário, Ela aponta seu coração e nele a Virgem Santíssima mostra as pessoas a quem se refere. E diz:

– Filho! Tenho aqui comigo muitos dos Rosários rezados por estes meus filhos, sendo que uma das intenções é em favor dessas quatro almas. Vou colocar alguns dos Rosários rezados por eles na balança, no prato direito, junto às poucas virtudes deles.

Nossa Senhora chama seus Anjos. Aparecem mais de mil, cada um tinha rosários nas mãos. Nossa Senhora diz a um dos Anjos:

– Vá e coloque estes Rosários na balança no prato que tem as virtudes deles.

Nossa Senhora olha para os outros Anjos com Rosários rezados e diz:

– Segurem estes Rosários por enquanto.

O Anjo que foi colocar os Rosários na balança se aproxima do prato e coloca nele os Rosários que tinha nas mãos. Quando ele coloca, o prato direito fica tão pesado que, baixando com violência, ergue o prato da esquerda com as acusações dos demônios tão rápido, que todas as acusações caem pelo chão.

Os demônios gritam, dizendo:

– Mande os outros Anjos ficarem onde estão. Não precisa colocar os outros Rosários. É muita humilhação. Queremos permissão para voltar ao inferno.

Nossa Senhora dá a permissão, o buraco volta a se abrir, eles pulam e descem. O buraco se fecha imediatamente.

Nossa Senhora diz ao Anjo que recolha os Rosários que colocou na balança:

– Recolha os Rosários rezados, junte aos que os outros Anjos guardam. Usarei-os em favor de seus donos no dia de suas mortes.

O Anjo se junta aos outros, cada um com muitos Rosários rezados. Em fila, eles entram em um salão de ouro. É um salão grande e alto. É tão grande que os mil Anjos que entraram se somam a muitos outros Anjos que estão arrumando os Rosários em grandes salas. Na entrada de cada uma tem o nome de uma pessoa que reza o Rosário todos os dias.

Eu vi que as salas eram grandes, mas tinham tamanhos diferenciados. Umas eram maiores que outras. O motivo era que para quem rezava mais de um Rosário por dia, todos os dias, os Anjos, então, tinham de reservar salas maiores para guardar suas orações.

Vi que a movimentação de Anjos naquele salão era grande, pois a todo instante estavam chegando Rosários rezados, os quais eles recebiam e colocavam em prateleiras de ouro.

Vi que os Rosários rezados tinham cores diferentes, segundo as intenções pelas quais eram rezados. A maioria deles era como fumaça viva branca e muito luminosa, sendo mais luminoso no centro. Tinham vida, eram orações vivas. Cada um tinha perfume, altura, largura, comprimento, densidade e peso diferentes do outro.

Vi que os Anjos, em três horários diferentes do dia, na eternidade que não tem dia, pegavam os Rosários rezados e os apresentavam a Nossa Senhora. Ela dizia que os levasse a Deus Pai, no Nome de Jesus, em seu nome e em nome de São José.

Vi as almas, salvas pela intervenção de Nossa Senhora durante o julgamento, a abraçarem e a ela agradecerem com muito choro, gratidão e felicidade.

JESUS CHAMA AS QUATRO ALMAS E LHES DIZ:

– Pela vida que vocês viveram, vocês mereceriam ser condenados ao inferno, mas Eu mesmo dei à minha Mãe os meios para me ajudar a salvar o maior número de almas. Por isso, estabeleci por meio Dela, no mundo: a devoção aos Nossos Sagrados Corações, o Rosário e outros meios que os homens podem aproveitar para ter minha Mãe como interventora no julgamento na hora da morte, intercessora e protetora durante a vida na terra.

Vou salvar vocês quatro por causa da intervenção de minha Mãe em favor de vocês, e dos Rosários rezados pelas pessoas contra as quais vocês, com perversidade, tentaram fazer o mal na terra.

Estas pessoas não olharam a maldade de vocês contra elas, olharam o bem que Eu lhes fiz por causa de suas maldades. Ao verem o bem que lhes fiz, ficaram tão gratos a Mim, que pediram que lhes recompensasse com a salvação eterna. Disseram-Me em suas orações:

– Senhor Jesus! Se estas pessoas, a quem perdoamos de todo o coração, não tivessem tentado fazer esse mal contra nós como tentaram, nós não teríamos recebido de Vós as preciosas e imprescindíveis graças que nos destes para a vida física na carne, vida material e espiritual.

Por causa dessa grande bondade e misericórdia para conosco, nós Vos pedimos, pela intercessão de Nossa Senhora e São José, a salvação eterna dessas quatro pessoas.

– Sem a minha Mãe, sem a oração e os Rosários rezados pelas pessoas que vocês quiseram fazer muito mal, vocês ainda iriam viver mais alguns anos na terra, iriam fazer mais maldades, iriam ser fulminados pelo relâmpago do Anjo, iriam morrer e ser condenados ao inferno, de modo que nem minha Mãe poderia livrá-los.

Mas minha Mãe pediu para tirar a vida de vocês antes que Ela nada mais pudesse fazer para salvá-los. Vocês irão se purificar de suas maldades e crescer espiritualmente no fogo do Purgatório. Não saberão quanto tempo ficarão, nem quando sairão. Lá vocês irão interceder pelas pessoas que vivem na terra. Lembrem-se de seus amigos.

QUANTO AOS AMIGOS DE MUNDANISMO E MALDADES DE VOCÊS:

Se continuarem a aceitar o mal em seus corações contra outras pessoas; se continuarem a não querer se arrepender de seus pecados, enquanto podem; a Justiça Divina exigirá suas vidas. Terão morte súbita, sem tempo para se confessarem, já que rejeitam confessar-se para mudar de vida. Um se salvará, mas ficará no Purgatório até o fim dos tempos.

OS OUTROS SERÃO CONDENADOS AO INFERNO, PORQUE:

Não amam seus semelhantes.

Não perdoam, para serem perdoados por meu Pai.

Querem se vingar de quem lhes prejudicou.

Não têm piedade dos outros, como querem que Eu tenha deles.

Não querem o bem para os outros, como querem para si mesmos.

Amam o pecado em que vivem, dizendo que não é pecado o que Eu declarei ser pecado.

Passam muito tempo se perdendo nas redes sociais.

Amam o mundo no qual, em breve, Eu irei fazer uma lavagem. Nessa lavagem, purificarei o mundo que criei, tirando dele todas as pessoas que não querem Me amar acima de tudo, porque preferem amar coisas que não lhes servem de nada. Estes terão um terrível lugar de sofrimento no inferno.

Esse foi o sonho que a pessoa disse ter tido.

Disse que foi tão real, que não esqueceu dos detalhes do que viu e escutou até o dia de hoje.

Que Deus nos faça tirar bom proveito, para a nossa salvação, do que acabamos de ler.

. . .

Deus, que é bom, misericordioso e poderoso, abençoe-nos a todos.
J.V.

3 comentários sobre “COMO FOI SUA SEMANA SANTA?

  1. Bendito seja Deus por ter dado este sonho a esta pessoa, que serviu de forte alimento para nossas almas e grande motivação para rezarmos cada vez mais Rosários. Que Nossa Senhora, Nossa Advogada, nos livre de todo mal e nos dê a salvação!!!
    Obrigada, Vocação de Jesus.

  2. A hora santa marcou profundamente a minha vida. Tive um profundo sentimento da presença de Deus e sonhei coisas espirituais. Se Deus quiser próximo ano vou ficar mais atento ainda mais. Essa semana Santa foi diferente.

  3. Bendito seja Deus por essa formação, que nosso senhor Jesus Cristo e nossa mãe santíssima nos conduza no devido amor e zelo por Deus e sua santa vontade. Amém

Escreva seu comentário