Muitos Santos Doutores escreveram sobre Maria Santíssima, cantaram os louvores e glórias da Mãe de Deus. São Bernardo não foi chamado a Cítara da Virgem? Que belos pensamentos e cheios de unção, os que saíram da pena do Seráfico doutor São Boaventura ao escrever sobre Maria. Que riqueza e facúndia de estilo, e que sublimidade, a de um Santo Agostinho nos louvores da Mãe Celeste! Quanta joia preciosa e bela na literatura patrística, nos escritos dos Santos Doutores em torno deste inesgotável tema: as glórias de Maria!

Pois, não é exagero nem ousadia afirmar: Santo Afonso a todos excedeu nas suas Glórias de Maria. Não pelo seu estilo, ou arroubos de eloquência, ou sublimidade e sutileza de ideias. Simplesmente por isto: foi o Santo Doutor, abelha diligentíssima, que de modo genial sintetizou e colheu na Tradição e nas escolas teológicas e na literatura religiosa de todas as épocas, tudo quanto se escreveu de mais belo, de mais útil, de mais precioso e consolador sobre as glórias e a devoção de Maria Santíssima. Podemos chamá-lo o Doutor de Maria.

Mariologia alfonsiana é de uma segurança doutrinária e de uma beleza inexcedíveis. Santo Afonso recebeu do céu o dom de escrever sobre Maria com uma unção e um encanto e uma sublime singeleza, se assim me posso exprimir, como nenhum outro Doutor ou escritor sacro. Que gênio o deste Santo admirável! Tudo quanto à tradição nos legou de mais belo, edificante e consolador, através de tantos séculos, Afonso sintetizou nas Glórias de Maria. Naquele estilo singelo, naquela simplicidade tocante e quase ingênua de exemplos e comparações, meu Deus, que mundo, que oceano de ideais e que consoladores e confortantes pensamentos! Não tenho medo de contestação na história da Mariologia não há melhor nem maior doutor de Maria que Santo Afonso.

Das Glórias de Maria escreve o Pe. Geraldo Pi­res, Redentorista e tradutor desta joia mariana:

“O livro de Santo Afonso é riquíssimo em citações”

É com palavras de outros que descreve a grande misericórdia, o extraordinário poder de Maria. Como ele mesmo confessa, passou dez anos colhendo citações nos livros de numerosos autores, tirando deles os trechos mais belos, mais tocantes, mais convincentes sobre a Mãe de Deus.

Formou assim um colar de pérolas que se estende pelas páginas afora da obra. Reuniu as vozes dos Santos Padres, dispersas pelos escritos, e delas fez uma sinfonia em honra da Virgem. Santo Afonso vive baleando no caudal da tradição e por isso há tanto ouro nas citações que faz. Cita com agudez de juízo e com fineza de inteligência. Recolhe, mas como operosa abelha, e apresenta-nos favos saborosos.

O estilo de Santo Afonso tem mais uma particularidade. É simples, singelo, humilde. O sábio teólogo, o afamado advogado, o admirável pregador, estão ocultos na modéstia da frase. O santo nota-se, a cada passo esconde a luz da sua inteligência sob a repetição de frases simples.

Por isso, também seu estilo fala ao coração. É cordial, é recordativo de toda a pessoa do Santo. Afonso repete-se, repete sentenças sobre o poder, sobre a misericórdia de Maria. Que fazer? Nisso está o “tema iterativo” do seu hino em honra da excelsa Mãe de Deus.

Já velho e cansado, Afonso fez sem o querer o melhor elogio da sua obra. Um dia pediu ao Irmão leigo que o servia, que lhe lesse algum livro sobre Nossa Senhora. O Irmão pôs-se a ler as Glórias de Maria. O Santo o interrompeu logo depois admirado e comovido:

“Meu Irmão, quem teria escrito um livro deste, tão belo, sobre as glórias de Maria?”

O Irmão simplesmente leu o nome do autor: Afonso de Ligório. Muito desapontado o Santo mudou logo de assunto. O elogio, porém estava feito e, espontaneamente, partido do coração que tanto amava à Virgem Santíssima. Realmente, Glórias de Maria é um livro incomparável, a mais bela e rica joia da Mariologia, porque é um tesouro de citações e de doutrinas consoladoras. Santo Afonso foi o pregador da Mediação de Maria, da Assunção gloriosa, da Imaculada Conceição, muito tempo ante proclamada esta, como dogma de fé. A Mariologia Alfonsiana é segura e muitíssimo consoladora.

O que encanta em Santo Afonso é a unção, é a beleza das suas orações. Que orações verdadeiramente seráficas! Um Serafim não poderia rezar a Maria com expressões mais candentes e com maior ternura.

A preocupação deste Doutor útil, na expressão do Pe. Desurmoto é dar às almas meios seguros de salvação. — Nenhum meio acha melhor Afonso que o recurso a Maria. Na vida espiritual o ascetismo alfonsiano se baseia em cinco princípios muito seguros: A lei da oração: “quem reza se salva quem não reza se condena”; a lei da Divina Misericórdia, a lei do culto de Maria, a lei da perseverança ou zelo pela perseverança final, e a fuga das ocasiões.

Quanto à devoção a Maria, o Santo Doutor parece esgotar todos os recursos do seu gênio e do seu amor para traduzir de mil formas quanto é ela importante e necessária a todos os cristãos.

Estou certo que, se no tempo de Santo Afonso se celebrasse o mês de Maria, por certo da pena do Santo Devoto da Virgem, teria brotado um Mês de Maria. Pois, tive a ousadia de compor um mês de Maria segundo Santo Afonso, a águia dos Evangelistas de Maria. O meu trabalho aqui foi apenas de compilador.

Reuni tudo quanto achei de melhor e mais consolador e belo nas “Glórias de Maria”. Dispus tudo em ordem dos trinta e um dias do mês de Maria. Acrescentei alguns exemplos novos e aproveitei quanto possível os exemplos das Glórias de Maria.

Aí está o Mês de Maria segundo Afonso. E para terminar quero fazer minhas, as expressões de meu querido Santo Afonso:

“Ó Maria, bem sabeis quanto tenho buscado exaltar-vos sempre e em toda parte, em público e em particular, a todos insinuando a doce e salutar devoção para convosco. E tudo isso no empenho de ver-vos amada pelo mundo inteiro, como o mereceis. Assim procedo para também de algum modo mostrar meu agradecimento pelos insignes benefícios que a mim tendes dispensado.

Ó minha caríssima Rainha, espero que esta minha oferta — inferior embora ao vosso merecimento — seja benignamente acolhida por vosso sempre grato coração, sendo, como é, um obséquio de amor.

Estendei, portanto, essa tão benigna mão que me libertou do mundo e do inferno. Aceitai este livro e protegei-o como propriedade vossa. Mas ficai cientes que por este pequeno obséquio exijo uma recompensa: a de amar-vos doravante mais do que pelo passado, e que cada um daqueles, em cujas mãos for parar este livro, fique abrasado no vosso amor. Que nele de repente se aumente o desejo de amar-vos e de amada vos ver por todo o mundo. Que de todo o coração se ocupe em espalhar e promover vossos louvores e a confiança em vossa poderosíssima intercessão. Assim espero. Assim seja.

Vosso amantíssimo, embora indigníssimo servo”

Mons. Ascânio Brandão



VOLTAR PARA O ÍNDICE DO LIVRO
UM MÊS COM NOSSA SENHORA


(BRANDÃO, Monsenhor Ascânio. Um Mês com Nossa Senhora ou Mês de Maria, segundo Santo Afonso Maria de Ligório. Edições Paulinas 1ª ed., 1949, p. 13-18)


POSTS RECENTES

#destaque angustias desta vida Ano de São José Ascânio Brandão ave maris stella Breviário da Confiança catecismo chagas COnsagração a nossa senhora Consagração por meio de Maria Consagração total Cruz doutrina ESTRELA DO MAR eternidade eucaristia indulgencias por méritos de São José Live Oracional Maria meditação misericórdia Nossa Senhora ofício Oração oração a são josé Padre Júlio Maria Paixão de Cristo palha PUREZA purgatório Sagrada Família Santa Teresa de Jesus Santo Afonso de Ligório santo agostinho Semana santa São José são joão da cruz São Luís de Montfort são pedro São Pio X Trigo VINDE ESPÍRITO SANTO Vinde Espírito Criador virgem maria


Escreva seu comentário